Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CINEMA BRASILEIRO > Incêndio na Cinemateca

Memória apagada, a culpa não foi do nitrato

Por Norma Couri em 09/02/2016 na edição 889

Uma semana antes do Carnaval o fogo comeu 1000 rolos de filmes, a maioria de cine-jornais anteriores à década de 1950, 17 curtas-metragens e pelo menos um longa-metragem do fantástico acervo de 44 mil títulos do cinema brasileiro.Trata-se do maior acervo de imagens em movimento da América Latina, incluindo imagens da primeira TV brasileira, a TV Tupi, com reportagens históricas dos telejornais da época. Pelo incêndio, acusaram o material dos filmes, o nitrato de celulose, coitado! O grande culpado é o governo, o descaso com cultura, o corte de pelo menos 30% do orçamento para a área no ano passado e o nem-se-fala-em-quanto cortar neste ano de 2016.

Destroços do pavilhão incendiado / Foto UOL

Destroços do pavilhão incendiado / Foto UOL

Em quase 60 anos foi o quarto incêndio da Cinemateca Brasileira (1957,1969,1982) e vamos esperar sentados por mais um. O Brasil, tal como o líder nazista Herman Goering (1893-1946), quando ouve a palavra cultura saca logo o seu revólver.

Há dois anos este refúgio de cinéfilos paralisou com a desoneração do diretor Carlos Magalhães (2002-2013). Houve troca-troca de Ministros da Cultura e de secretários de Audiovisual, novas auditorias da Controladoria Geral da União. Também novas acusações de falta de controle do MinC sobre a execução dos recursos disponibilizados (R$ 105 milhões em 2008, embora as contas fossem apresentadas anualmente). A Sociedade de Amigos da Cinemateca sempre contestou as acusações que nunca bateram com as auditorias internas.

Acervo da Cinemateca / Foto Navvot.blogspot.com

Acervo da Cinemateca / Foto Navvot.blogspot.com

O então presidente Leopoldo Nosek e o presidente do Conselho, Ismail Xavier, negaram as irregularidades. Mas ao que todos assistiam eram resoluções nunca implantadas, planos de digitalização que não saíam do papel, caixa bloqueado, recursos congelados e a forçada demissão em massa (65 de 132 funcionários, muitos formados na Cinemateca, foram para o olho da rua). Entre leis em tramitação no Senado e novas trocas de coordenadores –gerais interinos, quem segurou a instituição nas costas foi a pesquisadora mais antiga da Cinemateca, Olga Futema, atual diretora interina que abriu mão da aposentadoria.Todos haviam sido surpreendidos com a publicação no Diário Oficial de um novo regimento interno.

Quebraram a espinha num momento de excelência”, disse o ex-diretor, professor da USP e atual conselheiro Carlos Augusto Calil, perplexo com as insinuações, segundo ele, nascidas de ressentimentos mal explicados de um ex-conselheiro não re-eleito. “A SAC (Sociedade dos Amigos da Cinemateca) começou como entidade privada, tornou-se pública e tem mais de quatro décadas de atividade na Cinemateca — que se mantém graças a ela”.

Outra pesquisadora, professora da USP e conselheira, Maria Dora Mourão, nunca se conformou com a forma como o episódio foi conduzido. “Parecia que estávamos nos locupletando com tanto dinheiro…”. A partir daí todas as iniciativas de reconstrução anunciadas deram para trás. “No pior cenário, a Cinemateca voltará a se preocupar a cada ano com a sua sobrevivência”.

Sede da cinemateca em São Paulo / Foto trilhosurbanos.com

Sede da cinemateca em São Paulo / Foto trilhosurbanos.com

Desde então o filme em cartaz foi o das mobilizações e promessas de repasses, propostas de mudanças de modelo da gestão de Oscip ( Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) para OS ( Organização Social, com mais agilidade na busca de investimentos), ciclos e festivais adiados, programação pela metade, crise, apenas um monitor para apoio ao Cine-Educação, um único projecionista e só uma das salas de exibição em funcionamento.

Mas o que mais se temia, aconteceu!

O retrocesso prejudicou o ritmo de trabalho de preservação, catalogação, restauração, documentação, trabalhos de laboratório de imagem e som, o funcionamento da biblioteca que detém documentação preciosa – folhetos, fotos, cartazes raros—e está fechada. A Cinemateca, sempre gerida por gente da casa com idealismo e aquilo que a burocracia não entende –amor ao cinema — paralisou. O prédio é tombado pelo Condephaat, e a Cinemateca, responsável pela produção de audiovisuais.

Atos públicos apontaram a falta de sensibilidade do governo. Chamaram atenção para a realidade de uma Cinemateca como a Brasileira funcionar com apenas 20 funcionários, entre eles dois motoristas e 17 em vias de pedir a aposentadoria. O contrato dos 24 técnicos contratados pela SAC terminou há dois anos.

Assim mesmo a Cinemateca recuperou o filme Limite de Mário Peixoto (1931), Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade (1969), Xica da Silva, de Cacá Diegues (1976). E quando viu restaurado Cabra Marcado para Morrer (1985), Eduardo Coutinho alertou para o escândalo de não se atentar para a conservação dos filmes do país. “Tem filmes de dez anos atrás que está liquidado, a Cinemateca tem de voltar a ser o que era”, disse o cineasta. Coutinho foi assassinado pelo filho no ano passado e a Cinemateca pegou fogo este ano.

Filmes de Glauber Rocha restaurados na Cinemateca / www.festivalmarginal.com.br

Filmes de Glauber Rocha restaurados na Cinemateca / www.festivalmarginal.com.br

O governo sempre negou a crise. Na época a Ministra da Cultura era Marta Suplicy. Mudou o governo, começaram os planos para recuperação dos cine-jornais históricos da companhia Atlântida (estarão entre os queimados neste incêndio?). Houve pregões para contratação de empresas, readmissão dos funcionários… nenhum requisito cumprido. Ditos e desmentidos, pronunciamentos equivocados, realização duvidosa de projetos de parceria com pastas da Cultura e Ciência, Tecnologia e Educação e a implantação de cinemas em universidades para exibição do acervo da Cinemateca

O ministério da Cultura declarou esta semana outro plano: o de que não tem plano para evitar novos incêndios. O novo secretário de Audio-Visual, Pola Ribeiro, justificou a ausência de seguro. “Que Seguradora asseguraria um prédio com nitrato de celulose, e quanto cobraria?…É quase uma morte anunciada”

Fundada em 1940 pelos estudantes de Filosofia Paulo Emilio Sales Gomes, Antonio Cândido de Mello e Souza e Décio de Almeida Prado, a Cinemateca, então Cine Clube, foi fechado pelo departamento de Imprensa e Propaganda de Getúlio Vargas mas conseguiu a oficialização em 1946.

Em 1954 os cinéfilos viveram o maior festival de cinema do país durante o IV Centenário, com a presença de Errol Flynn e do diretor Eric von Stroheim, que viu no extinto cinema Marrocos a estréia de seu filme A Marcha Nupcial, assistido por 4 mil pessoas ate penduradas até do lado de fora.

A Cinemateca ficava no topo de um prédio de 13 andares que pertencia aos Diários Associados, de Assis Chateaubriand. Foi financiada pela família de Cicicllo Matarazzo, dirigida pelo filho de Oswald de Andrade e Pagú, Rudá de Andrade, sempre com a orientação de Paulo Emilio Salles Gomes.

Não é possível esquecer”, diz Nelson Pereira dos Santos, “cinéfilos chegavam de toda parte, Glauber, Jean-Claude Bernadet, Vladimir Herzog…” O produtor e cineasta Maurice Capovilla lembra que Rudá organizava festivais de expressionismo alemão, nouvelle vague, o novo cinema polonês. “À frente da Cinemateca, foi o grande transformador da nossa geração de cineastas. Mais tarde tentamos atrair operários no Núcleo de Cinema do Centro Popular de Cultura, o CPC, frequentado por Jabor, Cacá Diegues, Ferreira Gullar, Vianinha”. Um verdadeiro agitador cultural.

Depois de sucessivos incêndios e sete mudanças de sede, conseguiu-se em 1957 um espaço no antigo matadouro de carnes, doado pelo então governador Jânio Quadros.

Seria a sede definitiva da Cinemateca Brasileira na Vila Clementino, que Rudá assumiu para fazer a reforma, conservar os filmes, organizar o Conselho, atrair cineastas. “Tudo o que a gente queria era uma atmosfera para criar cinema”. Para preservar o acervo, na ditadura, por medo de que os militares queimassem tudo, a Cinemateca fazia intercâmbio com a cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio, cada uma com a cópia de todos os filmes da outra, por garantia. “A Cinemateca era um Centro de resistência, o DOPS vivia atrás do nosso fichário. Um dia queimamos mais de 2000 nomes e eles nunca pegaram”.

Os amantes do cinema fizeram tal qual o arquivista e pioneiro na preservação de filmes da Cinemateca francesa, Henri Langlois, que na véspera da Ocupação alemã na França escondeu latas e latas de filmes nos esgotos de Paris.

Depois que deixou a Cinemateca, Rudá nunca se recuperou da perda e lastimou não fazer parte da equipe até morrer aos 78 anos em 2009. O que ele mais queria era reviver a atmosfera de amor ao cinema como aconteceu no começo de tudo. Até hoje é Conselheiro Emérito.

Os cinéfilos podem dizer que viveram uma atmosfera parecida até a intervenção do MinC no final de 2012. Mesmo durante a última e 39ª. Mostra de Cinema Internacional de São Paulo, no ano passado, o público assistiu a mais de 30 filmes na única sala em funcionamento, a BNDS, incluindo Limite. Mas o ponto alto foi a apresentação com música ao vivo, na área externa, de um dos primeiros filmes de Alfred Hitchcock, O Inquilino (1926), dado como perdido , restaurado pelo BFI Nacional Archive. Um privilégio.

Este ano esta memória apagada pode ser estopim para um choque no governo. Quem sabe? Pelo menos o secretário Pola Ribeiro já reconheceu que a Cinemateca precisa ganhar um rumo seguro. “É a jóia da Coroa”. Os cinéfilos aguardam.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

ENQUANTO ISSO, AQUI AO LADO

A 30ª. edição da maior festa do cinema espanhol, o Oscar de lá que se chama Goya, premiou este ano a comédia Truman pelo melhor diretor, o catalão Cesc Gay. O filme levou o premio de melhor ator, o argentino Ricardo Darin, além de melhor ator coadjuvante, roteiro, direção. Em tempo, Truman é um cão. Escolhido o melhor filme iberoamiercano, O Clã, do argentino Pablo Trapero. Melhor novo diretor, o mexicano Daniel Guzman.

A equipe de ‘Truman’, com quatro de seus cinco prêmios. Foto El País, Claudio Alvarez

A lista completa dos ganhadores dos Premios Goya 2016

Melhor Filme
Truman, Cesc Gay

Melhor Direção
Cesc Gay por Truman

Melhor Novo Diretor
Daniel Guzmán por A cambio de nada

Melhor Roteiro Original
Cesc Gay y Tomás Aragay por Truman

Melhor Roteiro Adaptado
Fernando León de Aranoa por Un día perfecto

Melhor Ator Protagonista
Ricardo Darín por Truman

Melhor Atriz Protagonista
Natalia de Molina por Techo y comida

Melhor Ator Coadjuvante
Javier Cámara por Truman

Melhor Atriz Coadjuvante
Luisa Gavasa por La novia

Melhor Ator Revelação
Manuel Burque por Requisitos para ser una persona normal

Melhor Atriz Revelação
Irene Escolar por Un otoño sin Berlín

Melhor Música Original
Lucas Vidal por Nadie quiere la noche (Nobody Wants the Night)

Melhor Canção Original
Palmeras en la nieve de Lucas Vidal y Pablo Alborán por Palmeras en la nieve

Melhor Direção de Produção
Andrés Santana y Marta Miró por Nadie quiere la noche (Nobody Wants the Night)

Melhor Direção de Fotografia
Miguel Ángel Amoedo por La novia

Melhor Montagem
Jorge Coira por El desconocido

Melhor Direção Artística
Antón Laguna por Palmeras en la nieve

Melhor Figurino
Clara Bilbao por Nadie quiere la noche (Nobody Wants the Night)

Melhor Maquiage e Penteado
Pablo Perona, Paco Rodríguez H. y Sylvie Imbert por
Nadie quiere la noche (Nobody Wants the Night)

Melhor Som
David Machado, Jaime Fernández y Nacho Arenas por El desconocido

Melhores Efeitos Especiais
Lluís Castells y Lluis Rivera por Anacleto, agente secreto

Melhor Filme de Animaçao
Atrapa la bandera, de Enrique Gato

Melhor Documentário
Sueños de sal, de Alfredo Navarro

Melhor Filme Iberoamericano
El clan, de Pablo Trapero (Argentina)

Melhor Filme Estrangeiro
Mustang, de Deniz Gamze Ergüven (Francia)

Melhor Curta-metragem de Ficção Espanhola
El corredor, de José Luis Montesinos

Melhor Curta-Metragem de Animação Espanhola
Alike, de Daniel Martínez Lara y Rafael Cano Méndez

Melhor Documentário de Curta Metragem Espanhol
Hijos de la Tierra
, de Álex O’Mill Tubau y Patxi Uriz Domezáin

Goya de Honra
Mariano Ozores

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem