Domingo, 15 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1054
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Paz na sala de aula

Por Walter Rossignoli em 02/06/2009 na edição 540

Na reportagem ‘Profissão de risco’ (IstoÉ 2064), as jornalistas Adriana Prado e Maíra Magro traçam um quadro desalentador da educação pública brasileira, registrando um cenário em que os alunos não se interessam pelas aulas e não manifestam civilidade, chegando a agredir e torturar os mestres… Um horror!

Num contexto desses – acredita-se –, a histórica pauta salarial dos professores acaba ficando em segundo plano. Paz parece ser a palavra de ordem.

É necessário um esforço concentrado de todas as autoridades no sentido de detectar causas e viabilizar uma solução o mais urgente possível. Embora se reconheça que a situação afeta também a rede privada, é notório que há uma popularização do ensino público e, por consequência, a escola recebe segmentos sociais antes distanciados da educação formal. Programas governamentais de incentivo financeiro à presença das crianças nas escolas constituem, também, iniciativa muito válida no sentido de diminuir a evasão escolar e assegurar formação aos brasileiros.

O resultado – parece bem lógico deduzir – são salas de aula quase sempre repletas e heterogêneas, dificultando sobremaneira o trabalho dos professores, que, além de ensinar, precisam preservar a ordem à custa de muito sacrifício. Nesse contexto, acredita-se, há aqueles que conseguem administrar melhor as situações de conflito e outros que, na tentativa de fazer prevalecer uma autoridade, muitas vezes imposta por regimentos escolares, entram em confronto com os estudantes e o diálogo saudável deixa de ser arma poderosa.

Um esforço conjunto

O ideal mesmo – diria o saudoso Leonel Brizola – seriam escolas de tempo integral, onde a garotada assistisse às aulas, se alimentasse, praticasse esportes e fizesse as tarefas escolares. Escolas que acolhessem com extremo carinho do Estado, que pagariam bem aos educadores e promoveriam, com a excelência de seu trabalho, o amor das crianças pela instituição que as acolhera. Uma utopia?

O que parece estar acontecendo, entretanto, é que, na tentativa parcial de relevar a educação tornando-a universal, os professores acabam sendo os mais sacrificados. Tornam-se prementes políticas públicas que busquem reduzir o número de alunos nas salas de aula e incentivem práticas de diálogo entre professores e alunado. Não parece um despropósito, também, imaginar uma saudável conexão das escolas públicas com as universidades, que forneceriam estagiários para colaborarem com os professores.

É necessário esforço conjunto no sentido de resgatar a imagem do educador, sob pena de afastarmos a juventude do magistério e de tão cedo não vermos mais um governante que, como o nosso D. Pedro II, queria ser professor.

******

Professor de Língua Portuguesa no Instituto Federal do Sudeste Mineiro; autor de Português; teoria e prática, pela Ática

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem