Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > LEITURAS DA FOLHA

Ombudsman critica omissão do jornal

Por Carlos Eduardo Lins da Silva em 18/01/2010 na edição 572

Em 21 de dezembro do ano passado, em cerimônia pública em Brasília, foi lançado o programa de direitos humanos do governo federal, o terceiro da história e o primeiro da administração atual.


No dia seguinte, o evento mereceu na Folha um texto-legenda na capa e duas colunas de alto a baixo em página par interna. O programa só foi citado para explicar por que a reunião havia ocorrido.


Quase todo o espaço foi utilizado para tratar do novo corte de cabelo da ministra Dilma Rousseff. O segundo tema que mereceu atenção foi uma declaração do presidente Lula (os choques sofridos em tortura por quem lutou contra a ditadura ‘valeram a pena’). O terceiro foi a eleição presidencial, mencionada em comentários do presidente em discurso e entrevistas.


Só na sexta, 8, e especialmente no fim de semana, quando foi manchete de primeira página três dias, o programa apareceu como assunto mais importante do país, só desbancado pelo terremoto no Haiti.


Tramitação demorada


Se o programa é tão relevante, por que o jornal demorou 18 dias para descobrir? Mais grave ainda: por que não acompanhou o processo público de sua elaboração, que levou um ano desde a realização da 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos, em 2008, cujos debates foram literalmente ignorados pela Folha?


Mais uma vez em seu noticiário político, este jornal age como se a editoria de esportes desconhecesse por completo um campeonato de futebol para anunciar, com atraso, só o resultado da última partida. No sábado, dia 9, quando o programa de direitos humanos foi manchete pela primeira vez, a coluna de ‘São Paulo’ na página A2 teve o bom senso de alertar o leitor: nele ‘tudo pode porque, no fundo, nada é para valer’.


Mas, se é assim, por que tanto barulho, como se ele fosse lei em vigor, e não uma série de recomendações que, para se materializarem, terão de passar por longo processo de tramitação do Legislativo?


Comissão da verdade


O jornal também demorou a mostrar ao seu público que as duas versões anteriores desse programa, de 1996 e 2002, eram muito parecidas com esta, consequência quase natural daquelas. Foi só na coluna de Brasília de segunda e numa ampla reportagem com boa arte na terça que isso ficou claro.


O tema dos direitos humanos é amplo e abrangente como o programa não poderia deixar de ser, conforme explicou artigo publicado na quarta sobre a gênese desse conceito, ainda mais bem discutida no livro abaixo recomendado.


O aspecto mais agudo da controvérsia, a criação de uma comissão da verdade sobre a ditadura, parece ter sido contornado, e o jornal explicou bem em reportagem na quarta como a confusão se criou.


O filme abaixo indicado mostra como foi o processo da primeira dessas comissões, na África do Sul, e vale a pena ser visto para ter uma perspectiva do que pode ocorrer no Brasil.


***


Para ler


A Declaração Universal dos Direitos Humanos -60 Anos Sonhos e Realidades, de Maria Luiza Marcílio (organizadora), Edusp, 2008 (a partir de R$ 43,20)


Para ver


Em Minha Terra, de John Boorman, com Samuel Jackson, 2004 (a partir de R$ 24,90)

******

Jornalista, ombudsman da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

  1. Comentou em 18/01/2010 Zemário Santos

    E o ombudsman, vai sair ileso dessa? Ele também merece ser criticado, pois, afinal, deixou passar em branco, por 18 dias, o vazio de uma pauta enormemente debatida pelos mais diversos setores da sociedade. Ou a escala de trabalho dele é de 15 dias?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem