Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > FILIPINAS & SOMÁLIA

Mais mortes de trabalhadores da mídia

Por Comitê para a Proteção dos Jornalistas em 22/12/2009 na edição 569

Em todo o mundo, ao menos 68 jornalistas morreram cumprindo seu trabalho em 2009, a maior cifra anual documentada pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas até agora, segunda uma nova análise da organização. O número recorde foi alimentado, em grande parte, pelo assassinato de 30 trabalhadores de meios de comunicação que cobriam as eleições na província filipina de Maguindanao, o evento mais letal para a imprensa em toda a história do CPJ.

A cifra anual supera o recorde anterior de 67 mortes documentado em 2007, um ano de violência generalizada. Em sua análise mundial, o CPJ também apurou mudanças notáveis nos riscos que a imprensa enfrenta em zonas de combate. As mortes no Iraque continuaram a tendência de decréscimo. Quatro jornalistas iraquianos foram mortos durante o ano, o número mais baixo desde o início da guerra. Mas a violência aumentou na Somália, onde nove jornalistas locais foram assassinados ou mortos em situações de combate.

O informe completo está disponível, em inglês e em espanhol. Um banco de dados com todos os jornalistas mortos em 2009 está disponível (em inglês) em: http://cpj.org/killed/2009/. [Nova York, 17 de dezembro de 2009]

******

CPJ é uma organização independente, sem fins lucrativos, sediada em Nova York, que se dedica a defender a liberdade de imprensa no mundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem