Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA > CASO JÚLIO LANCELLOTTI

O apedrejamento jornalístico

Por Gabriel Perissé em 06/11/2007 na edição 458

Agora é tarde. As pedras já foram lançadas contra Júlio Lancellotti. Aqueles que por algum motivo discordam de sua maneira de ver e atuar estão secretamente felizes. Ou não tão secretamente. Aqueles que praticam o jornalismo do escancaramento, com ou sem evidências, já cumpriram sua missão.


Hermano Freitas, por exemplo, utilizando locuções verbais para exprimir fatos acontecidos (ou não?) em época passada, escreveu: ‘ex-interno da Febem, Batista teria conhecido e iniciado um relacionamento amoroso com o padre na instituição, onde foi internado aos 16 anos por roubo.’ (Folha Online, 27/10/2007). A expressão ‘relacionamento amoroso’ é o que interessa, sobretudo num momento em que casos registrados de pedofilia dentro da Igreja católica criaram e difundiram a sensação de que o mais provável é que se repitam sempre e em todo lugar.


O recurso das aspas funciona como pretexto para reproduzir a fala irresponsável de quem quer que seja sobre o que for. Na mesma matéria de Hermano Freitas, lemos, com as aspas indicando (heróica objetividade…) as palavras de um outro: ‘‘Eles chegaram a ter relações sexuais dentro da igreja’, disse o advogado de Batista. […] O advogado afirma que o valor dos bens recebidos por seu cliente foi de ‘quase 700 mil reais’ e que o relacionamento entre o padre e ex-detento acabou após Batista ter se casado, em outubro de 2006. Ainda de acordo com ele, o sacerdote mantinha relações sexuais com outros meninos.’


Michael Jackson da Mooca


Diogo Mainardi, na Revista Veja (ed. 2031), adota outro expediente. O da pseudo-insinuação. Chamar o padre de ‘Michael Jackson da Mooca’ é colocá-lo no banco dos réus por antecipação, e reduzir a figura do sacerdote à imagem de um astro pop tupiniquim.


Na Record, o programa ‘Fala que eu te escuto’ emitiu seu veredicto. O problema de Júlio Lancellotti é o celibato. Se não houvesse celibato obrigatório para os padres, esses casos deixariam de existir. Não é bem uma pergunta, ou uma enquete… É condenação mesmo.


No dia 3 de novembro, divulgou-se na mídia o ‘desabafo público’ de Padre Lancellotti, depois das pedradas: ‘aquelas coisas todas, que foram ditas e colocadas nas manchetes dos jornais e dos noticiários, não aconteceram.’


A mídia não sente culpa. Ninguém admitirá que atirou a primeira, a segunda, todas as pedras.


E sempre há uma chance de, antes do Natal, aplicar o golpe de misericórdia…

******

Doutor em Educação pela USP e escritor. Site do autor: www.perisse.com.br

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/11/2007 Cláudio Dias

    Paula Abreu, parabéns. Você foi ao ponto!!! Passamos a vida inteira ouvindo denúncias feitas por esquerdistas, sem a menor complacência com os denunciados (‘exploradores’, ‘vampiros’, ‘alienadores’, ‘manipuladores’, ‘vis’ corruptos’, ‘ladrões’, ‘gangsters’etc, etc, etc, etc, etc).

    Agora, quando certa forma de pensar assume o poder e passa a ser vidraça…. nos aparecem figuras como Dines, Weis, Perissé e outros pedindo ‘calma, calma’.

    Pra ficar bem claro: sou a favor de que não se façam linchamentos públicos. Apenas estou ressaltando que certos homens ‘prudentes’ só agora manifestam essa preocupação.

    Sejamos prudentes – PARA TODOS OS LADOS DO ESPECTRO POLÍTICO.

  2. Comentou em 08/11/2007 Marco Antônio Leite

    A jovem Abreu, sistematicamente escreve que o PT exerce domínio sobre a imprensa. Vossa senhoria esta dominada por quem ou por qual partido político, ou político que lhe parece simpático. Senhora, em qualquer ramo de atividade uns gostam de ‘Deus’ outros do ‘Lúcifer’, este é lindo, já aquele não esta nos padrões do capitalismo bonito. No seio de um família a mãe tem uma leve queda de proteção para este filho e não aquele, assim caminha a humanidade, cada um gostando daquilo que ele gosta mais, o que seria do preto se todos nós gostássemos do branco. Portanto, não confunde limão com limonada. Ademais, não sou petista e, muito menos gosto de Lulla, mas a imprensa não é dominada põr quem quer que seja, ela tem dono, e o dono é o nosso patrão. Quanto ao padre Júlio, sou ateu, hoje ele foi considerado inocente nesse evento cavernoso, na realidade trata-se de chantagem feita por um bando de vagabundos, marginais das marginais que estão ao lado do poluído rio Tietê. Abraços socialistas…

  3. Comentou em 08/11/2007 Hélcio Lunes

    Como dizer que a imprensa pré-julgou Lancelotti? Não me recordo de ter visto uma única acusação ao padre! O que se fez foi descrever os acontecimentos conforme narrados pelo padre, e a quem ele acusava.
    Além do que o caso não esta encerrado! Existem vários processos num dos quais o padre Júlio é acusado de PEDOFILIA HOMOSEXUAL, conforme depoimento espontaneo de funcionária de uma das 137 ONGS em que o padre picava ponto.
    A acusação esta sendo investigada, bem como as contradições do padre, que sucessivamente aumentou o valor da estorção de 50.000, para 80.000, e agora o próprio advogado de defesa admite serem ‘mais ou menos’ 150.000.
    Oras bolas, é claro que nesse caso tem boi na linha! Por que ele mentiu sobre os valores? Por que esperou 3 longos anos para denunciar o fato à justiça?
    Menos ‘Srs Movimentos Sociais’, menos! O padre, como eu, os que aqui comentam, e o próprio autor, devem, sempre explicações para seus atos! Ou não está cheio de padre pedófilo? Só porque ele é amigo dos ‘menores infratores’ dos mendigos, das ‘criancinhas’ esta isento de suspeita? Se o padre Júlio Lancelotti fosse da OPUS DEI os seus defensores estariam tão ‘indignados’?

  4. Comentou em 08/11/2007 Paulo Bandarra

    Caro fotografo Leonardo Andres , rio de janeiro-RJ -, não se precipite. A polícia não inocentou o padre, apenas confirmou que o mesmo estava sendo chantageado. Não entrou no mérito dos fatos, pois mesmo que ele fosse um assassino, poderia ser chantageado, e isto não prova a sua inocência! Apenas o porquê ele cedeu e manteve repasse de altos valores não devendo nada ainda não ficou justificado! As ligações que o padre mostrou não se referem a TODAS as ligações que recebera, mas apenas a que ele considerou para isto! Não é normal as pessoas que nada devem, sendo tão influente como ele, deixar ser chantageado por anos sem nada dever de fato! A polícia não provou que não ouve relacionamento entre o chantagista e o padre, apenas que ele estava chantageando. Muita coisa ainda precisa ser esclarecida antes de tudo ficar claro, se é que algum dia vai ficar! Esta ainda não é a versão definitiva!

  5. Comentou em 06/11/2007 Paulo Bandarra

    Interessante raciocínio: um ‘cheiro’ de Escola Base, (porque não se têm muito mais exemplos, se volta sempre para o mesmo). Mas não é porque existe pedofilia e homossexualidade na Igreja católica e a sua determinação de proteger os pedófilos e negar a todo o custo os fatos, que se vai acreditar que este seja mais um caso! Ou seja, devemos pensar antes no menos freqüente e não no mais corriqueiro!

  6. Comentou em 06/11/2007 Eliezer Moraes

    Pelo que podemos perceber estamos prestes a presenciar mais um caso semelhante ao da Escola de Base, acontecido há alguns anos atrás, quando presenciamos parte da imprensa que se acha dona da verdade que juntamente com policiais irresponsáveis promoveram o massacre moral dos donos da Escola de Base, de forma precipitada, provocando perdas irreparáveis aos envolvidos, que em nenhum momento receberam o benefício da dúvida. Aos mais apressados em julgar, melhor seria aguardar o término das investigações, para que não se cometa outra injustiça. Pergunto ainda: ‘que credibilidade tem o Sr. Batista (ex-interno da Febem) junto aos meios de comunicação, para que tudo aquilo que diz seja transformado em verdade’…

  7. Comentou em 06/11/2007 Tina Frazão

    Não devemos mencionar religião. Julio Lancelotti é um Homem e como todo ser humano pode errar. A Igreja católica não obriga ninguém a ser padre . Quem escolhe ser padre sabe que não poderá casar. Quem quer casar escolha outra coisa pra fazer. O que está havendo é um conflito de religiões, por isso existe tantas guerras que chamam de ‘guerra santa’, por isso não sou de religião nenhuma , não acredito em PASTOR nem em PADRE, só acredito em Deus .

  8. Comentou em 06/11/2007 Antônio Benvindo

    A mídia brasileira é pútrida, fétida e partidária. Pede frequentemente a condenação das pessoas sem as devidas provas. Jornalistas pagos criam artigos condenando pessoas que não pertencem ao seu segmento partidário. É vergonhoso ver o comportamento da mídia atual e está na hora de profundo debate sobre os meios de comunicações que atualmente não exercem um papel democrático. Rasgam todos os dias os pricípios constitucionais, passam o ônus da prova para o acusado, violam o princípio da ampla defesa. Somente no Brasil se vê um escancaramento partidário da mídia. É hora do povo dar um basta a estes veículos inócuos e irresponsáveis.

  9. Comentou em 06/11/2007 Maria Elza Carvalho

    Na verdade todo mundo é inocente até que se prove ao contrário, condenar quem quer que seja por antecipação e degrenir a imagem de qualquer cidadão penso que é no mínimo um ato de irresponsabilidade.

  10. Comentou em 06/11/2007 Maria Elza Carvalho

    Na verdade todo mundo é inocente até que se prove ao contrário, condenar quem quer que seja por antecipação e degrenir a imagem de qualquer cidadão penso que é no mínimo um ato de irresponsabilidade.

  11. Comentou em 06/11/2007 Flavio Dias

    A Veja merece o Diogo Mainardi,e vice versa…
    Valores iguais…

  12. Comentou em 06/11/2007 jefferson rei queiroz magela magela

    Concordo com o termo jogar pedras antes de se provar se de fato é ou não culpado, porém eu acho que a matéria defendeu muito o referido padre; e tinha que usar os mesmos critérios para defender outras pessoas que são caluniadas sem defesa prévia…

  13. Comentou em 06/11/2007 alfredo sternheim

    Não houve apedrejamento. Que exagero, Perissé. Salvo o texto grosseiro de Mainardi (não surpreende, ele sempre foi arrogante) e as insinuações da Record, a mídia em geral tem tratado o padre com respeito. Se esse caso ganhou maior dimensão foi por culpa do próprio padre que causou espanto por manter, durante muito tempo, esses vultuosos pagamentos aos que são acusados de extorsão. E estes alegam que o dinheiro foi dado espontanemente, em função da relação amorosa que existiria entre o padre e um dos acusados. O padre poderia esclarecer de uma vez por toda quanto dinheiro foi dado e de onde veio. É muito dinheiro, importância que daria para ajudar muitas crianças portadoras com HIV durante alguns anos. . Uma das atividades que fizerem do padre um figura pública e, merecidamente, admirada. Estão dando muito espaço para ele e nenhum (ou quase nenhum) para os acusados. Um deles, o jovem que buscava dinheiro, exposto com as mãos amarradas. Que humilhação. Isso não é apedrejamento? Mas sobre eles, nenhuma palavra. Como muitos já escreveram aqui, Perissé, a presunção da inocência vale para o padre e os acusados. Os aspectos eróticos de uma eventual relação entre adultos pouca importância tem (só para a Igreja Católica que no passado condenou inocentes a fogueira, na Inquisição). O que importa é a verdade que, em outros país já teria surgido. Mas com a agilidade de n/autoridades…

  14. Comentou em 06/11/2007 alfredo sternheim

    Não houve apedrejamento. Que exagero, Perissé. Salvo o texto grosseiro de Mainardi (não surpreende, ele sempre foi arrogante) e as insinuações da Record, a mídia em geral tem tratado o padre com respeito. Se esse caso ganhou maior dimensão foi por culpa do próprio padre que causou espanto por manter, durante muito tempo, esses vultuosos pagamentos aos que são acusados de extorsão. E estes alegam que o dinheiro foi dado espontanemente, em função da relação amorosa que existiria entre o padre e um dos acusados. O padre poderia esclarecer de uma vez por toda quanto dinheiro foi dado e de onde veio. É muito dinheiro, importância que daria para ajudar muitas crianças portadoras com HIV durante alguns anos. . Uma das atividades que fizerem do padre um figura pública e, merecidamente, admirada. Estão dando muito espaço para ele e nenhum (ou quase nenhum) para os acusados. Um deles, o jovem que buscava dinheiro, exposto com as mãos amarradas. Que humilhação. Isso não é apedrejamento? Mas sobre eles, nenhuma palavra. Como muitos já escreveram aqui, Perissé, a presunção da inocência vale para o padre e os acusados. Os aspectos eróticos de uma eventual relação entre adultos pouca importância tem (só para a Igreja Católica que no passado condenou inocentes a fogueira, na Inquisição). O que importa é a verdade que, em outros país já teria surgido. Mas com a agilidade de n/autoridades…

  15. Comentou em 06/11/2007 josue granado meira

    não concordo com este aprejamento com que voce fala do padre lancellotti, mas tambem não vi voce ou outroqualquer mencionar o linxamento audio visual da toda poderosa globo ,veja até mesmo aqui no ig;eu li algo tudo bem vamos julgar ,sim as pessoas , mas primeiro vamos ver e ouvir os dois ladoseu vi algo sobre o padre não quiz falar sobre o assunto; e então?

  16. Comentou em 06/11/2007 Dirceu Machado

    Senhores
    Boa tarde!

    Aqui não esta em jogo ou em discussão se o padre é culpado ou inocente, se esta desta ou daquela religião, pobre ou rico, preto ou branco, não se trata aqui de proteger A ou B, mas da forma leviana que são passadas as reportagens, como sabem os direitos humanos são inerentes a todos os seres humanos a noticia deve ser veiculada com base em provas e indícios, porém julgar, condenar ou abssolver compete ao Poder Judiciário, quem sabe amanhã possa ser alguém de sua família a pessoa a sofrer injustiça, pense nisso. Muitas vezes não nos importamos com o fogo que queima a casa do vizinho, depois que o fogo chega ao sua casa, aí pode ser muito tarde.

    Abraço
    Dirceu

  17. Comentou em 06/11/2007 Paulo Henrique Silva

    Existe a hora da caça e do caçador, esta é a hora da Record…

  18. Comentou em 06/11/2007 Dariel Rabello

    A meu ver quando um homem é capaz de trocar a liberdade de amar uma mulher e a alegria de constituir uma familia, por celibato, já demonstra não ser uma pessoa normal, algum problema deve ter.
    E uma instituição que obriga seus afiliados a esta anomalia doentia, tem todas as chances de atrair para sí os pervertidos.

  19. Comentou em 06/11/2007 Felipe de Mello Marinho

    Cara esse padre tem 99% de culpa no cartório, eu discordo de você, pois a mídia esta tratando esse caso com muito cuidado, principalmente a rede globo, é incrível que niguem questionou a culpa ou inocência desse monstro, fazendo uma simples pergunta.Se ele é inocênte porque sedeu a chantagem, dando um carro de 70.000,00 pagando R$35.000,00 a vista e o restante em parcelas de R$2000,00, é um absurdo niguem questionar isso, estão querendo abafar o caso(Igreja Católica).

  20. Comentou em 06/11/2007 Keiko Nakashima

    Acompanho com extrema indignação tudo que tenho lido a respeito deste padre. Sou católica, mãe de 4 filhos homens!!! só de pensar no sentimento de uma mãe, por mais que seu filho seja um marginal , tenha sofrido abuso deste senhor tão respeitado e idolatrado , me dá um nó no estomago. Li a reportagem de um comentarista da Globo que estudou em colégio de padre e foi beijado a força por um deles!!! que horror!!!!! A única certeza que tenho é que a justiça do homem falha, porém a de Deus, ninguém segura!!!!!

  21. Comentou em 06/11/2007 NILSON MENDONÇA

    – A imprensa precisa de limites. Todos os poderes da república os tem. Proclamar a MENTIRA destruindo a vida de pessoas honestas não é função da mídia. Jornalistas irresponsáveis, sem qualquer profisionalismo devem sim, ser punidos e, dependendo do dano causado, proibido de exercer qualquer função na mídia.

  22. Comentou em 06/11/2007 adalbertovansuita vansuita

    Eu estou decepicionado com tantas notícias de padres da religião católica a cometerem estes atos de sexo com crianças inocentes, estes deveriam pegar uma cadeia ou penetenciaria para sentir e refletir os atos que realizaram.

  23. Comentou em 06/11/2007 Joao Baggio

    o grande problema do padre lancellotti,foi dar dinheiro para esses marginais.segundo,para quem ganha 3 mil reais por mes,dar mais de 50 mil para a compra de um carro e o vendedor do carro confirmar que o padre estava presente no ato da compra junto com o pessoa que o estava extorquindo.dar um depoimento a policia dizendo ser um montante depois procurar a policia de novo dizendo que esqueceu de mencionar mais 30 mil reais,enfim se a pessoa nao tinha o que esconder porque aceitar a chantagem dessas pessoas.esses fstos e que fazem que jornalistas e afins se manifestarem condenando o padre.

  24. Comentou em 06/11/2007 Marcello Pereira

    Sou católico e não é por causa disto que acho que o Padre é mais santo ou menos santo como qualquer outro menbro da igreja. Ele deve ser investigado. Os indícios são fortes contra o Padre Lancelloti. Não só de pedofilia mais como desvio de verbas recebidas pelas entidades que ele administra. Antes de ser Padre, ele foi e ainda é funcionário da Febem. Ainda recebe salario do Estado de São Paulo como funcionário da Febem. MInha mãe se aposentou na Febem (trabalhos mais de 25 anos lá) e já tinha desde aquela época muito fortes evidências de relacionamento amoroso com os menores infratores que agora aparece tudo isto à tona. Pode perguntar para qualquer funcionário antigo da Febem. Onde há fumaça, há fogo.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem