Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA >

Monteiro Lobato vai para o trono?

Por Muniz Sodré em 01/03/2011 na edição 631

Um incidente pré-carnavalesco trouxe de novo à cena a figura de Monteiro Lobato, que frequentara com alguma assiduidade as páginas da imprensa no ano passado, quando o Conselho Nacional de Educação (CNE) considerou racista o livro Caçadas de Pedrinho. Agora é a camiseta desenhada por Ziraldo para o bloco carioca ‘Que merda é essa?’, em que Lobato aparece sambando com uma mulata. Houve manifestação popular e protestos, dos quais o mais veemente e consistente foi o da escritora Ana Maria Gonçalves, autora de Um Defeito de Cor, romance notável no panorama da literatura brasileira contemporânea.


Nenhum jornal reproduziu o teor da carta – ponderada e judiciosa – da escritora ao cartunista, admitindo que poderia tê-la estendido a outros destinatários, nomes importantes no chamado corredor literário. Há, porém, a internet, e graças a ela se fica a par dos argumentos da romancista, todos inequívocos quanto ao racismo do consagrado autor de Caçadas de Pedrinho. Pela imprensa escrita, ficou-se sabendo apenas que, na opinião da autoridade tal, ‘a manifestação era uma besteira’, ou então que carnaval não é ocasião para ‘assuntos de seriedade’.


Para meter aqui a colher na discussão, é preciso deixar claro de início e de uma vez por todas, o seguinte: Monteiro Lobato era um racista confesso, seu ódio aos negros não é nada que se deduza por interpretação de seu texto ficcional. Mas quase todo o mundo leitor sabe disso. É lamentável fingir inocência ou alegar que o racismo brasileiro é diferente, é ‘afetuoso’. Aí estão publicadas as cartas ao amigo Godofredo Rangel, em que Lobato se perguntava como seria possível ‘ser gente no concerto das nações’ com aqueles ‘negros africanos criando problemas terríveis’. Que problemas? Simplesmente serem negros, serem o que ele chamava de ‘pretalhada inextinguível’. O escritor sonhou ficcionalmente com a esterilização dos negros (vide O Presidente Negro) e sugeriu, muito antes do apartheid sul-africano, o confinamento dos negros paulistas em campos cercados de arame farpado.


Não cabe argumento


No entanto, se me perguntassem qual a minha relação pessoal com a literatura infanto-juvenil de Lobato, eu teria de ser honesto e confessar que, ainda menino, no interior do Brasil, era fascinado por suas narrativas. Francamente, eu nunca havia percebido os laivos racistas, que não são tão numerosos assim em sua obra ficcional, mas estão lá para quem se dispuser a bem enxergar. Lobato dizia que a escrita é um ‘processo indireto de fazer eugenia’ e de fato ele sabia como fazer. Isso significa que se deva banir a literatura de Lobato? Como se pode abominar o que também se ama ou se amou?


Não são questões fáceis. O que se pode inicialmente fazer é fornecer algum material para uma reflexão, que talvez possa mesmo contribuir junto aos editores de nossa mídia para a adoção de posições mais qualificadas no tocante à difícil questão racial brasileira.


O primeiro ponto a se levar em conta, se desejarmos uma avaliação objetiva da posição de um ‘outro’, estranha à nossa, é que se rejeite o binarismo simplista das oposições radicais (direita/esquerda, culpa/inocência etc.) porque debilita as formas mais abrangentes de compreensão do mundo. Claro que existe o racismo, assim como a direita política, autoritária e odiosa no passado, às vezes coberta com pele de cordeiro e sempre formuladora de políticas a serviço do capital financeiro e dos complexos industriais. Mas a radicalização da oposição a seu contrário impede não apenas a compreensão de dimensões sutis e ambivalentes de determinados problemas, como também a percepção de aspectos obtusos e autoritários na esquerda supostamente progressista.


A atuação soviética no leste da Polônia, durante a Segunda Grande Guerra, tinha em comum com alemã no oeste a palavra ‘atrocidade’. Sobre as vítimas dos genocídios, não cabe o argumento das especificidades políticas.


Diferença que não é metafísica


Depois, que se ponham entre parênteses aspectos historicamente rebarbativos das circunstâncias ideológicas em que se gerou um determinado saber tido como relevante para a consciência crítica. Por exemplo, a inegável adesão de Heidegger a um momento do nacional-socialismo alemão, uma das primeiras ditaduras tecnológicas do Ocidente, não oblitera a importância da crítica heideggeriana à técnica. Outro exemplo: o passado nazista de Carl Schmitt não impede que sua obra hoje possa ser academicamente avaliada como uma das mais importantes da ciência política contemporânea.


É um engano, portanto, pôr a razão de um lado e a desrazão de outro, em termos absolutos. Quando falamos de ‘razão’, estamos nos referindo à possibilidade de conhecer a priori, erigida como faculdade superior do homem. Mas não raro as posições divergentes são aspectos diferenciados da mesma razão, tomada como contraditória à primeira vista. É que existe uma espécie de ‘impacto emocional dos conceitos’, referido por Florestan Fernandes ao criticar as formulações sociológicas que se detêm em determinações estruturais de significado geral, fora e acima dos contextos histórico-sociais, e assim ‘criam uma falsa consciência crítica da situação existente, paradoxalmente simétrica às mistificações antirradicais, elaboradas por meio das ideologias conservadoras’.


Há evidentemente limites para a convergência ou para a reconciliação dos contrários (esses limites fornecem historicamente os materiais da oposição esquerda/direita). Em termos bem esquemáticos, pode-se dizer que a direita sempre esteve do lado do capital, enquanto a esquerda almejou a alternativa socialista. Mas a diferença não é metafísica, e sim histórica, e só pode ser deduzida de situações socialmente concretas.


Racista confesso


Em outras palavras, se não reconhecemos no trabalho dos autores historicamente classificados como de direita (reacionário, comprometido com a manutenção do status quo, a despeito das iniquidades) a mesma inteligência que gerou o trabalho de pensamento de esquerda (revolucionário ou reformista, empenhado na transformação das estruturas sociais e das formas vigentes de dominação), deixamos de entender por que determinadas formas de dimensionamento da realidade foram tão aceitáveis para vastas parcelas da humanidade, ainda que contrárias à veracidade por nós atribuída à órbita intelectual e afetiva em que nos movimentamos – portanto, às vontades que comandam a nossa inteligência.


É provável que esse modo de pensar não resolva de imediato a questão – lobatiana – em pauta. Mas aponta para a densidade e a diferenciação dos níveis de leitura. Num certo nível, é possível a uma consciência generosa ou solidária para com as diferenças aproveitar algo do brilho de um pensamento conservador, nada solidário para com o outro. Em outro nível, isso é impossível. Por exemplo, a uma criança, portanto no estágio plástico e movediço de sua socialização, torna-se muito difícil fazer a crítica do criticável. O Lobato de que estamos falando é aquele que escrevia para um público infanto-juvenil, esse mesmo sobre quem os preconceitos e os estereótipos atuam com toda a força emocional que costumam ter. É, portanto, um público a ser protegido.


Se até hoje escritores, intelectuais, jornalistas, homens ditos públicos não conseguem assimilar a gravidade da questão racial e perdem o siso quando veem os pés de barro de seu escritor-ídolo de infância, como esperar que as crianças o façam? Lobato era, sim, um bom escritor, um editor importante, um visionário (sempre acreditou na existência de petróleo no solo nacional), mas também um racista confesso. Este é o real, este é o fato, que é preciso aceitar como ponto de partida para depois se decidir, como diria o Chacrinha, se ele vai ou não para o trono, se será ou não buzinado.

******

Jornalista, escritor e professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Todos os comentários

  1. Comentou em 02/03/2011 Thiago Corrêa Silva

    Ao Senhor Max creio que o senhor esteja um pouco enganado sobre a situação dos mestiços dentro do Brasil, a questão é os afrodescendentes que possuem fenotipicamente a pele escura, são tratados de forma diferente. Seus amigos, Asiodescendentes, não se sentem menosprezados tendo em vista que essa parcela é sempre considerada como concentrada, organizada e evoluída. Afrodescendetes Brancos são tratados de maneira diferente em relação aos Afrodescendentes Negros, o preconceito no Brasil é de marca aqui o que se discrimina é cor da pele, formato de nariz, tipo de cabelo e não a origem, por isso se dá tal hostilidade. O articulista chama atenção pra algo maior, salienta que não devemos julgar e condenar o autor pelo fato de ser racista, algo que nunca foi encoberto em suas obras e que devemos ter cuidado para não sermos fanáticos e fundamentalista em nossas opiniões e isso independe da corrente política ou filosófica, verdades absolutas levadas a “ponta de foca” acabam se transformando em dogmas. E assim perde-se o foco, a chance de descortinarmos, de tocarmos na questão do racismo que assola o País. As obras não devem ser retiradas,nem censuradas, mas professores e educadores devem tocar na questão e destacar o racismo contido nos livros e aprofundar a discussão em sala de aula.

  2. Comentou em 02/03/2011 Fabiana Tambellini

    Monteiro Lobato era um bom escritor e racista, uma coisa não anula a outra. Foi-se o tempo dos ‘monstros sagrados’. Não tem porque esconder que o escritor era racista, adepto da eugenia e admirador da Ku Klux Klan.

  3. Comentou em 02/03/2011 paulo de almeida

    Neste universootário… talvez o próximo que terá os livros queimados será Guimaräes Rosa, numa atitude que volta… ao citado Nacinal Socialismo. Afinal, passando pelo filtro crítico, e dito näo metafísico (aquilo que vê uma coisa e interpreta outra… já que o Sr. teve boas vivências em sua infância com tais livros) o nazismo era esquerda ou direita ilustre prof. universitário? E o Kadaf?…

  4. Comentou em 01/03/2011 Fabio Alves

    Se a proibição, sob argumento do racismo, é legítima, há que se iniciar nova produção literária, devidamente liberada por uma comissão do politicamente correto, e que tal literatura seja a única considerada adequada para a escola.

  5. Comentou em 25/06/2007 João Paulo Aquino

    Olá, a Editora da Universidade Federal Fluminense está lançando o livro ‘As manobras da informação’ que faz a análise da cobertura jornalística da luta armada no Brasil (1965-1979). Trata da censura e muitos outros assuntos.
    Gostaria de saber para qual jornalista poço enviar um release e um exemplar do livro.
    Para qual endereço?
    Em nome de quem?

    Att.

    João Paulo Aquino
    Assessoria de Comunicação da EdUFF

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem