Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > DIA DO JORNALISTA

O jornalismo e a valorização dos jornalistas

Por Celso Schröder em 14/04/2015 na edição 846

Reproduzido do site da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), 7/4/2015

Não é tarefa fácil comemorar o Dia do Jornalista neste 7 de abril. Não depois que as maiores empresas jornalísticas abandonaram o próprio jornalismo e assumiram o partidarismo como objetivo, não depois que o jornalismo abdica da informação e a troca pela profusão de opiniões que pululam de graça também nas chamadas redes sociais. Mas é fundamental reafirmar a importância social e a relevância histórica dos jornalistas e do jornalismo.

É tarefa árdua esta de valorizar o jornalismo depois que o sensacionalismo e a espetacularização assumiram o valor central desta atividade responsável por ter ajudado a construir a moderna esfera pública que conhecemos. Depois da preguiça e o descompromisso ético ter tomado conta da ação de alguns.

É difícil mas necessário e, principalmente realizável, reconhecer e valorizar o trabalho dos jornalistas. O jornalista existe porque a sociedade precisou e ainda precisa da livre circulação de informações. A sociedade constituiu um profissional que fizesse os relatos não testemunhados pelo restante da comunidade. Um profissional que relatasse a verdade e assegurasse a credibilidade das informações.

Neste dia 7, gostaria de ver a sociedade brasileira lembrando e homenageando as centenas de jornalistas que se sacrificaram, alguns com a sua vida, através de seu trabalho cotidiano e nem sempre glamouroso. Gostaria de ver os empresários que enriqueceram às custas deste trabalho, remunerando adequadamente este trabalhador singular. Gostaria que os assassinos e agressores de jornalistas fossem exemplarmente punidos e os censores nunca mais existissem.

Neste Dia do Jornalista, gostaria que o governo editasse políticas públicas que garantissem a segurança dos jornalistas e que a sua profissão voltasse a ser exercida a partir da formação superior específica. Que este dia 7 seja o início de muitos outros dias em que o jornalista possa cumprir sua tarefa exclusiva, o jornalismo, de maneira livre, independente e potente. A sociedade precisa disto.

***

Celso Schröder é presidente da FENAJ, da Federação dos Jornalistas da América Latina e do Caribe (FEPALC) e vice-presidente da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem