Domingo, 20 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº987
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > GUERRA SEM FIM

Sem olhos na Faixa de Gaza

Por Deonisio da Silva em 29/12/2008 na edição 518

Aldous Huxley morreu no dia 22 de novembro de 1963. Naquele dia, porém, o mundo inteiro só foi informado de uma notícia assustadora, que tomou conta de tudo.


A cegueira é tema recorrente em todas as literaturas. Mas o primeiro cego de que tomei conhecimento foi Sansão, na Bíblia, juiz em Israel por vinte anos. Apaixonado por Dalila, ele lhe conta que sua força está nos cabelos, jamais cortados. Comprada pelo príncipe dos filisteus, tradicionais inimigos de Israel, a traidora, aproveitando que Sansão está dormindo, conta o segredo aos corruptores. Eles vêm, furam os olhos do inimigo que sempre os vencia e o levam para dançar no templo do deus Dagon. Ali, guiado por um menino, Sansão derruba o edifício onde eles se divertiam às suas custas e mata soterrados três mil filisteus. Naturalmente, morre também.


Em 1949, Cecil B. DeMille, diretor de clássicos como Os Dez Mandamentos e Cleópatra, deu-nos Sansão e Dalila. No filme, Dalila faz tudo por amor, inclusive os sofrimentos que inflige a Sansão.


Filósofo e santo


Aldous Huxley escolheu para título de seu romance Sem Olhos em Gaza, publicado em 1936, um verso de Sansão Guerreiro, de John Milton, publicado em 1671, no mesmo ano de O Paraíso Reconquistado. Perseguido, preso e cego, Milton não pôde escrever e ditou seus livros, dos quais o mais conhecido é O Paraíso Perdido.


Huxley já era famoso quando publicou Sem Olhos em Gaza. Amigo de figuras como o filósofo Bertrand Russel e o romancista D. H. Lawrence (autor de O amante de Lady Chatterley), já tinha publicado Admirável Mundo Novo, escrito em apenas quatro meses, em 1931.


O escritor teve uma grave doença nos olhos aos 16 anos e quase ficou cego também. O tema, as personagens e as tramas da distopia de Admirável Mundo Novo devem ter sido alimentados pelos anos em que viveu na Itália de Mussolini. Nascia ali – e na Alemanha de Hitler – o totalitarismo moderno, que controla tudo, uma antevisão aterradora dos anos que viriam, ainda que sem o aviso ‘sorria, você está sendo filmado’.


Sem Olhos em Gaza trata da cegueira geral da Humanidade. Seus personagens são aristocratas decadentes, novos-ricos pretensiosos, intelectuais arrogantes e arrivistas diversos. É esse pequeno mundo que cerca o protagonista, Anthony Beavis, misto de filósofo e santo, que emite juízos devastadores sobre os contemporâneos.


O atoleiro do mundo


Huxley não evitou guerra alguma, mas coube a mais um cego ver melhor do que muitos e explicar o que poucos viam. Em 1958, já sofrendo muito do câncer que o mataria, esteve no Brasil, visitou Brasília em construção, as favelas do Rio, os índios de Mato Grosso. Na volta publicou Brave New World Revisited (Admirável Mundo Novo Revisto).


No apreensivo final de 2008, todos estamos com os olhos em Gaza, mais especificamente na Faixa de Gaza, onde recrudesce a guerra milenar entre árabes e judeus.


Mas com certeza haverá boas coisas a lembrar para 2009. No dia 22 de novembro de 1963, só nos foi informado o assassinato de John F. Kennedy. Contudo, naquele mesmo dia, acompanhado apenas de Mateus (filho de sua primeira mulher, Maria) e de Laura, sua segunda mulher, era sepultado Aldous Huxley, autor de 47 livros, muitos dos quais nos ajudaram a compreender o mundo e a exorcizar alguns dos mais terríveis fantasmas, entre os quais os ovos das serpentes que a Itália de Mussolini e a Alemanha de Hitler chocavam, e que desembocariam na Segunda Guerra Mundial.


Em 2009, fiquemos com Olavo Bilac, que abençoou quem ‘descobriu a Esperança, a divina mentira, dando ao homem o dom de suportar o mundo!’.


Que Barack Obama não tenha o destino de Kennedy e que ajude a tirar o mundo do atoleiro em que Bush nos enterrou.

******

Doutor em Letras pela USP e professor da Universidade Estácio de Sá, onde é vice-reitor de Cultura e coordenador de Letras; seus livros mais recentes são o romance Goethe e Barrabás e A Língua Nossa de Cada Dia (ambos da Editora Novo Século); www.deonisio.com.br  

Todos os comentários

  1. Comentou em 10/05/2011 Adriana Avellar

    Olá:

    Normalmente inicio minha leitura de OI pela coluna de Carlos Brickmann. Desta vez, não encontrei. Ele está de férias ou atrasou a entrega do material?
    Abraço, A.

  2. Comentou em 02/01/2009 Angelo Frizzo

    Pelas raões expostas no post e nos comentários, precisamos nos unir URGENTEMENTE na denúncia de MAIS ESTE GENOCIDIO.
    Não podemos aceitar que um povo como o Palestino, quer já vive em CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO EM SUA PRÓPRIA PATRIA , seja exterminado. Vamos ajudar.

  3. Comentou em 30/12/2008 Ivan Cavalcante

    Sem entrar em méritos de julgar quem esta certo ou errado, me parece que os judeus, nada aprenderam com o holocausto. Hoje usam a mesma prepotencia, egocentrismo e poderio belico, que os alemaes usaram contra eles mesmos no passado. pelo jeito, realmente nao aprenderam nada. vejam bem, nao estou aqui levantando a bandeira da palestina, só estou sintetizando o fato que, a guerra nao é o caminho para se conquistar coisas, e sim, para destruir.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem