Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1018
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Os novos profissionais

Por Luiz Garcia em 23/09/2008 na edição 504

Como todo mundo já disse tudo que era importante dizer sobre as conseqüências óbvias da política econômica do governo Bush – uma variante do velho laissez faire, adequadamente conhecida como laissez les amis fairent – talvez seja desculpável cuidar de assuntos menos bombásticos e mais paroquiais.


Outro dia, Jorge Bastos Moreno revelou que o ministro da Educação, Fernando Haddad, está animado para mexer no vespeiro dos cursos de jornalismo, permitindo o exercício da profissão a quem tenha diploma superior em outra área.


Como todo mundo está exausto de saber, e diferentemente do que acontece nos países menos sofisticados do Hemisfério Norte, as leis brasileiras exigem diploma universitário de jornalismo para a prática da profissão. É uma tolice, por motivos elementares. O ofício tem duas exigências essenciais: a capacidade de identificar e colher fatos de interesse público, e uma mistura de talento e técnica para repassá-los, com clareza e precisão, à sociedade.


Um curso de jornalismo realmente pode ensinar técnicas de redação, o que não é nada complicado, a seus alunos. Mas, se existe a vocação – e principalmente se o jovem traz de casa o hábito da leitura – qualquer jovem pode dominar essa área em estágio de poucos meses numa redação de jornal ou revista. Se não pode, é bem possível que ele tenha escolhido o sonho errado.


E quem levar para a redação formação teórica e ou experiência em outras áreas poderá ajudar o leitor a entender esta complicada sociedade e esses atribulados tempos em que vivemos.


Conclusão equivocada


Haddad está certo: abrir a porta para profissionais com formação em economia, ciência, política, sociologia, medicina et cetera só pode melhorar o produto final.


O projeto do ministro prevê um cursinho de capacitação profissional. Não será má idéia aproveitar, no desenvolvimento dessa idéia, experiências de empresas jornalísticas e organizações da classe. Existem iniciativas de alto bom nível. Também vale a pena chamar para a discussão escolas de comunicação social. Nem todas são do tipo pagou/passou.


A propósito, e independentemente desse projeto do ministro, suas idéias para o setor da comunicação bem poderiam incluir uma fiscalização mais severa da qualidade e dos métodos de ensino das faculdades de comunicação. Principalmente daquelas que escancaram as portas para a admissão de candidatos e são impiedosas na eliminação de quem não agüenta o tranco das mensalidades.


Haddad afirma que não pode eliminar a exigência de um diploma de curso superior devido à fragilidade do ensino fundamental e do médio. O diagnóstico está certo, mas não faz sentido a conclusão de que, caso o canudo não fosse obrigatório, as empresas jornalísticas seriam inevitavelmente invadidas por profissionais incapazes.


Afinal, em qualquer situação, o patrão só emprega quem quer – e não precisa da ajuda de lei ou regulamento que lhe exijam só contratar mão-de-obra competente ou, pelo menos, promissora.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem