Sábado, 16 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > UOL

Tereza Rangel

30/10/2007 na edição 457

‘Uma das áreas de maior audiência do UOL, a de esporte, tem recebido críticas de internautas por conta da falta de informações nos textos destacados em suas homes e na do portal. As duas principais queixas são a falta do horário de jogos/eventos esportivos e a ausência de informação sobre transmissão pela TV.


Hoje, por exemplo, as notícias sobre Corinthians e São Paulo destacadas nas homes de Esporte e na do UOL não trazem os horários dos jogos neste final de semana nem se haverá transmissão pela televisão.


Quem quiser saber o horário terá de achar os ‘textos de apresentação’ (como saber quais são?) ou ir até a página do clube ou do campeonato, segundo diz o gerente geral de esporte, Alexandre Gimenez. ‘Além dos textos de apresentação das partidas, o internauta pode checar os horários e locais das partidas de futebol nas páginas especiais das competições ou ainda nas páginas especiais dos clubes que disputam a Série A e Série B do Campeonato Brasileiro. O UOL Esporte não tem planos de publicar uma página com a programação das TVs’, afirma Gimenez.


Ou seja, a redação não pensa, por ora, em facilitar a vida do internauta que não quer ficar vasculhando o site em busca de informação. Poderia adotar um padrão gráfico, uma arte ou uma caixa, para trazer, em todas as notícias de um clube ou de um atleta, o local, data e horário de Brasília do evento esportivo, se será acompanhado pelo Placar UOL e se haverá transmissão pela televisão (e em que canal e para que Estados).


Texto destacado na home do UOL não traz informações sobre local, hora e transmissão pela TV e obriga internauta a dar mais cliques do que o necessário


Quem entrar pela home page do UOL na notícia do Corinthians, por exemplo, em vez de achar a informação imediatamente, terá de clicar em ‘futebol’ e, então, no ícone do ‘Corinthians’ para saber que o jogo será no dia 28 às 17h. Ou então clicar em ‘futebol’, depois em ‘Brasileirão’ e, em seguida, em ‘Jogos’, e procurar bastante até achar. Ou ainda clicar em ‘agenda’, dar scroll até achar a informação. Ou, quem sabe, entrar no índice de notícias de esportes para achar o ‘texto de apresentação’.


Se quiser saber se haverá transmissão pela televisão, terá buscar a informação em outro lugar que não o UOL.


***


A escolha do verbo ideal (24/10/07)


Fazer títulos em jornalismo parece tarefa simples, mas não é. Em poucas palavras, é preciso traduzir o esforço de reportagem, transmitir a essência do texto, de forma precisa, com a escolha das palavras mais exatas. Imprecisão e erro caminham lado a lado nesse momento. Para evitar erros, portanto, deve-se buscar a precisão.


Hoje, o UOL cometeu um erro, na avaliação da ombudsman, ao levar à manchete reportagem do jornal Folha de S.Paulo, com enunciado diferente daquele usado pelo jornal. Ao mudar o enunciado, escolheu verbo mais assertivo (trocou ‘sugerir’ por ‘relatar’) e distorceu a reportagem do jornal.


O furo da Folha foi ‘valorizado pela sobriedade do texto’, segundo o ombudsman do jornal, Mário Magalhães. Faltou sobriedade ao UOL, cujas manchete e sub, por mais de 6 horas, foram ‘Gravação relata doação de R$ 500 mil da Cisco ao PT’ (grifo meu). A Folha foi mais cautelosa do que o UOL e preferiu usar, em página interna, ‘Gravação da PF sugere doação de R$ 500 mil da Cisco ao PT’. Sua manchete foi ‘PF vai investigar ligação entre PT e Cisco’. Isso porque o texto não permite afirmar peremptoriamente que houve doação e que a doação foi feita pela Cisco. A Folha nem sequer teve acesso às gravações.


UOL escolhe verbo assertivo, diferente do adotado pela Folha, mas diz que não errou


A escolha do verbo ‘relatar’ transformou uma suspeita em verdade. Quem leu apenas o título da manchete do UOL pode ficar mal-informado, pensando que já se sabe que houve a doação, que, na verdade, ainda será investigada.


Questionada pela ombudsman, a redação avalia que não houve erro ao eleger o verbo ‘relatar’ em vez de ‘sugerir’. Por isso não produziu nenhum errata, sugerida pela ombudsman. Reconheceu, porém, que deveria ter usado o vebo sugerir. ‘A formulação da nossa manchete não foi a ideal. Deveríamos ter usado ‘sugere’ e não ‘relata’, para reforçar a incerteza em relação ao caso’, afirmou o gerente geral de notícias do portal, Rodrigo Flores.


***


Eleições argentinas (23/10/07)


UOL manda repórter a Buenos Aires, faz página ‘especial’, mas peca por falta de informações básicas na cobertura das eleições argentinas.


Quem não está acompanhando a eleição presidencial no país vizinho, que acontece no próximo domingo, e quer se informar, terá de vasculhar a lista de notícias.


Na home page do site ‘especial’, sobra espaço não preenchido, que poderia trazer informações úteis sobre os candidatos e o país. Não há, de cara, nenhum indício sobre a disputa, uma lista de candidatos com seus perfis, a evolução nas pesquisas eleitorais, dados econômicos e demográficos da Argentina.


Sobra espaço e falta informação na home page do especial sobre a eleição de domingo na Argentina


A manchete do especial traz pouca informação (‘Nas vésperas das eleições, argentinos estão ‘conformados’’. Com o quê?) A foto destacada é da líder nas pesquisas, Cristina Kirchner, sem que se diga isso. Falta didatismo.Somente o texto da manchete diz que a peronista tem chances de se eleger já no domingo.


Quem chegar à reportagem a partir de seu destaque na home page do UOL, somente lerá no terceiro parágrafo sobre o favoritismo de Cristina Kirchner. Somente no quarto encontrará informações mais detalhadas (inclusive com o partido a que pertencem os candidatos) sobre a disputa.


Falta didatismo e acabamento à reportagem destacada na home do UOL


Provavelmente, há conteúdo planejado para o ‘buraco’ que hoje ocupa a home page do especial. Mais uma vez o UOL lança material especial sem que tenha caprichado na edição, assim como já acontecera no primeiro dia das reportagens sobre a seca no Piauí.


***


Problemas velhos no site novo (22/10/07)


UOL Economia estreou novo projeto gráfico sem resolver problemas antigos.


Desde que começou a função em julho, a ombudsman recebeu diversas manifestações de internautas acerca de problemas encontrados com a área de cotações do UOL. A resposta era de que a estação estava passando por uma revisão e que os problemas seriam solucionados quando a ‘nova’ versão de UOL Economia fosse colocada no ar.


A estréia aconteceu semana passada e os problemas se mantêm. Os dois principais apontados pelos internautas são o erro em todas as cotações semanais, sejam de moedas, sejam de Bolsas, que trazem dados do ano, e a falta da cotação do dólar turismo.


O gráfico da ‘semana’ traz, por erro, dados do ano


Além disso, com a reformulação, a home page de UOL Economia não torna os gráficos de Bolsa e dólar clicáveis e não disponibiliza o percentual de alta ou baixa da Bolsa nem a cotação do dólar paralelo (na home de Cotações também não há a do turismo). A cotação e a variação do comercial não estão claramente sinalizadas. Poderiam trazer o R$ e o + ou – % e dizer que é a cotação do comercial, para ajudar o entendimento. Só o iniciado lerá sem problemas. O horário também está errado e merece correção.


Gráficos não clicáveis e sem informações importantes. No do dólar, é preciso adivinhar qual é cotação e qual é variação


Questionada por que não resolveu os problemas conforme prometera, a redação respondeu eles serão resolvidos. Disse que está em contato com fornecedor para ter a cotação do dólar turismo e que a equipe de tecnologia ainda trabalha para solucionar o problema no gráfico semanal das cotações de Bolsas e moedas. Informou que o primeiro esforço foi no aperfeiçoamento da navegação e da organização do conteúdo. Disse ainda que houve uma instabilidade que impediu que os gráficos sejam, por ora, clicáveis.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem