Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CADERNO DA CIDADANIA > AVALIAÇÃO ESCOLAR

Os alunos vão mal? Culpa do professor!

Por Deonisio da Silva em 11/09/2007 na edição 450

O Estado de S.Paulo deu chamada de primeira página, em sua edição de domingo (9/9), ao modelo internacional de avaliação escolar School Accountability (Responsabilidade Escolar), que concluiu, entre outras coisas, que a atuação do professor é decisiva no desempenho dos alunos.

Por sua vez, o Ibmec São Paulo recomenda que a metodologia, implantada na Inglaterra na década de 1980 e nos anos 1990 nos EUA, seja adotada em nossa escola pública. Um dos frutos seria reduzir em 30% a diferença entre o desempenho dos alunos brasileiros e o dos alunos de países ricos.

Não precisamos recorrer ao Programa Internacional de Avaliação (Pisa) para saber que nossos estudantes aprendem pouco. Em 2003, de acordo com avaliação oficial, 55% dos alunos da quarta série conseguiam ler apenas frases simples. Em resumo, o ensino fundamental sequer os ensinou sequer a ler.

Figura solar

De vez em quando irrompe a crença de que a causa de tão fraco desempenho é uma. A bola da vez é a progressão continuada, satanizada como causa principal da calamidade.

A experiência internacional mostra que o problema não é a progressão continuada. A Bélgica não a adota e está muito bem classificada nos sistemas de avaliação. Japão, Coréia, Suécia e Noruega, que lideram o ranking de qualquer avaliação educacional, adotam a progressão continuada em todo o ensino fundamental e proíbem a reprovação de um aluno em qualquer série do ciclo, a não ser por faltas.

Como melhorar? A primeira medida é a adoção de um currículo único.

O currículo único é requisito para a qualidade do ensino, na medida em que possibilita, por exemplo, que a avaliação seja unificada e que todos possam aprender o mínimo exigido.

O segundo passo é a avaliação periódica, medida já adotada pelo MEC, por estados e por municípios, que a fazem anual ou bienalmente. As diversas metodologias empregadas buscam verificar o que os alunos de fato aprenderam ao final de cada ciclo, identificando as falhas do processo.

O terceiro passo – responsabilizar o professor – é o mais polêmico e exigirá das associações de docentes e de sindicatos que, sem corporativismo, defendam os docentes, pois já se culpa o professor por fracassos que de modo algum lhe podem ser atribuídos.

Por exemplo: o livro é figura solar da arte de ensinar, ou do que se denomina pomposamente processo de ensino e de aprendizagem. Nem sempre é processo, raramente se ensina direito e o resultado é que se aprende pouco. Outro: como ensinar algumas disciplinas sem biblioteca e outras, sem laboratório?

Recurso estratégico

No exterior, o projeto foi aplicado com prêmios em dinheiro para as equipes de docentes que obtiveram melhores resultados. Para as escolas que não alcançaram os níveis desejados, o remédio foi reciclar os docentes. Mas pairou sobre todos a ameaça de a unidade ser fechada por deficiência.

‘É preciso desatar a idéia de que o ensino é ruim por causa da progressão’, disse ao Estadão o professor José Francisco Soares, da UFMG, especialista em avaliação, acrescentando: ‘O resultado é ruim porque a gente não oferece condições pedagógicas para o aluno aprender’. E conclui: ‘Repetir não pode ser o único instrumento pedagógico do professor’.

Seja qual a providência, é preciso fazer alguma coisa. Faz anos que o rebaixamento é notório. São muitos os cursos superiores que ainda não conseguem ministrar o conteúdo de disciplinas do antigo ginásio, principalmente de língua portuguesa, recurso estratégico para ensinar todas as outras.

******

Doutor em Letras pela USP e professor da Universidade Estácio de Sá, onde é vice-reitor de pesquisa e pós-graduação e coordenador de Letras; seus livros mais recentes são Os Segredos do Baú (Peirópolis) é A Língua Nossa de Cada Dia (Novo Século); www.deonisio.com.br

Todos os comentários

  1. Comentou em 11/09/2007 ivo lucchesi

    Caro Deonísio. O tema abordado conclama a uma convergência de vozes, quanto mais não seja, daqueles que, há décadas, dedicam seu ofício ao esforço de transmitir conhecimento. Mais ainda o esforço se intensifica, se o ‘objeto’ da transmissão diz respeito ao universo da língua / literatura. Sempre defendi (e tal já publiquei, aqui mesmo, no OI), a idéia de que a ditadura brasileira foi a mais cruel da América Latina: ela destruiu centenas de corpos e mutilou milhões de cérebros. O ‘genocídio cultural’ foi possível, graças à ‘reformulação’ do sistema educacional. A desgraça foi perpetuada, em razão de a democracia instalada não ter sido corajosa o suficiente para reverter o pior dos males. Obrigado por sua mensagem, sob a forma de artigo. Abraço.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem