Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CIRCO DA NOTíCIA > MÍDIA & SAÚDE

Os anjos e os demônios

Por Carlos Brickmann em 03/09/2013 na edição 762

Comecemos deixando as coisas claras: se o governo tivesse importado alguns milhares de médicos islandeses, a discussão sobre o tema seria muito menos intensa. Como são cubanos, o fator ideológico tornou-se preponderante: há os que os consideram ótimos de origem, há os que os consideram péssimos de origem. O debate jornalístico sobre…

1. a necessidade da importação;

2. a implantação do projeto;

3. a capacidade dos médicos que vêm ao Brasil

… foi praticamente inexistente.

Quase não se discutiu pela imprensa a questão da saúde. Acontece que saúde engloba engenharia, educação, higiene, prevenção, medicina. O médico é a última etapa no processo de manutenção da saúde: é como o goleiro de um time. Havendo um bom sistema de saúde, cabe a ele enfrentar problemas que, apesar de todas as precauções, acabam atingindo os pacientes.

Imaginemos um grotão onde não haja médicos e que agora, graças à importação de profissionais estrangeiros, passe a ter pelo menos um. Imaginemos também que este médico seja dedicado, competente, preocupado com o bem-estar da população, que consiga falar e entender sua língua com perfeição. Ele saberá cuidar de uma diarreia; mas que fazer quando a criança, curada, beber novamente água contaminada, a única de que dispõe? Se o grotão tiver saneamento básico (uma questão de engenharia), o paciente sairá do médico devidamente curado, sem grande risco de recaída. Se não houver saneamento básico, a diarreia vai voltar, vai enfraquecer o paciente, pode matá-lo. Ensinar as pessoas a lavar as mãos, especialmente antes de comer, é questão educacional; e vai contribuir poderosamente para reduzir o número de doenças. Se as pessoas não lavarem as mãos, o médico estará novamente enxugando gelo: o paciente curado hoje volta no mês que vem.

Mesmo em São Paulo, onde o sistema de saúde pública é um dos melhores do país (embora ainda esteja longe do ideal), há setores em que os médicos quase desanimam. Digamos que uma criança seja espancada e levada ao hospital. Ficará ali algum tempo, receberá alimentação correta, terá as contusões tratadas. Ao voltar para casa, será novamente espancada, e retornará ao hospital. E por que é espancada? Talvez porque o pai não a suporte; talvez porque o pai esteja bêbado; talvez porque, com fome, chore de madrugada, e o pai, cansado do serviço pesado, lhe bata para que pare de chorar e de atrapalhar seu sono. Em qualquer das hipóteses, o médico resolverá o problema momentâneo, sem conseguir evitar que se repita. E não adianta afastar a criança dos pais: onde colocá-la? Prender o pai, por agressão? OK – e quem trará algum dinheiro para as despesas da casa?

Colocar o médico como solução para problemas que não têm origem na medicina é a principal falha do programa de importação de mão de obra. É como importar excelentes agricultores e colocá-los onde não haja água nem terra fértil. Isso independe da nacionalidade dos profissionais, de sua ideologia, dos acordos entre governos, da forma de pagamento dos salários. Depende, isso sim, da formulação de uma política de saúde que envolva água tratada, cuidado com os esgotos, educação para a higiene, e só então a intervenção do médico, venha de Cuba, da Islândia, dos Estados Unidos, da Coreia do Norte ou da Espanha.

Mas os meios de comunicação se imbuíram, ao contrário, do clima de disputa política: as reportagens se referem exclusivamente às mentiras sobre o acordo com Cuba (hoje já se sabe que a negociação começou muito antes do que foi anunciado), sobre o pagamento aos médicos, sobre a volúpia do governo brasileiro pelos profissionais cubanos, sobre a falta de vontade dos profissionais brasileiros de ir para cidades pequenas e pobres, sobre as excelências proclamadas da medicina cubana. São temas que valem matéria, que devem ser analisados, esmiuçados, denunciados, mas que não são o ponto principal da questão. O ponto principal é a saúde do brasileiro e o que deve ser feito para que caia a mortalidade infantil, melhore a qualidade de vida e se reduza o número de pessoas que caem doentes por pura e simples falta de condições de se manterem saudáveis.

Voltemos a São Paulo, o estado mais rico do país. A segunda cidade do estado, Guarulhos, com pouco mais de 1,2 milhão de habitantes, ainda não trata seus esgotos (as obras começaram há pouco tempo – já é um avanço!). Vai tudo, sem tratamento, para o rio Tietê. Os esgotos de Guarulhos atravessam a capital do estado e vão para o interior, e só lá pela região de Barra Bonita, a uns 300 km de distância, o rio volta a ficar limpo, com oxigenação suficiente para que os peixes ali vivam e a água se torne de novo fonte de vida e alegria, não de preocupação.

Isto ocorre em São Paulo, região da capital. Agora pense numa cidade distante, com estradas de terra e ruas sem pavimentação, com água de cacimba à disposição de seus habitantes e de seus animais. Ter um médico ali, cubano, brasileiro ou costarriquenho, é melhor do que não ter médico nenhum; mas saúde pública é um pouco mais do que isso. E os meios de comunicação, que deveriam articular, hierarquizar e aprofundar as notícias, não poderiam ignorar este fato tão simples.

 

Endoidou

A notícia é interessante, mas por algum motivo foi praticamente ignorada pela imprensa nacional: ficou limitada ao Mato Grosso do Sul. Mesmo as emissoras afiliadas a redes nacionais deram a informação apenas no noticiário local. E, no entanto, é de interesse de todo o país, especialmente neste momento em que políticos poderosos correm o risco de passar algum tempo atrás das grades.

Os fatos: Raul Freixes, PTdoB, ex-deputado estadual, ex-prefeito de Aquidauana, foi condenado a quatro anos e oito meses de prisão, em regime semiaberto (trabalharia de dia e se recolheria à noite à cadeia), a partir de 25 de agosto. Desta vez, o processo foi motivado pela retirada ilegal de R$ 61 mil do Tesouro municipal. Mas ele já foi condenado, em 2008, por simular pagamento a uma empreiteira, retirando R$ 100 mil dos cofres públicos, nove dias antes de deixar a prefeitura. Em 2009, foi condenado por contratar advogado para a prefeitura sem licitação. Tentou ser candidato a vice, foi barrado pela ficha suja.

Freixes se tornou popular ao apresentar um programa policial, O Povo na TV, no qual fazia comentários agressivos, do tipo “lugar de bandido é na cadeia”, “parabéns à polícia por pegar esse vagabundo”, etc. E aí está a raiz do problema: agora foi colocado na mesma cadeia que abriga os presos que atacou em seu programa. Freixes acabou surtando e teve de ser removido, amarrado e sedado, para uma Unidade de Pronto Atendimento. Segundo seu advogado, estava muito agitado, chamava a mãe e gritava que outros detentos iriam matá-lo. Um psiquiatra afirma que ele não poderá permanecer recluso. Diagnóstico: ansiedade generalizada, agitação psicomotora, sensação de morte iminente e alucinação auditiva.

Triste, não? Os adversários políticos de Freixes não acreditam no surto. De qualquer forma, não é um tema bom, ainda mais agora, para os veículos nacionais de comunicação? Vale uma boa investigação. Afinal de contas, o objetivo da pena não é provocar loucura nem facilitar o assassínio do condenado – se é que esses problemas estão acontecendo na realidade.

 

Malditos números

As contas, as contas! Números e jornalistas são normalmente avessos uns aos outros. Este colunista, que também não é muito chegado aos mistérios da matemática, só se dá bem com um tipo de número: o número de telefone de quem sabe fazer contas e pode ajudá-lo quando é preciso.

O problema é que muita gente na profissão não usa esse tipo de recurso. E toca a publicar contas absurdas, que não fecham, ou são simplesmente inverossímeis. Um ótimo jornalista, Edmilson Siqueira, conta que certa vez caiu em suas mãos uma reportagem sobre o crescimento do volume de cheques sem fundos na região. Informava-se que um cheque de 37 bilhões tinha sido devolvido – fosse qual fosse a moeda da época, era muito. Bem, na época não havia celular e o repórter não tinha telefone em casa. A matéria foi transferida para o dia seguinte.

E, no dia seguinte, o repórter confirmou a informação. Mais: exibiu a cópia do documento onde constava a devolução do tal cheque. O número não era bem aquele: era 37 milhões – um milésimo do que constava na reportagem. E de onde surgiu o erro? Simples: o repórter contava as casas de três em três, “mil, milhão, bilhão”. E não sabia que as três primeiras casas representavam centenas, dezenas e unidades, e só daí em diante é que vinham o mil e o milhão.

 

O pior de tudo

Um livro interessante está na praça: Guerras Estúpidas, de Ed Strosser e Michael Prince. Propõe-se a mostrar as piores decisões já tomadas por dirigentes de países em luta. Decisões erradas já foram tomadas por democracias e ditaduras; e, salientam os autores, guerras estúpidas são as mais difíceis de encerrar.

Com base em suas pesquisas, os autores dão conselhos para que os erros do passado não se repitam. Alguns deles: não declare guerra contra todos os vizinhos ao mesmo tempo, não vale a pena morrer por ilhas muito pequenas e, principalmente, nunca invada a Rússia. Esta sempre é uma péssima ideia.

É uma boa oportunidade para lembrar um livro mais antigo: A Primeira Vítima, de Philip Knightley. O título se baseia numa frase do senador americano Hiram Johnson, do Partido Republicano: “Em caso de guerra, a primeira vítima é a verdade”. Knightley mostra os fatos como aconteceram e como a imprensa os noticiou. É engraçado – e para nós, jornalistas, trágico.

 

Como…

De um grande jornal impresso:

** “(…) a vítima, que não teve o nome divulgado pela Polícia Civil, foi baleada no braço esquerdo do corpo”.

 

…é…

De um importante portal noticioso:

** “(…) Marcel Blato, embaixador do Brasil na Bolívia, que teve sua indicação para assumir a Embaixada do Brasil em Estocolmo (Suíça) retirada pela presidente Dilma Rousseff (…)”

O embaixador escapou de boa: imagine o mico que pagaria tentando encontrar Estocolmo na Suíça.

 

…mesmo?

De um grande portal noticioso:

** “Um prédio de dois pavimentos desabou (…) em São Mateus, na Zona Leste de São Paulo (…) O prédio estava em construção na avenida Mateo Bei, na altura do número 2.600 (…)”.

Tudo bem – mas, consultando-se o Google Maps, verifica-se que o prédio que caiu tinha o número 2.263 – do outro lado da rua, a mais de 300 metros de distância.

 

Frases

Do empresário Pedro Rodrigues: “Donadon não é deputado, mas é; Lando é deputado, mas não é”.

Do repórter fotográfico Samuel Iavelberg: “Kamaradas e Kompanheiros: algo a declarar? E a base aliada – aliada de bandido, né?”

Do jornalista Ricardo Muza: “Como pode a CUT ao mesmo tempo, apoiar protestos contra o governo e apoiar o governo que é alvo dos protestos?”

Do jornalista Cláudio Tognolli: “Sinto falta daqueles textos da Folha de S. Paulo que nos ensinam as pronúncias, tipo ‘O deputado Donadon (pronuncia-se Da-Na-dão)’”.

 

As não notícias

A coisa está se espalhando: aquilo que antes acontecia entre nós, com repórteres morrendo de medo de levar processo, agora é internacional.

1. A respeito de suspeitas de crise conjugal: “Apresentadora teria sido vista circulando sem aliança”.

Foi vista ou não foi vista? Você decide.

2. “Justin Bieber pode ter voltado com antiga namorada”

Poder, pode; tudo é possível. Justin Bieber também pode estar namorando uma estrela internacional do tênis, ou pode ter desistido de voltar com Selena Gomez. Mas, afinal de contas, voltou com a namorada antiga ou não?

Mas a melhor não notícia combina uma suposição com um erro de digitação. Ficou legal!

** “(…) explica as investigações de susposto cartel em 5 passos”

Agora, susponha que a gente não entenda as investigações nem assim. Daria para explicar meslhor em nosve passos?

 

E eu com isso?

Aqui não se supõe nada: quem trai anuncia, o corno reclama, cada um apresenta seu novo par e pronto. Aliás, brigar por que, se muitas vezes a traição é criada exatamente para gerar notícia? Em outras épocas, este colunista até lamentaria a quantidade de árvores abatidas para publicar esse tipo de informação, mas hoje é tudo digital. As árvores continuam de pé! Então, tudo bem.

** “Eminem chama Khloe Kardashian de feia”

** “Bruna Marquezine e Tiago Abravanel fazem lanche rápido no Leblon”

** “Harry Styles, do One Direction, dá beijaço no ator James Corden”

** “André Marques grava com Emílio Orciollo na Barra da Tijuca”

** “Lady Gaga usa roupa sóbria em Londres, mas surpreende com visual”

** “Adriane Galisteu vai à inauguração de loja do marido”

** “Sandra Bullock e George Clooney vão à première”

** “Naldo e Moranguinho trocam declarações de amor”

“Katy Perry visita rádio de NY com vestido listrado justinho”

** “Luciano Huck e Angélica passeiam juntinhos em shopping carioca”

** “Rihanna usa macacão camuflado em passeio”

Este colunista tem experiência na área de alimentação. E duvida que Tiago Abravanel tenha algum dia feito um lanche rápido.

 

O grande título

Por algum motivo, os melhores títulos desta semana foram esquisitos. Um deles vale pelo jogo involuntário de palavras, causado por erro de digitação:

** “Queda de avião de pequeno morte mata 5 na Alemanha”

Outro é apenas esquisito, mesmo:

** “Anitta se sacrifica fazendo dieta mesmo com rumores de ter sido gordinha?”

Deve fazer sentido. Os especialistas em funk certamente entenderam tudo.

E há o grande título da semana, num portal de primeira linha:

** “Fundo do posso foi superado, diz Mantega sobre PIB”

Será muita maldade imaginar que Mantega disse a frase pensando exatamente deste jeito, na grafia que foi utilizada?

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmann&Associados Comunicação

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem