Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > MÍDIA & EDUCAÇÃO

Professores, modos de usar

Por Gabriel Perissé em 26/01/2010 na edição 574

‘Governo de São Paulo admite usar professor reprovado em exame’ (JB Online) e ‘SP admite ter de usar professor reprovado’ (Folha de S.Paulo) foram títulos de matérias daqueles dois jornais, no mesmo dia (23/01). O verbo ‘usar’ traduz uma forma de ver a realidade do professor brasileiro. Reprovado, só lhe resta ser usado (abusado) por aqueles que o reprovaram.

O vocábulo infeliz reproduz, em ponto pequeno, a imagem desvalorizada da carreira docente. Os professores, muitos deles com anos de experiência, foram submetidos agora a uma prova. O propósito, segundo o secretário da Educação de São Paulo, Paulo Renato Souza, é verificar se estão aptos a trabalhar em sala de aula. Dos 181 mil docentes que fizeram o exame, praticamente metade (48%) não acertou 40 das 80 questões.

A perplexidade se instala duplamente. Primeiro, acreditando-se que essa prova prove alguma coisa, descobrimos que cerca de 87 mil professores, a maior parte deles já atuando na rede pública como temporários (ou seja, não efetivos), não deveria lecionar em hipótese alguma. Em segundo lugar, descobrimos que desses mesmos 87 mil, muitos acabarão sendo ‘usados’… porque é somente deles que dispomos! Mais ainda, eles aceitam ser ‘usados’ porque já se acostumaram aos baixos salários, já se sentem ‘usados’ e ‘reprovados’ com ou sem provas.

10 mil vagas em ano eleitoral

Mas se o exame não é eliminatório, por que falar em ‘reprovados’? Exame ‘humilhatório’, portanto? E como não se sentir ‘usado’ também o cidadão cujos filhos serão alunos de professores estigmatizados por essa reprovação que só humilha?

A saída decente e coerente para esse quadro teria sido abrir vários concursos públicos ao longo dos últimos 10 anos, oferecendo aos candidatos a oportunidade de exercer o magistério no estado mais rico do país. Mas uma oportunidade real, implicando salário melhor, vantagens profissionais (com exigências concretas em contrapartida), horizontes de crescimento. Certamente muitos que seriam ou são bons professores teriam se empenhado por uma vaga.

Em ano eleitoral, o governo de SP acena agora, finalmente, com um concurso para professor efetivo na educação básica: 10 mil vagas. O edital está aqui. As datas das provas ainda não foram definidas. E dentre os livros da bibliografia obrigatória, pelo menos um deles, Metáforas novas para reencantar a educação, de Hugo Assmann, encontra-se esgotado há mais de dois anos e é dificílimo encontrá-lo até mesmo nos sebos.

******

Doutor em Educação pela USP e escritor; www.perisse.com.br

Todos os comentários

  1. Comentou em 26/01/2010 Fabricio Prestes

    Os meios de comunicação citados pelo autor do artigo, apenas reroduzem informações repassadas pelo Governo do Estado de São Paulo, sem ao menos, checar a veracidade de tais informações, isto é lamentável e com certeza não é assim que se faz ‘jornalismo de verdade.’

  2. Comentou em 26/01/2010 MArcos Vinicius Gomes

    Este concurso foi uma vergonha, tudo milimetricamente planejado para aviltar a já tão aviltada classe do magistério. Estamos sendo usados. Tive boa pontuação na prova, mas colegas meus por questões pessoais não tiveram bom desempenho – até porque o concurso foi em cima da hora não possibilitando que tivéssemos tempo suficiente para uma preparação adequada. Lamentável

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem