Sábado, 19 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Sobre a greve dos professores em Goiás

Por Caroline Santana em 09/06/2015 na edição 854

Desde o meu primeiro período da graduação aprendi sobre os verbos ao fazer uma redação jornalística, diferentemente da que se realiza num concurso público com introdução, desenvolvimento e conclusão. No Jornalismo, a tendência é ir para a pirâmide invertida e sei o quanto o emprego dos verbos faz uma enorme diferença.

Nunca vi tantos jornalistas e jornais empregarem o verbo “invadir” com tanta facilidade quando se trata da pauta “greve dos professores”, tanto em Goiânia quanto em Aparecida de Goiânia – lembrando que greve é um direito e é assegurado pela Lei Nº 7.783 de 28 de junho de 1989. E para quem irá redigir uma matéria neste teor deve-se atentar pelo fato que no exercício deste direito compete aos trabalhadores exercê-lo e defender seus interesses.

E quais são os interesses dos profissionais, os educadores, aqueles que têm como missão de vida educar uma pátria? Para que não votemos errado, para que exerçamos de fato a democracia. Para que saibamos muito mais do que é certo ou não tão assim? Eles querem que a educação, que também é um direito seja promovida e incentivada assim como prega a Constituição Federal.

Exercer o papel com ética

Mas as matérias insistem em desfocar a ação como legítima numa verdadeira desorganização. Quando não focam no fator “aumento de salário”. Recentemente os trabalhadores da Saúde na capital do Cerrado em greve reivindicavam por melhores condições de trabalho, exemplo, falta de seringas. Como um profissional que também têm o direito ao seu salário e pago dignamente consegue trabalhar sem os seus instrumentos essenciais? Imaginem o jornalista sem pauta, microfone, bloquinho, caneta, câmera, gravador?

Seria um verdadeiro desastre. E olha que nem citei as novas tecnologias. Por isso, ao receber uma pauta, é necessário que antes de ser um profissional da imprensa (independente de qualquer situação) que o jornalista exerça seu papel com ética, responsabilidade e principalmente seja cidadão se colocando no lugar dos profissionais em greve, ao invés de dizerem que eles atrapalham o trânsito, causam desordem ou qualquer outra coisa.

Eles, sim, estão lutando por uma educação de qualidade. E nós, o que estamos defendendo?

***

Caroline Santana é assessora de imprensa

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem