Domingo, 16 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1041
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

A orfandade do erro

Por Carlos Brickmann em 15/04/2014 na edição 794

Boa praça, o senador Delcídio Amaral (PT-MS). Sorridente, afável, de conversa agradável, gentil, sempre pronto a atender aos jornalistas, sempre demonstrando boa vontade com a imprensa. Isso, naturalmente, na primeira página. Nas páginas internas, onde aumenta o volume de informações a respeito do trabalho e das opiniões de Sua Excelência, o cavalheiro derruba o “h”, troca os sapatos de pelica por botas de couro cru e calça as esporas.

O nome do problema é Nestor Cerveró. Cerveró foi diretor da área internacional da Petrobras e o demitiram depois de responsabilizá-lo por não ter fornecido informações completas sobre a compra da refinaria de Pasadena para o Conselho de Administração da empresa. Na época em que era o homem-forte da Petrobras, prestigiadíssimo, Delcídio Amaral e Renan Calheiros disputavam a honra de tê-lo indicado. Hoje, só falta garantir que não o conhecem. E é aí que Delcídio despe as roupas de Clark Kent e se transforma num Incrível Hulk com dor de dente.

Delcídio entrou com ação inibitória contra o Correio do Estado, de Campo Grande (MS), para proibi-lo de divulgar qualquer notícia que vincule seu nome ao de Cerveró. Parou por aí. Nada fez contra a Agência Folhapress, que forneceu a notícia ao Correio do Estado; nem contra outros jornais que também publicaram a notícia, como O Globo, Folha de S.Paulo, Estado de Minas, Correio Braziliense. Não quer que a notícia saia no seu estado – e ainda por cima num ano eleitoral!

O juiz Wagner Mansur Saad, da 12ª Vara Cível de Campo Grande, ameaça multar o jornal em R$ 20 mil a cada vez em que relacionar o nome de Delcídio ao de Cerveró. E quer obrigar o Correio do Estado a revelar a fonte.

Ainda bem que este colunista não se formou em Direito: ficaria perplexo com uma medida que, a seu ver, ignora a inviolabilidade garantida pelo artigo 5 da Constituição (deve ser interpretação errada de leigo, claro – mas que parece certa, isso parece).

Mas a atitude de Delcídio, além de revelar muito sobre ele, revela outras coisas a respeito dos políticos em geral:

1. Todos amam a liberdade de imprensa, enquanto nada é descoberto a seu respeito. Quando viram alvo, continuam amando a liberdade de imprensa, “desde que não se confunda liberdade com libertinagem”, ou que os meios de comunicação “não se dediquem a distorcer notícias com finalidades eleitoreiras”.

2. Todos adoram jornalistas enquanto divulgam notícias que possam beneficiá-los. Aquele jornalista maravilhoso de repente se transforma no símbolo vivo do mal absoluto, a quem é preciso conter custe o que custar.

3. Imprensa tem de ser livre, protegida contra censura – mas nada que impeça regulamentá-la, né? Tem um pessoal aí que adoraria regulamentar a imprensa para que esses jornalistas aprendam a exercer a liberdade com responsabilidade – ou seja, que falem mal o quanto quiserem, quando quiserem, sem limites, mas apenas dos adversários.

 

O cavalheiro das trevas

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, já foi apontado como o Batman que, sem temor, e com competência, enfrentava os criminosos mais bem postados do país. Batman, um dos mais famosos personagens de histórias em quadrinhos (e depois da TV e do cinema) teve várias fases, desde que foi criado por Bob Kane, em 1936. Uma delas, sob o comando de Frank Miller, recebeu o título O Cavaleiro das Trevas.

A vida muitas vezes imita a arte. Joaquim Barbosa lança agora a força de seu prestígio na regulamentação dos meios de comunicação – eufemismo tantas vezes usado para evitar a feia palavra “censura”. Regulamentação é mais bonito. E qual a queixa de Barbosa? Diz ele que falta diversidade ideológica e racial a jornais e emissoras de televisão do país.

Considerando-se que entre os homens só existe uma raça, a raça humana, seria curioso discutir a tal “diversidade racial”. Talvez o meritíssimo se refira a etnias, ou à cor da pele; mas lembrando que Oliveiros S. Ferreira, Frederick Heller, Nicolàs Boer exerceram o poder ao mesmo tempo naquele que era o jornal mais importante do Brasil; que um muçulmano descendente de sírios é o comandante do jornalismo do maior meio de comunicação do país – e por seus próprios méritos, fartamente comprovados; que a imprensa não economizou elogios ao ministro negro que presidia o Supremo Tribunal Federal; pedir diversidade étnica talvez seja chover no molhado. Quanto à diversidade ideológica, há de tudo na praça. Alguns meios de comunicação se tornaram maiores e mais importantes do que outros; mas será que a preferência do público nada tem a ver com isso?

Joaquim Barbosa presta a homenagem à liberdade de imprensa de todos os adversários da liberdade de imprensa: diz que a tal regulamentação não é uma forma de censura. Na opinião de Sua Excelência, “a comunicação no Brasil é muito quadradinha”; que muitas organizações não despertaram para a necessidade de ter a cara do Brasil.

Para esses casos, existe uma punição tremenda: o público abandona os meios que deixam de interessar-lhe, e as empresas morrem. Quem implacavelmente aplica as mais severas penas às publicações que não despertaram para a necessidade de ter a cara do Brasil é o mercado. E a maior pena aplicada pelo mercado é irrecorrível, desconhece embargos infringentes, é perpétua: quem morre por não acompanhar seu público não volta mais.

 

O exemplo de fora

Há muita gente que discute regulamentação da imprensa, diz que não é censura; o jornalista Paulo Henrique Amorim defende uma Ley de Medios (assim mesmo, em espanhol), como a que existe na Argentina – e lá serviu para sufocar a oposição. Outros debatem a propriedade cruzada dos meios de comunicação – o mesmo grupo possuir, na mesma região, veículos impressos, TV, rádio. Este colunista já foi favorável a este tipo de regulamentação da propriedade cruzada, mas hoje acredita que, com a internet, tanto faz onde estejam os veículos, pois alcançarão a quem quiser buscá-los. A melhor forma de cuidar da imprensa é provavelmente a adotada pela Primeira Emenda da Constituição americana, que garante também uma série de outras liberdades aos cidadãos:

“O Congresso não votará qualquer lei a respeito do estabelecimento de uma religião, ou da proibição de seu livre exercício; ou de restrição à liberdade de expressão, ou da imprensa; ou do direito das pessoas de se reunirem pacificamente, e de fazerem pedidos ao governo para que sejam feitas reparações de queixas”.

Com grande frequência, a liberdade é garantida pela proibição da existência de leis que a protejam, e não por leis que supostamente a garantam.

 

Como…

Descrição online do jogo entre São Paulo e CSA num grande portal noticioso:

** “19 min – GOOOOL DO SÃO PAULO! Maicon (…) dá um presente para Alexandre Pato. O zagueiro recebe em posição excepcional e toca para o fundo da rede!”

E foi assim que Pato, centroavante que jogou na Seleção brasileira e até no Corinthians, teve abruptamente trocada sua função em campo e virou zagueiro.

 

…é…

De uma coluna de autocrítica:

** “Diferentemente do publicado (…) o ferro de passar roupa integrado com um aplicativo não existe (…) era uma brincadeira de 1º de abril”.

 

…mesmo?

De um grande jornal impresso, de circulação nacional:

** “Istambul – (…) as manifestações na capital da Turquia (…)”

Istambul, com o nome de Constantinopla e Bizâncio, foi capital do Império Romano a partir do século 4; depois, capital do Império Romano do Oriente; depois, do Império Otomano; finalmente, da Turquia. Mas desde 1923 a capital da Turquia é Ancara.

 

Não notícia

A moda começou bem, para evitar criminalizar pessoas antes de qualquer análise mais precisa. “O criminoso” passou a “suposto criminoso”. Depois passou a ser um truque para evitar processos. E acabou sendo usada para frases estranhas:

** “Suposto esquartejado tinha problema com sua amante (…)”

Afinal, o cavalheiro tinha ou não sido esquartejado? Será preciso o laudo científico de um perito em Medicina Legal para dar essa resposta?

O pior é que essa notícia teve desdobramentos:

** “Filho de suposto esquartejado não crê que pai será encontrado vivo”

Tudo muito bom, tudo muito bem. Mas não é hábito de pessoas esquartejadas, supostamente ou não, esconder-se após o problema de que foram vítimas. Também não costumam ficar vivas, para que as encontrem mais tarde. Em outras palavras, que é que houve?

 

Frases

>> De Luciana Gimenez, modelo e apresentadora, mãe de um filho de Mick Jagger: “Foi o Mick Jagger que me usou para ficar famoso no Brasil.”

>> Do jornalista e escritor Cláudio Tognolli: “Dilma é tão exigente com metas que fez a Petrobras chegar ao fundo do poço.”

>> Do jornalista Palmério Dória: “O povo precisa de novidades e Eduardo Campos vem aí com Severino Cavalcanti, Inocêncio de Oliveira, Jorge Bornhausen e Heráclito Fortes.”

>> Do jornalista Ricardo Setti, sobre licença de André Vargas para cuidar de interesses particulares: “Fazer lobby para doleiro que depois lhe empresta jatinho já não era cuidar de ‘interesses particulares’?”

>> Do apresentador e jornalista multimídia Marcelo Tas: “Vamos corrigir. Lula não deu ‘entrevista’ na internet. Diante dos blogueiros frouxos ele fez foi stand-up comedy.”

 

E eu com isso?

** “Fernanda Lima se diverte na praia com os filhos”

** “Beyoncé: férias em família na República Dominicana”

** “Thaís Fersoza curte show de Michel Teló em São Paulo”

** “Carla Delevingne passeia com Taylor Swift em NY”

** “Sasha e mais famosos vão ao Fashion Rio”

** “Cassandra Peterson, a Elvira, pode vir ao Brasil”

** “Tainá Muller e Giovanna Antonelli vão desfilar juntas”

** “Clark Kent, de ‘Smallville’, aparece com cabelos grisalhos”

** “Valeska revela que tem mais de cem pares de sapatos”

** “Katty Perry usa look ousado para provocar os fãs”

** “César Filho faz viagem para os EUA com sua família”

** “Miranda Kerr passeia com o filho de Nova York”

 

O grande título

Como disse Chico Buarque, morrer na contramão atrapalha o trânsito:

** “Caminhão com presos tomba na Marginal Tietê e causa lentidão”

O texto dá forte apoio ao título:

** “Segundo o Corpo de Bombeiros, dois detentos ficaram feridos. Acidente complicou o trânsito em todas as pistas sentido Castello Branco”.

Pelo menos as coisas estão claras: o importante não é haver feridos, mas terem a ousadia de provocar um congestionamento.

O melhor título, porém, não é este. Vem da área política e se refere ao deputado André Vargas. Combina duas informações verdadeiras, mas que nada têm uma com a outra:

** “Vendedor de pamonha, irmão de Vargas explica suspeitas”

Pois é.

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmanna&Associados Comunicação

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem