Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

CADERNO DA CIDADANIA > TV PÚBLICA

Todos elogiam, poucos querem assistir

Por Gabriel Priolli em 17/11/2009 na edição 564

‘TV Cultura tinha que mostrar vídeos de Alexander Kluge’, tuíta o coleguinha @ViniciusBruno, dias atrás. Telespectador exigente, ele quer ver a obra do cineasta alemão na programação de uma emissora brasileira e, obviamente, reclama que isso aconteça na mais destacada TV pública, à qual sabe que pertenço. A cobrança já reconhece de antemão, sem explicitar, que Kluge seria impossível numa emissora comercial.

Na TV pública, seria apenas difícil. Por isso, respondo talvez com excesso de realismo e algum sarcasmo: ‘Tá difícil filosofar em alemão. Mas pegue aí 263 vídeos’. E anexo link para pesquisa do You Tube, onde se pode encontrar várias obras de Kluge. Não contente, complemento com mais sarcasmo: ‘O diretor de programação vai adorar a sua idéia’.

Vinicius, elegante, apenas retruca: ‘Kluge é difícil, mas acho que teria espaço para um determinado nicho de telespectadores da Cultura’. Ao que respondo, mais educadamente: ‘O problema é esse, nicho. TV aberta atende maioria. Com minorias, TV pública some. Ser vista ou sumir?’.

‘É uma visão pragmática e bem realista’, volta o colega em novo post. ‘Mas sempre imaginei que, por ser uma TV Pública, `atender a maioria´ seria não massificar’. Teclo imediatamente em resposta: ‘Massificar não é emburrecer, há popular inteligente. Mas TV é diversão. Kluge diverte a maioria? Há nicho para ele, não TV de nicho’.

‘Queremos diversão’

O diálogo poderia prosseguir indefinidamente, nesses balbucios telegráficos pouco claros, mas ficamos por aí. Vinicius vai tratar de outros temas, eu idem e a vida segue em Twitterland. Fico, entretanto, com a nossa breve polêmica na cabeça, com a certeza de que ela merece um tratamento mais aprofundado.

Afinal, são milhares de telespectadores, provavelmente todos, julgando que a televisão pública deve oferecer sempre conteúdos elevados, diferenciando-se das trivialidades da TV comercial. Qual o sentido de existir uma televisão não-comercial, sustentada com dinheiro público, se não é para trazer à vista tudo aquilo que os canais privados ocultam? – esse é o raciocínio geral.

O que esse raciocínio propõe é que a TV pública tem função essencialmente supletiva. Sua missão é cobrir as lacunas da informação cultural, artística e jornalística que as emissoras privadas, em razão de sua natureza concorrencial, nem pensam em oferecer. Porque precisam de grande volume de audiência e, para obtê-la, Gugu Liberato é mais eficiente que Alexander Kluge, assim como o Pânico é mais efetivo que música de concerto. Mais audiência é igual a mais faturamento, logo, é melhor filosofar pouco e divertir muito. É a regra inexorável do jogo.

Ocorre que essa mesma TV pública, obrigada ‘a dar o que outros não dão’, é cobrada pelos mesmos telespectadores exatamente pelos baixos índices de audiência. Qual o sentido de gastar dinheiro com emissoras que não são vistas? – eis outra pergunta recorrente. Não seria melhor aplicar esses recursos, que vêm do contribuinte, em necessidades mais urgentes e relevantes, como saúde, educação, transporte ou moradia? Quantas vezes os que militam em canais educativos, legislativos, comunitários, universitários, já não ouviram esse questionamento?

O público quer tudo, para já e ao mesmo tempo. Quer alta qualidade cultural, com altos índices de audiência. Acha que obter isso é apenas uma questão de competência técnica, de fazer programas mais criativos. Acredita que a grande massa telespectadora é ansiosa por cultura e arte, e que seduzi-la para o conteúdo de qualidade depende meramente de vertê-lo para uma boa forma. A responsabilidade por isso, claro, é dos produtores e programadores da TV pública, que não atingem a meta porque são, presumivelmente, incompetentes.

Lamento frustrar essa crença, mas a experiência me obriga a dizer: ela é utópica. Não é verdade que o público, ou a absoluta maioria dele, quer se ilustrar quando vê televisão. Ele quer se divertir, relaxar, entorpecer. A TV é um lazer essencialmente doméstico, que sucede a faina diária e antecede o sono. Fazer-nos esquecer daquela e preparar este é a sua principal missão. E isso vale para classe A, B, C, D ou E. Para velhos ou moços. Ignorantes ou letrados.

Recentemente, um grupo de discussão com professoras, que avaliava a programação da TV Cultura, deixou bem claro. Perguntadas se consideram os documentários um gênero de programação relevante, todas disseram que sim. Perguntadas se os assistiam, todas, constrangidas, responderam que não. O motivo? ‘Documentários fazem a gente pensar, mobilizam a nossa cabeça. Quando chegamos em casa, exaustas do trabalho, queremos nos jogar na poltrona e ver qualquer besteira, para relaxar. Queremos diversão.’ Voz sincera de professoras, profissionais da educação, da formação cultural. Voz da maioria.

Degrau acima

O que é uma vantagem da TV pública sobre as comerciais – o bom conceito, a noção do telespectador de que elas são úteis e importantes na sua missão civilizadora – é também a sua principal fraqueza. Num paradoxo que merece mais investigação da sociologia e da psicologia social, o público valoriza as emissoras educativo-culturais, mas prefere não assisti-las. Prefere divertir-se com ‘qualquer besteira’ das estações comerciais, às quais confere habitual audiência, mesmo criticando sua programação, o que é comum. Ou seja: da boca pra fora, elogio à TV pública. Do olho para dentro, fidelidade à TV comercial.

Como programar uma emissora não-comercial, com esse comportamento do público? Aqui retomo a polêmica com Vinicius Bruno. Se veicular conteúdos exigentes, como o cinema ou o pensamento de Alexander Kluge, a TV pública atenderá, no máximo, alguns ‘nichos’ da audiência, muito pequenos. Se pontilhar a grade com programas voltados a nichos, terá uma programação fragmentada e de baixa audiência. E se não der um bom resultado no Ibope, será cobrada: está gastando mal o dinheiro público.

Mas como pode uma TV pública não oferecer os conteúdos mais qualificados possíveis, se é para isso que ela existe? Enfim, o velho dilema, já conhecido de todos: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

A TV pública – aliás, TV Educativa, porque é apenas como tal que é reconhecida na lei que a instituiu – surgiu para oferecer aulas, palestras e seminários. É só essa a sua função, nos termos do artigo 13 do Decreto-Lei 236, de 1967, ainda em vigor. Com o tempo, obviamente, ela transbordou desse limite estreito e canhestro para trazer ao público o melhor da arte e do pensamento, numa multiplicidade de gêneros televisivos, da teledramaturgia ao desenho animado. Mas sempre lidou muito mal com a questão do entretenimento, da diversão, que trata sempre com extremo cuidado, quase se desculpando por fazê-lo. Razão pela qual, por exemplo, inexistem programas de humor nos canais públicos. É como ser rir fosse incompatível com pensar.

Uma televisão só é competitiva se seus programas são desejados pelo público, amados por ele. Audiência é preferência – vamos admitir, sem tergiversação. O telespectador escolhe o que mais lhe interessa. Se a TV pública não é a sua preferida, isso deve ser analisado com humildade, não com a soberba de quem supõe saber o que é melhor para os outros.

Calibrar a programação, ajustando a oferta de conteúdos às expectativas e ao nível de intelecção do público, é um dever de qualquer emissora – incluindo as públicas. Nestas, claro, o desafio é ficar sempre um degrau acima, nas exigências de qualidade e ética. Mas não um degrau tão alto que implique a perda da comunicação. Fazer TV de qualidade e de massas – essa deve ser a meta da televisão pública.

Muito fácil de falar, tantos são os que receitam isso. Mas dificílimo de obter, asseguro.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem