Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CADERNO DA CIDADANIA > MÍDIA E PRECONCEITO

Quando as diferenças não são bem-vindas

Por luiz-geremias em 27/03/2007 na edição 426

Matéria na Rede Paranaense de Comunicação (RPC), no noticiário local que vai ao ar ao meio-dia, mostrou, na sexta-feira (23/3/), que a prefeitura da cidade de Apucarana (PR) está recolhendo ‘moradores de rua’ e os despachando da cidade. Segundo a matéria, os mendigos estariam causando transtornos à cidade e incomodando os moradores. Para a prefeitura, os maltrapilhos estariam sendo ‘despejados’ em Apucarana por prefeituras vizinhas, por isso ela os despeja de volta. Em resumo, o ‘crime’ desses ‘não-cidadãos’ seria não somente não participar adequadamente da suposta vida comunitária como também o de serem ‘estrangeiros’, isto é, de outras cidades. Uma funcionária da prefeitura chegou a declarar isso claramente na matéria. Disse, com todas as letras, que não são da cidade, logo não são bem-vindos.

Com relação ao primeiro ponto, é claro que não participam, pois não são ‘cidadãos’. Pelo menos uma parte dessas pessoas não quer esse epíteto. Há as costumeiras histórias dos que ‘caíram nessa vida’ por desgostos, mas há os que, por mais que lhes ofereçam uma vida pequeno-burguesa, não a querem. Com relação ao fato de serem ‘estrangeiros’, se enquadram na categoria dos ‘eles’, em oposição ao ‘nós’ comunitário da pequena-burguesia.

Não se pode ser singular, não se pode ser diferente, muito menos nômade, neste mundo ocidental – os ciganos provaram o anátema do Terceiro Reich por isso. Podemos ir mais longe e definir que, em casos como o de Apucarana, apenas são bem-vindos à cidade os ‘estrangeiros’ que levarem dinheiro para gastar (boas aparências podem, talvez, ser descartadas nesse caso). Se não levam, cuidado, vão ser extraditados, depois de devidamente fichados na polícia.

Renda para ser gasta

Mais uma vez uma rede de comunicação perde uma excelente oportunidade de discutir profundamente um tema importante. A postura de objetividade não está em contraposição a uma proposta de reflexão sobre os temas abordados. Mas, aparentemente, não é culpa dos repórteres, editores, redatores: eles não têm muito acesso a conhecimentos que os façam pensar.

As faculdades de jornalismo resumem seus currículos a ‘preparar o estudante para o mercado’ e deixam, com isso, de formar bons profissionais. O máximo que a apresentadora do telejornal pôde dizer foi que se trata de ‘um assunto complicado’. É pouco, é lugar-comum, não diz nada.

Os estrangeiros não são, historicamente, bem-vindos na sociedade ocidental. Sempre há um olhar de desconfiança e de franca hostilidade em relação ao estranho. Os gregos chamavam de bárbaros aos estrangeiros (bárbaros eram os que não falavam; balbuciavam), o que é irônico, pois boa parte da riqueza da antiga civilização grega parece ter sido fomentada pela presença de povos nômades, bárbaros.

A chave para abrir a porta da simpatia geralmente é o que já foi citado acima: renda para ser gasta. É a tônica da lógica do ocidente: você deve ser útil e funcional. O que você tem fora isso é supérfluo ou indesejável.

‘Freqüentemente alcoolizados’

Mais, a questão não é abordada pelo ângulo ético, resumindo-se ao estético, fato que foi bem explorado na matéria. A tal ‘Tolerância Zero’ da cidade Nova York e o pastiche da mesma ordem promovido pelo governo Garotinho no Rio de Janeiro há alguns anos se pautaram pela mesma lógica. Era preciso dar uma aparência melhor à cidade. Retira-se os estranhos do convívio com os ‘normais’ e, pelo menos esteticamente, tudo fica ‘legal’.

A imagem de uma mão bem cuidada entregando uma passagem – o ‘bilhete azul’ da expulsão da cidade – a uma mão suja, grossa, com as unhas negras, é emblemática. Se os mendigos fizessem as unhas ou usassem ternos – talvez se pudesse descartar a gravata nesses casos – tudo estaria bem. Se fossem ‘educados’, se tomassem banhos regulares – não no chafariz da cidade, é claro – seriam aceitos?

Como não há muito interesse em entrar em contato com eles, a não ser através da famigerada Secretaria de Ação Social – criada para, principalmente, exercer a função de esconder ou expurgar a pobreza do território municipal – e da polícia, como ‘não há sociedade, apenas indivíduos’ (frase célebre da neoliberal ‘dama de ferro’ Margareth Thatcher nos idos dos anos 1980), é cada um por si. Se os maltrapilhos quiserem tomar banho ou vestir uma roupa melhor, que encontrem, por si sós, um chuveiro ou comprem, não com o dinheiro de esmolas, vestimentas adequadas.

Quanto ao fato, citado na matéria televisiva e em uma matéria do jornal Tribuna do Norte, de Apucarana, no mesmo dia, publicada na página B5, de estarem freqüentemente alcoolizados, isso não é justificativa para o desprezo. Inúmeros ‘cidadãos’ de qualquer cidade se embebedam com freqüência e são bem aceitos. Nunca é demais lembrar do hábito de convidar um amigo para ‘tomar uma’, prova de civilidade para a maioria dos ‘cidadãos’. Álcool é droga consentida e seu uso geralmente não acarreta grandes problemas entre a pequena-burguesia. Pelo contrário, geralmente acompanha alegrias e é solução para tristezas.

Solução final

Na verdade, a rede de comunicação não pode aprofundar esses temas pois se dirige a um público que pensa que ‘diferença’ é apenas torcer para um time rival ou escolher itens exóticos de consumo. Os próprios jornalistas que fazem as matérias pensam assim. É uma pena. Muito se perde desse jeito.

Não se trata, aqui, de apelar à prefeitura ou à polícia para que trate os moradores de rua a pão-de-ló, muito menos de solicitar à rede de comunicação ou ao jornal citados que deixem os mendigos em paz. Mesmo porque isso seria impossível: são esses estranhos que dão a identidade ao cidadão pequeno-burguês. É preciso tratá-los mal, é preciso ridicularizá-los e estigmatizá-los, é necessário expor suas caras e corpos deformados na TV para que todos que a assistem vejam maus exemplos que devem ser evitados e execrados. Assim, os telespectadores e leitores de jornais podem definir quem são, em oposição ao que não devem ser.

Trata-se, apenas, de pontuar essa forma estranha de vida que, geralmente, nos passa como coisa natural no dia-a-dia. E quando falamos de ‘forma estranha de vida’ não falamos da vida dos maltrapilhos.

Em outros tempos, de forma mais exacerbada, essas práticas levaram à proposta daquilo que ficou conhecido e execrado como ‘Solução Final’. No Rio de Janeiro da década de 60, um governo levou isso tão à sério que chegou, segundo se conta, a jogar alguns desses ‘entulhos humanos’ num rio. Será que é preciso chegar a tanto para a imprensa tratar com seriedade a questão?

******

Psicólogo, jornalista e mestre em Comunicação e Cultura

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem