Terça-feira, 22 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº955

CADERNO DA CIDADANIA > BIOGRAFIAS

Sobrinho barra biografia de Lily Safra

Por Alexa Salomão em 13/08/2013 na edição 759

Reproduzido do Estado de S.Paulo, 9/8/2013; intertítulo do OI

O advogado Leonardo Watkins conseguiu barrar na Justiça a venda no Brasil da biografia não autorizada de sua tia, a bilionária brasileira Lily Safra. A decisão proferida ontem pela juíza Carla Melissa Martins Tria, da 7ª Vara Cível de Curitiba, proíbe a Editora Harper Collins, do Grupo News Corporation (de propriedade do magnata da imprensa Rupert Murdoch), de vender no Brasil tanto a versão em papel quanto a digitalizada. Se a editora vier a lançar o livro no Brasil, pagará multa de R$ 100 por exemplar vendido no país. A autora, a jornalista canadense Isabel Vincent, também é ré no processo. Isabel trabalha no jornal New York Post, veículo que integra o conglomerado News Corporation.

Segundo Watkins, o livro, intitulado Gilded Lily, ainda sem tradução para o português, mancha a memória de seu pai e irmão de Lily, o arquiteto Artigas Watkins. Leonardo Watkins não pede indenização financeira, como é comum nesses casos. Quer apenas que a autora e a editora retirem do livro o que qualifica como “versão fantasiosa” da morte do empresário Alfredo Monteverde, o segundo marido de Lily e fundador da rede varejo Ponto Frio.

Em agosto de 1969, quando negociava um acordo para se separar de Lilly, Monteverde foi encontrado morto em seu quarto com dois tiros. O inquérito policial concluiu que o empresário se suicidou. Lily herdou e assumiu o Ponto Frio. A família de Monteverde, no entanto, não ficou satisfeita e sempre questionou a versão da polícia.

Suspeitas sobre circunstâncias da morte

Nos três primeiros capítulos e no epílogo, a biografia não autorizada traz informações que envolvem Artigas no suposto assassinato de Monteverde. O filho Leonardo diz ter ficado consternado ao tomar conhecimento do conteúdo do texto em julho de 2010, quase um mês após o lançamento do livro. De lá para cá, reuniu uma série de documentos para derrubar a versão da autora. “Jamais imaginei passar por algo assim. Meu pai era a pessoa extremamente correta e dedicada à família e sempre se manteve distante da celebridade da irmã”, diz Watkins. “Quando tomei conhecimento da biografia, percebi imediatamente que estava diante de uma tremenda fraude, e da apropriação criminosa do nome do meu pai.”

Segundo Leonardo, na época da morte de Monteverde o pai era engenheiro aposentado da Caixa Econômica e sócio-diretor da fábrica de vagões da família no estado do Rio. Tinha renda e patrimônio compatíveis com suas atividades como arquiteto e industrial. “No curto período de quatro anos em que a senhora Lily conheceu e foi casada com o senhor Alfredo, o relacionamento com o meu pai era distante.”

Lily casou-se quatro vezes. O último marido foi o banqueiro Edmond Safra, que morreu em um incêndio em seu apartamento em Monte Carlo em 1999. A autora da biografia levanta suspeitas sobre as circunstâncias da morte de Safra. O Estado entrou em contato com a representante da HarperCollins no Brasil para saber a posição da editora, mas ela não retornou.

******

Alexa Salomão, do Estado de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem