Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CIêNCIA > MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Entre o fim do mundo e o fim do mês

Por Flavio F. A. Andrade em 19/02/2007 na edição 421

Inquestionável. Ficamos com o fim do mês. O fim do mundo ainda está longe de acontecer, outra vez. Principalmente para nós, brasileiros. Ele já aconteceu! Aqui a preocupação é outra. Como diria um poeta brasileiro, ‘minha dor de dente é mais importante que a guerra no Iraque’. A frase se aplica perfeitamente ao que estamos vivendo ultimamente – dois assuntos que permanecem no noticiário brasileiro: a guerra no Iraque e o aquecimento global.

Em uma atitude imediata e inevitável, eu diria, a mídia e ativistas, com seus discursos repetidos, alertam para as conseqüências do aquecimento global, tardiamente. O fim do mundo é anunciado nas manchetes dos jornais diários.

A discussão do indiscutível

O que isso importa para um brasileiro cuja preocupação diária é não passar fome, é a dor de dente que persiste naquele cidadão que vive abaixo da linha da pobreza e que não tem dinheiro para cuidar de suas necessidades básicas? Ou as preocupações de uma família que vive no morro, numa favela dominada pelo tráfico de drogas, com balas perdidas quando acontece uma guerra entre traficantes? Saúde, alimentação, transporte, segurança, estas sim são coisas importantes para se pensar, noticiar e debater. Com o foco no micro, as questões que afligem o macro desaparecerão, por conseqüência. A guerra no Iraque não tem relevância para este povo miserável que vive em milhares de favelas em todo o Brasil, muito menos o anúncio do fim do mundo.

Vivemos o que eu chamaria de discussão do indiscutível. O que a mídia brasileira faz é o mesmo que fazem nas reuniões internacionais. A discussão de alguns problemas e o esquecimento de outros.

Fala para quem não precisa

O Brasil cria o álcool, o bio-combustível, mas quem se importa? Onde estão as notícias sobre isso? Por que substituir a guerra no morro pela guerra no Iraque? Em países envolvidos isso faz sentido, não no Brasil, onde temos necessidades mais urgentes. Outra questão incompreensível é a presença das tropas brasileiras em outros países. Uma grande atitude de marketing. O lugar dessas tropas é no Rio e São Paulo e em nenhum outro lugar.

Estamos diante de um paradoxo. O rico quase não assiste TV ou lê os diários e semanários brasileiros. A TV é principalmente consumida pelos pobres, que a utilizam como principal meio de informação e diversão. Num barraco de dois metros quadrados onde vive uma família de três pessoas pode não ter uma geladeira, mas uma TV não falta. O Jornal Nacional é tão criticado por isso mesmo. Fala, mas não para quem precisa.

Aquecimento global e violência

Portanto, porque então ainda produzimos notícias irrelevantes desta forma? Discutir o aquecimento global ou a guerra no Iraque não faz sentido para a maioria do público brasileiro: pobres que se preocupam com as contas do fim do mês.

Do jeito que está é certo afirmarmos que a TV é feita apenas para certo público, sem levar em consideração as necessidades do brasileiro. Em outras palavras, deveríamos fazer mais jornalismo local. Um tipo de jornalismo que tem como foco os problemas da sociedade local. Pode ser o bairro, a cidade ou o país. O jornalismo internacional, do jeito que hoje é feito, serve apenas para o estudante da classe média alta se preparar para o vestibular. Nada mais. O fim do mundo e o aquecimento global para alguns, (assim como na novela da Globo, Páginas da Vida) e o fim do mês e o aumento da violência para outros (assim como na novela da Record, Vidas Opostas).

******

Jornalista e editor-chefe da revista Griffe, Jundiaí, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem