Os donos da palavra | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > CONCENTRAÇÃO & DIVERSIDADE

Os donos da palavra

Por Luciano Martins Costa em 03/11/2009 na edição 562

A imprensa brasileira tomou como uma intromissão indevida do Estado nos negócios privados e um risco para a liberdade de informação a nova lei de comunicações da Argentina, de iniciativa do governo de Cristina Kirchner. Mas há controvérsias.


Para muitos jornalistas argentinos, a lei é um passo para a democratização da comunicação e deveria ser seguida de uma normatização geral do setor também em outros países da América Latina, inclusive e principalmente o Brasil.


No livro Os Donos da Palavra, resultado de uma pesquisa do Instituto Imprensa e Sociedade, fica claro que a concentração dos meios é um dos entraves ao acesso generalizado e à verdadeira liberdade de expressão. Segundo esse estudo, consolidado e atualizado por Martín Becerra e Guillermo Mastrini, a concentração da propriedade dos meios de imprensa é uma realidade em todo o continente. No Brasil, esse fenômeno tem uma trajetória histórica bastante clara, e se torna ainda mais notável com o advento da TV a cabo.


Mesmo com o domínio do mercado e com a concorrência limitada, essas corporações dominantes não têm conseguido expandir a base de leitores de seus principais veículos: a venda de jornais diários per capita caiu 60% entre 2000 e 2004. A recente recuperação do mercado ocorre na faixa dos chamados títulos populares, destinados a uma classe emergente da pobreza que se convenciona chamar de nova classe média.


Agenda pública


Também nesse nicho se reproduz a tendência à concentração, com algumas mudanças recentes como a representada pela compra do Diário de S.Paulo, que pertencia ao grupo Globo, pelo empresário J.Hawilla.


De acordo com a análise de Mastrini e Becerra sobre a pesquisa do Instituto Imprensa e Sociedade, a concentração no Brasil se dá num nível muito superior ao que se considera alto nos estudos internacionais (ver padrões citados por Albarran e Dimmick, 1996).


Os pesquisadores observam que essa organização de conglomerados afeta a diversidade de versões sobre a realidade nacional, reduz o número de atores a influenciar a agenda pública e pode ser uma ameaça à democracia. Mas, para o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal, a grande ameaça à liberdade de informação era o diploma de jornalista.


Ah, bom. Podemos dormir tranquilos.


***


Observatório na TV


A falta de diversidade no registro dos fatos contemporâneos pode afetar a capacidade de uma sociedade de construir sua História. Este é um fenômeno já perceptível no Brasil, com as tentativas de revisão de alguns acontecimentos, como ocorreu no episódio da ‘ditabranda’ protagonizado pela Folha de S.Paulo.




Alberto Dines:


Há poucas décadas podia-se dizer que faltavam informações, hoje o que parece evidente é a falta de curiosidade. É possível que o excesso de informações esteja sufocando a curiosidade. E isto vale primeiro para os jornalistas, em seguida para o público consumidor de informações.


As livrarias estão abarrotadas com novos lançamentos sobre a Segunda Guerra Mundial, nos cinemas há sempre em cartaz um ou dois filmes sobre o conflito em si e sobre o nazi-fascismo. O Holocausto continua oferecendo um número impressionante de relatos e testemunhos, campeão de histórias tétricas. Mas a Segunda Guerra geralmente é colocada nas prateleiras do passado.


Os 70 anos do seu início recentemente lembrados ainda não conseguiram trazê-la para o presente. O terceiro episódio da série sobre a Segunda Guerra Mundial que está sendo apresentada pelo Observatório da Imprensa vai colocar o Brasil nesta trama. ‘A Tentação Totalitária’ vai mostrar a penetração do fascismo no Brasil e como, por pouco, não nos associamos ao Eixo.


Não perca: é uma oportunidade para trazer a história para a atualidade. É a sua história tornada contemporânea. Nesta terça-feira às 23h na TV Brasil, ao vivo, em rede nacional. Em São Paulo, pelo canal 4 da NET e 181 da TVA.

Todos os comentários

  1. Comentou em 03/11/2009 calypso thereza escobar velloso

    será o pensamento de nossos ‘boca de vitória’ atual?Está me parecendo que liberdade é um abcesso afundado e bisturizado do povo,sòmente, e mais, tem muita gente boa que não está dormindo na força,mas gestando os canais nas trincheiras do novo jesus e pedindo q.limpe a boca e a prótese.Tolices numa roubada,creia.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem