Sábado, 20 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

CINEMA E REALIDADE SOCIAL >

Curta metragem é a única participação brasileira no Berlinale

Por Rui Martins, de Berna em 26/01/2016 na edição 866

O curta-metragaem Das Águas Que Passam, do capixaba Diego Zon, mostrando o pescador Zé de Sabino, é o único filme brasileiro em competição no Festival de Cinema de Berlim.

Foto Divulgação Festival de Berlim

Foto Divulgação Festival de Berlim

Entre os filmes longa-metragem selecionados para disputar os Ursos de Ouro e de Prata no Festival Internacional de Cinema de Berlim, não há nenhum brasileiro. Felizmente o curta-metragem Das Águas Que Passam, do capixaba Diego Zon, participa de competição.

Parece que a crise vivida atualmente pelo Brasil não é só política e econômica, mas envolve igualmente o mundo do cinema. Dos 23 filmes selecionados para a mostra Competição Internacional do Festival Internacional de Cinema de Berlim (18 concorrendo aos Ursos), considerado o terceiro no ranking mundial dos festivais de filmes, não há nenhum brasileiro.

A última participação do Brasil nessa competição foi há dois anos com Praia do Futuro, de Karim Ainouz, que, embora premiado no Brasil e feito parcialmente na Alemanha, não entusiasmou a crítica internacional.

Essa ausência se tem feito sentir também na competição internacional dos festivais de Cannes e Veneza. No Festival de Locarno, a última participação brasileira foi há dois anos com Ventos de Agosto, de Gabriel Mascaro, premiada com uma menção honrosa.

O México e a Argentina têm mostrado melhor aceitação internacional nesses quatro festivais, embora este ano também não haja filme argentino na principal competição de Berlim.

Entretanto, a ausência brasileira não é só na competição, ocorre na mostras Panorama e Forum, onde tinham se sobressaído o filme de Anna Muylaerte, Que Horas ela Volta, e, há dois anos, o filme de Daniel Ribeiro, Hoje Eu Quero Voltar Sozinho.

Foram selecionados filmes da Bélgica, Bósnia e Herzegóvina, Canadá, Dinamarca, França, Alemanha, Irã, Itália, México, Holanda, Nova Zelândia, China Filipinas, Polônia, Portugal, Singapura, Suécia Tunísia, Inglaterra e Estados Unidos.

O único filme brasileiro em competição no Festival de Berlim, o curta-metragem Das Águas Que Passam (Running Waters), do diretor capixaba Diego Zon, foi filmado em março de 2015 ,na Vila de Regência, em Linhares. Das Águas Que Passam acompanha o pescador Zé de Sabino. A narrativa se aproxima da natureza de seu trabalho e de suas relações com o local e as pessoas que o cercam. O filme também tem como cenário a foz do Rio Doce e a costa marítima da região.

Catorze jovens cineastas brasileiros, entre diretores, produtores, roteiristas, atores, participam da promoção Jovens Talentos, pela qual o Festival leva a Berlim 300 jovens cineastas de 79 países.

***

Rui Martins é jornalista e escritor. Ele cobrirá o Festival de Berlim (Berlinale)  para o Observatório da Imprensa.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem