Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CIRCO DA NOTíCIA > ISENÇÃO JORNALÍSTICA

Na guerra de 32, às favas com os fatos

Por Mauro Malin em 03/07/2012 na edição 701

No escrupuloso ensaio que Roberto Pompeu de Toledo fez para a Veja São Paulo (4/7) sobre os 80 anos da Revolução Constitucionalista de 1932, um apanhado de manchetes de jornais da época ilustra a mais desbragada insensatez. A legenda da ilustração é precisa:

“A imprensa paulista, em sua grande maioria, foi também à guerra, o que significou, como é frequente nesses casos, que a causa se sobrepôs à realidade dos fatos. Vendeu-se a ilusão da vitória até as vésperas do desfecho.”

Pompeu de Toledo comenta no corpo do ensaio:

“É até surpreendente, dada a disparidade de forças, que a guerra tenha durado os 85 dias que durou.”

Eis as manchetes reproduzidas: “De vitória em vitória, as forças constitucionalistas aproximam-se do Rio”; “As hostes da ditadura estão em franca retirada no Paraná”; “A vitória do movimento constitucionalista é inevitável!”; “A ditadura é já um cadáver em decomposição”; “O exército da lei mantém valentemente as suas posições”.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem