Quarta-feira, 24 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1047
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

TSE ajuda a limpar a área

Por Luciano Martins Costa em 18/06/2010 na edição 594

A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de considerar inelegíveis também os candidatos condenados antes de sancionada a Lei da Ficha Limpa, gera um desafio para toda a imprensa brasileira, inclusive para os jornais regionais e as pequenas emissoras de rádio do interior.


A lei também vale para políticos que no passado recente usaram o artifício de renunciar a seus cargos para evitar a cassação pela quebra do decoro. Eles contavam com uma inelegibilidade de três anos, período que usavam para preparar seu retorno nas eleições seguintes. Com a nova lei, a inelegibilidade passa para oito anos.


O desafio para a imprensa é identificar os candidatos nessa condição que se apresentarem nas eleições deste ano.


As edições de sexta-feira (18/6) dos jornais apontam os casos de pelo menos três ex-governadores – Jackson Lago, do Maranhão, Marcelo Miranda, do Tocantins, e Cássio Cunha Lima, da Paraíba – que tentam voltar à vida pública.


A lei deve alcançar também o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, seu ex-vice, Paulo Octávio, e os deputados filmados recebendo dinheiro do chamado ‘mensalão do DEM’.


Outros parlamentares que renunciaram após serem acusados de corrupção e alegaram ter usado dinheiro de caixa 2 de campanha, inclusive no chamado ‘mensalão do PT’, engrossam a lista.


Boa oportunidade


A decisão do TSE atinge em cheio a velha prática de jogar a culpa na contabilidade de campanha e renunciar para voltar ao poder nas eleições seguintes.


Os jornais prevêem uma avalancha de recursos junto à Justiça, uma vez que não se esperava que o TSE determinasse que a lei devesse alcançar também os já condenados.


Alguns candidatos poderão obter registros provisórios, o que deve causar mal-entendidos no eleitorado. Muitos desses políticos já se encontram em campanha, com material de divulgação pronto ou encomendado e comitês montados em suas bases eleitorais.


A decisão da Justiça Eleitoral pode ser também um ponto de partida para a renovação de candidaturas, obrigando muitos partidos a reconsiderarem suas alianças regionais.


A imprensa tem uma grande oportunidade para ajudar o eleitor a não desperdiçar seu voto.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem