Domingo, 20 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

CIRCO DA NOTíCIA > JORNAIS EM CRISE

Todos sabem o que aconteceu

Por Carlos Brickmann em 27/08/2013 na edição 761

Sim, foi no século passado. Mas parece que muito mais tempo se passou. Um grande jornal paulistano, A Gazeta Esportiva, tirava uma edição especial aos domingos, logo depois do futebol, com os resultados e comentários da rodada. Seu slogan se tornou um clássico: “Se A Gazeta Esportiva não deu, ninguém sabe o que aconteceu”. Era verdade. O jornal fazia sucesso, batia recordes de venda. O Estado de S.Paulo entrou na concorrência, com a caprichadíssima “Edição de Esportes”, que seria o berço do Jornal da Tarde: saía também no início da noite de domingo, e trazia, além de resultados e comentários, boas reportagens especiais com os craques que se haviam destacado na rodada.

O Estado de S.Paulo não circulava às segundas-feiras (como os matutinos em geral). Um acontecimento do domingo podia ser manchete na terça, e o jornal não o considerava notícia velha: fazia parte do dever do Estado, dizia a tradição da Casa, fazer o registro fiel da História, cobrindo os fatos sem intervalos.

Os aparelhos de TV ficaram mais baratos e se espalharam, as emissoras ampliaram seu alcance, no final dos anos 1960 começaram a transmitir em rede nacional. Os jornais tiveram de se modernizar. Os vespertinos passaram a circular também aos domingos, os matutinos às segundas-feiras. Os jornais esportivos de domingo à noite morreram: seu público já tinha visto o jogo pela TV, com a reprise dos gols, os melhores momentos, os comentários, as mesas-redondas. Sair de casa para comprar os jornais noturnos? Melhor ficar quietinho no sofá, de pijama, acompanhando tudo com som e imagens em movimento.

 

A TV como alerta

No auge do Jornal do Brasil, na década de 1960, Alberto Dines mandou colocar televisores na Redação, lembrando à equipe – e que esplêndida equipe! – que os acontecimentos estavam sendo noticiados em primeira mão naquela telinha, e que caberia ao veículo impresso aprofundar o noticiário, hierarquizar as informações, articulá-las, mostrar ao leitor o cenário em que os fatos aconteciam. No JB de Dines, a experiência foi da maior importância; ao Jornal da Tarde, em São Paulo, voltado ao comportamento, à vida da cidade, ao que surgia de moderno, àquilo que a TV não acompanhava, a instantaneidade da informação não incomodava. Outros veículos impressos se deixaram afogar na tentativa de competir com a TV. Besteira: TV é TV, jornal é jornal. E muitos se afundaram.

E hoje, que a informação se tornou ainda mais rápida pela internet? Um excelente jornalista e professor, Wladyr Nader, vai direto ao ponto: “Lê-se menos jornal porque você fica sabendo tudo no dia anterior pela TV e pela internet. A imprensa vive discutindo isso e não se resolve. É fato ou não? Daí as demissões em massa na área e o desespero dos estudantes de jornalismo, que ficam sem maiores perspectivas”. Uma lenda viva do jornalismo brasileiro, Nilo Dante, da grande equipe do Jornal do Brasil (e de tantas outras), aprofunda a análise: quando o jornal comete o supremo pecado de decepcionar seu leitor, perde o conceito, perde o espaço, perde o mercado. Lembra dois grandes jornais do Rio, o Diário de Notícias e o Correio da Manhã, gigantes de uma era, desaparecidos poucos anos depois. Como escreveu neste Observatório, “o cemitério da imprensa brasileira está cheio de ilustres cadáveres prematuros cujo singelo pecado foi decepcionar o leitor, isto é, o mercado”.

 

As razões da queda

Nader coloca, como grande responsável pela queda de circulação de tantos jornais impressos, o envelhecimento de seu conteúdo, já visto na TV e na Internet muitas horas antes, com a vantagem do som e do movimento; Dante cita “o espantoso declínio de qualidade” dos veículos em papel. “Eles estão morrendo não de obsolescência, mas de anorexia. Falta-lhes conteúdo. São produzidos para deleite de quem edita e não de quem consome. Trocaram a informação-crítica pela divulgação-celebração”.

Na opinião deste colunista, ambos, Wladyr Nader e Nilo Dante, tratam do mesmo fenômeno: boa parte dos veículos impressos não percebeu que é preciso mudar o enfoque, aprofundar as análises, buscar a ligação entre os vários fatos. A internet e a TV já mostraram os mortos na Síria, já noticiaram a troca de acusações entre governo e rebeldes a respeito de ataques com armas químicas, já citaram as dezenas de milhares de vítimas da guerra civil. Para os jornais impressos, resta o lado nobre da notícia: avaliar os motivos pelos quais o Ocidente não derruba o presidente Assad, e China e Rússia, que o apoiam, não lhe fornecem força militar suficiente para vencer os rebeldes; discutir as opções possíveis para os vários lados da guerra; analisar a posição dos turcos, já que parece simples demais atribuir a hostilidade com que tratam seu antigo aliado Assad apenas à solidariedade com os muçulmanos sunitas em luta contra os alauítas, xiitas e defensores do Estado laico.

Fotos de crianças mortas na primeira página? Para que? Todos já as viram. E servem, sem que haja necessidade noticiosa, para repelir o leitor já no café da manhã. Falta alguém que, como Dines no JB, mostre às redações que TV e internet têm papel preponderante na informação instantânea, e que é preciso publicar aquilo que vá atender aos interesses e necessidades do leitor.

Sem que os jornais e revistas percebam esses interesses e necessidades (que, agora, são diferentes do que já foram), tornam-se desnecessários – às vezes agradáveis, às vezes até viciantes, mas sempre desnecessários. Se o leitor deixa de ler um jornal ou revista, não perde muito; e, caso o veículo impresso tenha dado informação importante, essa informação vai aparecer em seguida nos portais noticiosos e no Facebook, com íntegra e tudo, mais comentários dos internautas. Insuficiente? Basta ir buscar o original, que já se sabe que existe, no veículo que o divulgou em primeira mão.

A imprensa mudou. Se o jornal deu ou não deu, todos sabem o que aconteceu.

 

Guerra geral

Primeiro, vamos esquecer essa bobagem de que os ataques a jornalistas são promovidos por gente que odeia a imprensa. Ninguém odeia “a imprensa”: cada um dos raivosos odeia os órgãos de imprensa que considera que estejam do outro lado. Neste momento, parece estar ocorrendo um tipo deliberado de demonização de repórteres, ora acusados de trabalhar para um veículo que os acusadores consideram politicamente incorreto, ora de mostrar imagens que os acusadores prefeririam manter ocultas.

E ocorre, sem dúvida, um trabalho pesado de agentes provocadores. Já houve demonstrações claras (entre elas algumas apresentadas pelos ninjas) de que, entre os vândalos, os black blocs, os anarcopunks e outros ferozes inimigos de orelhões, portas e lixeiras, há policiais militares (o caso mais emblemático foi o do rapaz que jogou coquetéis molotov, correu na direção da PM, foi recebido, protegido até que trocasse de roupa, e reapareceu com uniforme da polícia). A própria inação da PM nos momentos de vandalismo aponta para uma certa satisfação estranha com o que está acontecendo. E a sombra do cabo Anselmo, o agente provocador que com seus discursos revolucionários incendiários convenceu muita gente de que era preciso resistir à tentativa de golpe comunista, paira sobre os excessos atribuídos a manifestantes e as agressões a jornalistas.

Um episódio interessantíssimo ocorreu na Câmara de Vereadores do Rio, quando se iniciou a discussão sobre os contratos de empresas de ônibus com a prefeitura. A equipe da Globonews foi hostilizada, os repórteres empurrados. Por quem: por gente a favor da CPI ou por gente contrária à CPI? Não se sabe. Mas há denúncias de que estavam, entre os agressores, seguranças contratados para ocupar as galerias e manifestar-se em favor dos integrantes da CPI – na maioria, ligados ao prefeito Eduardo Paes, do PMDB, e acusados de montar uma comissão de inquérito que não daria em nada.

A Câmara prometeu, claro, um rigoroso inquérito a respeito das agressões. Este colunista aposta um almoço no La Casserole contra um picolé de chuchu como o rigoroso inquérito vai chegar a rigorosamente nada.

 

São anunciantes – e daí?

Qual a pior operadora de celular? Qual a pior fornecedora de conexão para a internet? Pode procurar: nos meios de comunicação é que o caro colega nada irá encontrar. É complicado fazer esta análise, mas só até certo ponto: medir a velocidade das conexões com a Internet é questão simples e qualquer bom advogado explicará direitinho onde os contratos são mais ou menos leoninos. Vale a pena entrar no 4G? Este colunista já recebeu informações de amigos nos quais confia, mas os meios de comunicação continuam em silêncio. Tudo bem, as operadoras são anunciantes, anunciantes das grandes, mas se os meios de comunicação perderem seus consumidores, por falta de informação, também os anunciantes irão embora.

Um jornalista aposentado, daqueles que faziam boas reportagens e não se incomodavam de passar a noite atrás de uma notícia, foi procurado há pouco pela Vivo. Fechou um pacote de fibra óptica com quatro pontos de TV, dois em HDM e dois em HD, internet com 50 mega, a R$ 260 mensais. Fechou mas não fechou: o vendedor (ops, desculpe: eles gostam de ser chamados de “consultor”) lhe telefonou e disse que tinha errado na conta. O pacote sairia por R$ 290. O jornalista decidiu que não aceitaria o novo preço. Dias depois, a NET lhe propôs algo semelhante, a R$ 247 mensais. OK, fechado. O consultor então sumiu. Procurado, disse que a proposta (que ele mesmo tinha feito) havia sido rejeitada.

A Vivo o procurou de novo e fez nova proposta, de R$ 247 mensais. Só que, na hora de assinar, o contrato era diferente do combinado e haveria uma série de novos encargos, que jogariam o preço para mais de R$ 300 por mês. O jornalista foi então à loja da Vivo. Mas lá o informaram de que não vendiam conexões de fibra óptica. Isso só por telefone, com os tais consultores.

Pergunta nosso colega: “Onde vou conseguir canais de TV transmitindo por fibra óptica sem que tentem me enganar”?

A resposta é fácil: em outro país, uai!

 

É, mas não é, embora seja

Mais uma história exemplar de telecomunicações (aliás, dizem que existe uma agência chamada Anatel que deveria cuidar dessas coisas. Por que nenhum meio de comunicação verifica se existe mesmo e o que é que faz?).

Uma assídua leitora desta coluna é cliente Netcombo há seis meses. Surgiram problemas em alguns canais, telefonou para o atendimento. Não a localizaram no sistema; se não existe no sistema, segundo a informaram, não é cliente. Claro que todos os meses a cliente, ou não cliente, recebe e paga a fatura; na fatura estão todos os seus dados, nome, endereço etc. Mas a resposta foi clara: seu cadastro não existe, e se a senhora não é cliente não temos como resolver seu problema técnico. E ainda por cima perguntaram à cliente que não é cliente, mas é cobrada como cliente embora não seja atendida como cliente, se ela tem certeza de que sua cidade é mesmo Ubatuba. Estariam esperando alguma cliente de Pyongyang que, só para encher o saco deles, fingiria ser de Ubatuba?

Alô, reportagem! Se eles sabem cobrar, como não sabem localizar clientes? Podiam pelo menos arranjar uma desculpa melhor do que essa! Será que, só porque são anunciantes, vão ficar protegidos de repórteres curiosos?

 

Tudo pago

Há coisas que já não deviam acontecer nos meios de comunicação. Por exemplo, testes no exterior com carros que serão lançados no Brasil, com tudo pago pela fábrica. Ou reportagens de turismo, sempre a convite. Antigamente, vá lá. Mas hoje os padrões têm de ser outros. Pode procurar: o caro leitor já viu alguma reportagem de turismo dizendo que o hotel é ruim, que o lugar é feio, que o esgoto da cidade é jogado diretamente na praia?

 

Corrigindo

Este colunista escreveu, na semana passada: “Como ensinava o Jornal do Brasil dos bons tempos, o fato mais importante vinha no lead, o segundo no sublead, e a história se seguia no restante da matéria”. “Correto e incontestável”, observa o jornalista Nilo Dante. “Contudo, eu teria ficado encantado se tivesse lido Diário Carioca onde li Jornal do Brasil. O lead e sublead foram abençoadas inovações trazidas dos Estados Unidos pelo Pompeu de Souza. Inovações, falar nisso, que o Odylo Costa, filho, teve a sabedoria de absorver quando realizou a famosa reforma do JB em fins de 1956, e que mais tarde o Dines consolidou e ampliou. O Odylo levou para o JB não só os novos conceitos de edição e redação, mas também – e especialmente – a rapaziada que estava fazendo a festa no DC: o Armando Nogueira, o Zé Ramos Tinhorão, o Evandro Carlos de Andrade, o Ferreira Gullar, o Janio de Freitas, o Octavio Bonfim etc. etc., entre os quais imodestamente me incluo. Em tempo: o Odylo acionou a catapulta, mas o zênite da ‘Folha da Condessa’ se deu na Era Dines, o que vem a ser uma outra história”.

 

País tropical

Parece incrível, mas é verdade: o deputado federal Eduardo Cunha, do Rio, líder do PMDB na Câmara dos Deputados, processou o jornalista Ricardo Noblat por calúnia e difamação. O Superior Tribunal de Justiça rejeitou as acusações, considerando que os comentários de Noblat em seu blog tiveram apenas o intuito de prestar informações jornalísticas. O STJ não disse, mas é sabido que Noblat jamais poderia caluniar ou difamar Eduardo Cunha, imputando-lhe falsamente atitudes ou comportamentos inaceitáveis. Seria um crime impossível.

 

Renata pedalando

Quase no fim desta semana, no dia 30, entra no ar o portal Bike Legal, comandado pela jornalista Renata Falzoni. Renata é excelente repórter fotográfica, militante bicicleteira – alma dos Night Bikers, ciclistas que saem à noite para passear em grupo – gente finíssima. Se é ela que faz, é bom.

 

Leão andando

E, por falar em transporte alternativo, o jornalista Leão Serva lança no dia 29/8 o livro Como viver em São Paulo sem carro, no qual reúne histórias de pessoas que passaram a deixar o carro em casa e redescobriram uma cidade que há muito não viam. Dia 29, a partir das 19h30, na Livraria da Vila, Alameda Lorena, 1731, São Paulo, com estacionamento na porta.

 

Palco, tela, livro

Cláudia Alencar é atriz de sucesso, no teatro, no cinema, na TV. Esteve presa na Oban, onde foi torturada por suas atividades contra a ditadura militar. Foi professora por muitos anos. E, descendente direta de um dos grandes romancistas brasileiros, José de Alencar, não nega o DNA, que a levou a vencer um concurso nacional de contos, promovido pelo Correio da Manhã, quando tinha 14 anos: lança agora seu sexto livro, Refinamento e Loucura, uma coletânea de bons poemas. No sábado, 31, das 16 às 19h, Livraria da Vila, Alameda Lorena, 1731, São Paulo.

 

Do tempo aos livros

Rosana Jatobá, jornalista e apresentadora de primeira linha, lança seu livro de estreia: Questão de Pele, com 49 crônicas sobre meio ambiente e problemas sociais. Dia 29, às 18h30, Livraria Cultura da Avenida Paulista, São Paulo. O livro será lançado no Rio no dia 7 de setembro, às 18h, na Bienal, estande da Editora Novo Século.

 

O Googleguês

Ler um texto traduzido pelo Google é como ouvir o senador Eduardo Suplicy cantando “Blowin' in the wind”: a gente até descobre do que se trata, mas o original é melhor. Há dois exemplos notáveis: um de anúncio, um de notícia.

Anúncio: “De uma linhagem de eloquência projeto vem um novo relógio prestados em titânio leve. (…) um anexo de estilo definitivo afiada do metal mesmo premio ultra (…) Clássico encontra o contemporãneo em um trabalho de sofisticação que combina a precisão de 25-jóia movimento com a mecânica intrincados de um mecanismo de auto-liquidação (…)”. E segue assim.

Texto, num grande jornal, sobre uma rede de moda: “Ativistas argumentam os tamanhos 'discrimina' os clientes mais gordos”.

 

Como…

De um grande jornal impresso:

** “Na visão de Dilma, o mês que traz a primavera será 'crucial' para a retomada econômica e, portanto, para preparar o terreno para as eleições de 2013”.

O jornalismo está regredindo. Até agora, mil, milhão, bilhão e trilhão era tudo a mesma coisa. De agora em diante, até as datas têm de ser lidas com cuidado.

 

…é…

De um importante portal noticioso:

Título: “Senado aprova elevar idade de dependente no IR para 32 anos”

Texto: “O Senado aprovou projeto de lei que eleva, de 21 para 28 anos, o limite de idade para dependentes no Imposto de Renda”

Lendo a reportagem com cuidado, ambos, título e texto, estão certos: o limite é 28 mesmo, mas pode chegar a 32 se o dependente estiver na faculdade.

 

…mesmo?

Numa tradicional coluna econômica da Internet:

** “O dimas era Balmer na Microsoft”

Mais tarde, o título foi corrigido para “O fim da era Balmer na Microsoft”

 

Pois é assim

De um grande portal frufru de notícias:

** “SBT exibirá novela inédita a estrela de A Usurpadora”

 

Frases

De Miguel Carrascoza, referindo-se ao escândalo da Siemens e à ameaça do governador paulista Geraldo Alckmin, PSDB, de processá-la:

** “Para provar independência, o chuchu resolveu processar a horta.”

Do jornalista Cláudio Tognolli:

** “Montanha, grama e céu azul diante dos olhos o dia todo. Pena que é o descanso de tela do Windows.”

De Gabriel Meissner, um dos mais talentosos blogueiros da praça:

** “Se eu fosse médico cubano, viria ao Brasil só pra poder tomar uma Cuba Libre sem ser perseguido pelo governo.”

Do jornalista Sandro Vaia:

** “A medicina cubana é tão boa quanto a agricultura cubana. Ou a indústria cubana. Ou a democracia cubana.”

 

A não notícia

O “supostamente”, tão usado na imprensa para evitar responsabilidades, já chegou ao Judiciário. Seu avanço, supostamente, é inexorável.

Uma advogada recorreu contra a decisão do juiz que lhe negou honorários, embora tenha tratado de um inventário por nove anos. Segundo ela conta, recuperou, limpou, mandou avaliar e tratou da venda de um automóvel e quatro imóveis, um deles invadido por traficantes. Encaminhados os documentos, o juiz disse que o pedido de honorários se referia a serviços “supostamente” prestados ao falecido fora da ação do inventário.

Se a advogada mostrou os documentos, prestou os serviços e não há nada suposto. Se não apresentou os documentos, que lhe sejam pedidos. Mas por que “supostamente”? Simples: virou, supostamente, um novo vício de linguagem.

 

E eu com isso?

E aqui, a eterna primavera, as festas, as praias, os namoros, os beijos, as calcinhas à mostra, ou as sem-calcinhas, todos curtindo, sem problemas com operadoras de telefone, TV e banda larga, tudo certinho, nada, mas nada mesmo, suposto. Nada tem importância, mas é relaxante!

** “Bruno e Yana namoram na praia”

** “Jennifer Aniston e o noivo trocam beijos durante férias no México”

** “Deborah Secco participa de evento em São Paulo”

** “Hilary Duff deseja um irmão para Luca”

** “Lea T. posta foto seminua no Instagram”

** “Rihanna almoça sozinha em Nova York, de calça camuflada e top curtinho”

** “José Loreto joga futevôlei em praia no Rio”

** “Eva Longoria está solteira de novo”

** “Famosas se encontram em aniversário”

** “MTV faz Gaga sentar com Katy no VMA”

 

O grande título

Há um belíssimo exemplar no quesito bizarro:

** “Idoso é preso com 4.040 pílulas para disfunção erétil na calça”

Com tanto comprimido grudado, a roupa deveria estar até incômoda de tão inflexível.

Há outro exemplar magnífico no quesito linguagem nerd:

** “Vídeos e fotos do Instagram poderão ser 'embedados' em páginas da internet”

No texto está tudo explicado: vídeos e fotos do Instagram poderão ser incluídos em páginas da Internet.

O título imbatível foi enviado por um excelente jornalista, com muitos anos de carreira em São Paulo, hoje militando em Florianópolis.

** “Policial é morto por enxame de abelhas no Rio em troca de tiros”

O jornalista nos chama a atenção para o perigo que é trocar tiros com abelhas.

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmann&Associados Comunicação

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem