Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1006
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > MÉXICO

Preso narcotraficante envolvido em atentado contra jornalista

Por Comitê para a Proteção dos Jornalistas em 25/03/2008 na edição 478

A polícia federal mexicana prendeu um membro do cartel de drogas Arellano Félix no sábado sob a suspeita de estar envolvido no atentado contra o editor do Zeta, Jesús J. Blancornelas.

Agentes da polícia federal prenderam Saúl Montes de Oca Morlett na cidade turística de San Felipe, Baixa Califórnia, enquanto ele se inscrevia para participar de uma corrida de carros, segundo informe oficial da Secretaria de Segurança Pública. As autoridades buscavam Montes de Oca, conhecido como ‘El Ciego’ (O Cego), por narcotráfico e seqüestro. A política também acredita que ele esteja envolvido no ataque contra Blancornelas, fundador e diretor do semanário Zeta, de Tijuana, assinalava o informe. O editor sobreviveu ao atentado a tiros, embora tenha ficado gravemente ferido.

‘Estamos monitorando o processo do caso contra Saúl Montes de Oca Morlett e esperamos ter a oportunidade de revisar a evidência que se apresenta contra ele’ declarou Joel Simon, diretor-executivo do CPJ.

Montes de Oca não comentou publicamente as acusações contra ele, enquanto o escritório do promotor especial para Crimes contra a Imprensa não pôde fornecer ao CPJ os dados do advogado de Montas de Oca imediatamente.

Pistoleiros recrutados

Adela Navarro Bello, diretora-geral do Zeta, disse ao CPJ que o pessoal da revista não tinha conhecimento prévio do suposto papel de Montes de Oca no ataque de 1997. No entanto, Navarro explicou que esperava que esta prisão fosse uma indicação de que a investigação do atentado contra Blancornelas pelas autoridades mexicanas está avançando.

Na terça-feira, as autoridades federais prenderam Gustavo Rivera Martínez, outro chefe do cartel Arellano Félix, como parte da investida do governo do presidente Felipe Calderón contra o narcotráfico, segundo informes da imprensa local e internacional. Em janeiro, Alfredo Araujo Avila, um perigoso pistoleiro do cartel de drogas Arellano Félix conhecido como ‘Popeye’, também foi preso. As autoridades estão investigando seu papel no ataque à bala contra Blancornelas, segundo informes da imprensa. Segundo Navarro, Araujo continua preso, mas não se sabe qual o estágio da investigação.

O ataque à bala contra Blancornelas foi motivado por uma investigação do Zeta que descrevia como o cartel dos Arellano Félix recrutava pistoleiros das gangues de rua do bairro Logan, de San Diego. O líder dos pistoleiros do bairro Logan era um veterano gângster, David Barron Corona, que ganhou a lealdade da família Arellano Félix ao salvar a vida de dois dos irmãos em uma emboscada. Blancornelas publicou um artigo identificando Barron Corona como um dos chefes de segurança do cartel.

Preço altíssimo

Algumas semanas depois, Barron Corona e um grupo de assassinos emboscaram Blancornelas quando este ia para o trabalho. A tentativa de homicídio fracassou porque Barron Corona morreu devido a uma bala disparada por seus próprios pistoleiros que ricocheteou e o atingiu em um olho.

Criada em 1980, o Zeta é uma das poucas publicações que divulga regularmente investigações sobre o crime organizado, o narcotráfico e a corrupção nos estados do norte do México, onde a autocensura é generalizada. O Zeta pagou um preço altíssimo pela cobertura sobre criminalidade: Héctor Félix Miranda, co-fundador do semanário, foi assassinado em 1988, e o co-editor Francisco Ortiz Franco foi executado em 2004. Navarro ganhou o Prêmio Internacional à Liberdade de Imprensa do CPJ em 2007. [Nova York, 17 de março de 2008]

******

O CPJ é uma organização independente, sem fins lucrativos, sediada em Nova York, que se dedica a defender a liberdade de imprensa em todo o mundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem