Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > DESMATAMENTO SEM CONTROLE

O despertador da imprensa

Por Alberto Dines em 02/02/2008 na edição 470

A imprensa informa, explica, educa, mas a imprensa também deve funcionar como um despertador público. Se abdica da função de chamar a atenção, descumpre uma das suas principais missões sociais.


No caso do novo surto de devastação da floresta amazônica, a Folha de S.Paulo acionou o alarme na segunda-feira (28/1). Nos dias seguintes, os jornais anunciavam dados assustadores fornecidos pelo INPE: só no último trimestre, foi desmatada uma área equivalente a quase cinco vezes a área da cidade de São Paulo.


O presidente Lula ficou impressionado, mandou checar. Fez o que se espera de um governante: alertado, tomou providências.


Na quarta-feira (30/1), o presidente deu marcha-ré: preferiu minimizar o alarme do dia anterior e saiu-se com nova metáfora ao afirmar que não se pode tratar uma simples ‘coceira’ como doença grave.


Ora, coceiras às vezes indicam um câncer de pele. A situação da Amazônia é grave, não é de hoje e a imprensa faz bem em ligar as sirenes quando flagra a devastação. Um governante sensível aos alarmes e advertências inspira mais confiança do que um chefe de estado desatento e bem-humorado.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem