Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA > FIM DE SEMANA, 24 E 25/02

Último Segundo

27/02/2007 na edição 422


SEGUNDO MANDATO
Alberto Dines


Portinari versus Lula, 23/02/07


‘O governo federal escolheu o lado errado na cruzada para evitar que o menino João Hélio morra pela segunda vez com a vitória da impunidade. O pronunciamento do presidente Lula na véspera do carnaval ao afirmar que a diminuição da maioridade penal poderia chegar à condenação de fetos foi insensível, simplista e beira a leviandade.


Se o governo encampou a convicção do seu quase ex-ministro Márcio Thomaz Bastos de que está no caminho correto na luta contra a violência, não precisava agredir a família enlutada e os milhões de brasileiros (sobretudo brasileiras) solidários com a tragédia dos Vieites. A metáfora foi rasteira, fruto talvez da sua obsessão em imaginar-se num eterno palanque. Qualquer que sejam os atenuantes psicológicos da manifestação presidencial, a verdade é que o Chefe da Nação aferra-se aos sofismas que lhe sopram nos ouvidos e, com isso, enfia-se num bunker impermeável aos sentimentos dos milhões de concidadãos que simplesmente estão com medo — medo de que as coisas só mudarão para pior. Foi contestado abertamente pelos pais de João Hélio.


João Cândido Portinari, filho do nosso pintor maior, foi na direção contrária: algo precisa ser feito já. Se os corações e mentes das autoridades estão embrutecidos pelo jogo político, o caminho será a desobstrução das almas. Optou pela comunhão e pela comunidade: abriu mão dos direitos autorais de cinco mil obras do acervo que está sob sua guarda desde que sejam utilizadas em mensagens contra a violência. Começou com um e-mail dirigido a duas mil pessoas, logo ganhou as primeiras páginas dos jornais e destaques nos telejornais. Em poucos dias, converteu-se num ícone de solidariedade.


Desenhos e esboços para o mural ‘Guerra e Paz’ que está há mais de meio século na sede da ONU serão capazes de melhorar o mundo? A ‘Pietá’ de Michelangelo, na qual Portinari inspirou-se para alguns detalhes, foi esculpida há mais de 500 anos e mudou coisas essenciais na história da humanidade. E nossa humanidade pode ser decisivamente alterada pelos traços trágicos do artista de Brodosqui. Se a violência só pode ser enfrentada como um processo (como apregoam o ministro da Justiça e seus acólitos), este processo precisa ser constantemente ativado por altas doses de emoção e humanidade.


E não foi humanidade que o presidente Lula destilou ao mencionar os fetos. Prometer o fim da violência para quando as escolas que começarão a ser construídas receberem todas as crianças do país é um truque ideológico simplório.


Neste ponto o presidente Lula lembra o seu colega da Casa Branca que se recusou a assinar o Protocolo de Kyoto em defesa do meio-ambiente porque acreditava que o processo econômico sozinho seria capaz de corrigir as distorções e agressões à Natureza.


Processos sociais, políticos, econômicos e até mesmo existenciais não são como os giroscópios, instrumentos automáticos, duradouros e infalíveis, ao contrário, são constantemente confrontados por processos contrários e às vezes mais fortes. O homem dos palanques Lula não tem obrigação de conhecer os princípios elementares da dialética hegeliana mas o jurista Bastos não poderia ignorá-la.


O tal ‘processo’ alegado pelo ministro Bastos na sua infeliz entrevista à ‘Folha’ nesta sexta lembra aquele outro processo inventado por Kafka, construção absurda, verdadeira caricatura do engenho humano. Parecida, aliás, com as teorias do incrível repórter Borat cujo non-sense começa a ser exibido nas telas de cinema do país.


O processo Portinari oferece uma alternativa generosa ao processo messiânico de Lula: tenta agregar, reunir os desgarrados, procura oferecer tarefas coletivas justamente para evitar o vácuo e a solidão onde fermentam os revanchismos.


Adiar mais uma vez a composição do ministério para Março como anunciou o presidente Lula é um mal menor se comparado com o adiamento ‘sine-die’ das nossas esperanças por um País melhor.’


******************


Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana  selecionados para a seção Entre Aspas.


Folha de S. Paulo – 1


Folha de S. Paulo – 2


O Estado de S. Paulo – 1


O Estado de S. Paulo – 2


Veja


Comunique-se


Terra Magazine


Último Segundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem