Sexta-feira, 25 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > LEITURAS DE VEJA

Reportagem de uma guerra esquecida

Por Luciano Martins Costa em 23/12/2008 na edição 517

Veja (edição 2092, de 24/12/2008) resolveu celebrar o Natal lembrando as iniqüidades do mundo. Escolheu Darfur, no Sudão, o lugar onde se desenrola um genocídio quase sem ruídos, enquanto a imprensa internacional, os governos e as instituições multilaterais discutem a crise financeira agravada por golpistas de variados naipes.


O enviado especial da revista faz um relato da ‘guerra invisível’, aquela que se desenrola sob o mando da omissão geral, olhando a partir dos acampamentos onde se amontoa quase metade dos 6 milhões de habitantes de Darfur. A reportagem sai quase ao mesmo tempo em que um dos responsáveis por outra tragédia africana, o coronel da reserva do exército de Ruanda Théoneste Bagosora, é condenado à prisão perpétua por um tribunal criado pela ONU, por suas responsabilidades no massacre de 800 mil cidadãos da etnia tutsi.


Em entrevista ao programa Observatório da Imprensa no rádio, transmitido entre 22 e 26/12, o jornalista João Paulo Charleaux, ex-assessor da Cruz Vermelha Internacional, fala da perversidade que representam os conflitos permanentes, também chamados de ‘guerras silenciosas’, porque, de tão presentes e duradouros, saem do foco da imprensa e da atenção da sociedade, apesar de continuarem a produzir sofrimento e mortes aos milhares.


Extremo oposto


Veja traz para a dura realidade africana uma reflexão sobre a mensagem do cristianismo, sempre iluminada na época natalina. Apesar de um artigo de abordagem controversa e qualidade discutível inserido no meio da reportagem, trata-se de um trabalho digno de observação, especialmente se for levado em conta que os personagens trazidos ao leitor são apresentados pelo enviado especial Diogo Schelp na inteireza de sua humanidade. Os relatos de sofrimentos inenarráveis, ou até mesmo incompreensíveis para quem vive em sociedades mais ou menos organizadas nas democracias ocidentais, misturam-se às manifestações de esperança e planos de vida que, apesar de tudo, subsistem.


Já se disse que a hipermediação permite tangibilizar o sentido de humanidade, mas de nada serviria a tecnologia sem a sensibilidade do contador de histórias. Quando o repórter deixa a redação e se dispõe a lembrar a sociedade de que as guerras esquecidas seguem matando apesar de não estarem presentes no noticiário do dia-a-dia, a imprensa está cumprindo seu melhor papel.


Em meio à numeralha do consumo neste lado do mundo, que interessa essencialmente como medida parcial da crise financeira, o mergulho do jornalista no extremo oposto da sociedade humana induz à lembrança de que somos mais do que protagonistas do mercado.


Oscilações da bolsa


Ao penetrar no lado obscuro do mundo, aquele onde a exclusão se apresenta tão absoluta que até a manifestação da mais remota esperança soa incongruente, a imprensa choca, mas no sentido de despertar, de sacudir as consciências.


O espetáculo da miséria e da violência brota das páginas da revista não como um filme de horror, mas como uma lembrança de que há muito mais no planeta do que investidores ludibriados por gestores espertos. As desgraças dos refugiados desfilam ao lado da grandeza moral de milhares de voluntários de várias partes do mundo que se dedicam a minorar seu sofrimento.


E o leitor se vê obrigado a lembrar que a tragédia africana nasceu da ganância dos colonizadores e ainda rende lucros no lado de cá do planeta, onde o maior sofrimento concebível ainda é a queda nos índices da bolsa de valores.

******

Jornalista

Todos os comentários

  1. Comentou em 23/12/2008 Rodrigo Violante Spagnol

    Talvez o Reinaldo Azevedo tenha pegado um pouco pesado no sentimentalismo, mas as considerações religiosas, históricas e éticas são todas procedentes. Nestes aspectos, não vejo onde há ‘qualidade discutível’. Para citar apenas um exemplo, Hannah Arendt, em ‘Algumas Questões de Filosofia Moral’, exprime com rigor o que foi dito de modo acessível pelo articulista, abordando o humanismo cristão. O jornalista deste observatório, que julga outros trabalhos, faria bem em demonstrar o que há de ‘qualidade discutível’ no artigo referido. Por favor, nos ilumine.
    Já o último parágrafo do texto é uma peça da mais rasa ignorância. Genocídios, fome, escravidão, tudo isso existia muito tempo antes da ocupação européia. Claro, as proporções das calamidades aumentaram e este últimos cometeram, SIM, horrores. Só que isso está muito longe de significar que a tragédia africana ‘nasceu’ com os colonizadores. Quantos aos lucros com a miséria, realmente existem. Mas qualquer pessoa com conhecimento econômico mínimo sabe que o desenvolvimento africano daria muito mais lucro ao Ocidente. É pieguice e ideologia chinfrim colocar a culpa, obliquamente, no capitalismo e mercados ocidentais. A África PRECISA receber maior auxílio; mas o maior impedimento, hoje, ao seu desenvolvimento, é ela mesma. Tribalismo e escuridão não são facilmente curados. Teria mais a dizer, mas me falta espaço.

  2. Comentou em 23/12/2008 Menjol Almeida

    O tal Diogo Schelp não é aquele que achou importante a informação de que Che Guevara não tomava banho… e que, consequentemente, seria um absurdo levá-lo em consideração? O que será que esse rapaz viu em Darfur? Fábricas de chuveiros?

  3. Comentou em 23/12/2008 Menjol Almeida

    O tal Diogo Schelp não é aquele que achou importante a informação de que Che Guevara não tomava banho… e que, consequentemente, seria um absurdo levá-lo em consideração? O que será que esse rapaz viu em Darfur? Fábricas de chuveiros?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem