Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

CIRCO DA NOTíCIA > O CONSUMIDOR E SEU MARTÍRIO

O dinheiro é seu, mas é deles

Por Carlos Brickmann em 01/07/2014 na edição 805

Ninguém precisa explicar, a gente sabe. Os bancos e seguradoras são excelentes anunciantes, logo não há muito incentivo para que os meios de comunicação mostrem como é que funcionam no mundo real. Acontece que os anúncios nos meios de comunicação existem, na maioria esmagadora dos casos, para atingir aos consumidores de informação e convencê-los de sua excelência e solidez. Se o leitor, ouvinte, telespectador ou internauta não for buscar informações nos meios de comunicação, por que é que os anunciantes irão botar lá seu dinheiro?

Equilíbrio, pois. Não é questão ideológica, como a tratada por Proudhon em A propriedade é um roubo; é questão pura e simples de prestação de maus serviços, sempre em prejuízo do cliente – que, por sinal, é também o consumidor de informações, e que vem sendo privado delas em benefício dos anunciantes.

Compre um celular, desses bem caros, e coloque-o no seguro. O pagamento da conta é imediato. Se o aparelho for roubado – bem, depois que o caro colega apresentar toda uma série de documentos, a seguradora se reserva o prazo de dez dias úteis para analisá-los. E, concluída a análise, o pagamento é prometido para daí a 15 dias úteis. Ou seja, durante mais de um mês o segurado é privado de sua propriedade, embora tenha pago caro por ela, embora tenha feito o seu seguro (e, no caminho, sempre surgem outros obstáculos, dúvidas, quedas “do sistema”, que fazem com que o prazo do pagamento seja ainda maior). Reclamar à supervisão da seguradora? Perfeito – mas a análise feita por eles demora mais que o tartarugal procedimento para pagar o que devem. Susep, Superintendência dos Seguros Privados? Sim, claro: deve-se procurar diretamente o Saci-Pererê.

Um leitor desta coluna tem conta num grande banco estatal, aberta já há algum tempo. Mudou-se para uma cidade a 3.200 km de distância da anterior. E perdeu o cartão da conta. Que fazer? Simples: tem o direito de sacar R$ 100,00 por dia com cheque avulso, com limite de seis saques por semestre. O novo cartão, já solicitado, leva os famosos 15 dias úteis – se não houver problemas. Abrir uma nova conta no novo domicílio e pedir transferência da conta? Quando tudo estiver pronto, a transferência do seu dinheiro demora de 10 a 15 dias úteis.

Por quê? Na era da Internet, da computação, da nuvem, que é que explica a velocidade de diligência dos serviços que lidam com seu dinheiro? Simples: a gerente da agência onde o nosso leitor quer abrir a conta (agência do mesmo banco) diz que não tem como saber se ele é ele mesmo, embora apresente seus documentos. Afinal, o documento pode ser falsificado, sabe como é. E, na era da digitalização, da comunicação imediata online, diz a gerente que não há comunicação entre as agências. Por que ele não viaja 3.200 km para tratar desse assunto na agência anterior?

Dizem que os bancos estatais são mais lentos; mas, na verdade, são tão lentos quanto os privados. Tente resgatar um investimento. O dinheiro cairá na sua conta uns cinco dias (úteis) mais tarde. Dia útil? Computador tem folga? Pois é.

Na verdade, é óbvio: estão usando seu dinheiro para ganhar mais algumas quireras, à sua custa. O dinheiro não fica parado: é aplicado. Mas na conta deles, jamais na sua.

Para os meios de comunicação, é complicado brigar com anunciante. Mas será uma boa opção deixar de fazer a matéria e abandonar seus clientes mais fiéis, aqueles que buscam o veículo para obter informação e opinião?

 

São as normas

Outro leitor desta coluna, que tem problemas crônicos e irreversíveis de saúde, recebeu uma mensagem absolutamente surreal: de acordo com ofício da Secretaria da Fazenda de seu Estado, ele se livrou do imposto de renda e teve isenção parcial de contribuição previdenciária, “com vigência definitiva, tendo em vista tratar-se de doença de caráter permanente”.

Certo? Mais ou menos. Segue-se a seguinte e notável frase: “Em caso de continuidade da patologia que originou a referida isenção, é necessário o requerimento de nova perícia com antecedência de 60 dias do término de vigência do laudo atual”.

Se a doença é, como diz o ofício, “de caráter permanente”, que história é essa de “em caso de continuidade da patologia” etc., etc.? E quando é que termina a vigência do tal laudo, se em nenhum trecho se faz referência a qualquer prazo que não seja permanente?

Complicado? Pois é. Mas deve haver muita gente que vive de criar essas complicações e administrá-las. Houve época em que jornais e emissoras de rádio cobriam bem essas loucuras burocráticas – numa época em que não havia internet nem patrocínios maciços de governos aos meios de comunicação. Seria muita maldade imaginar que as compras oficiais, os patrocínios, as gordas verbas publicitárias estatais têm algo a ver com esse esquecimento dos procedimentos que servem apenas para aborrecer os contribuintes (que são, a propósito, os principais clientes dos veículos de comunicação)?

O pior é que nós pagamos – pagamos serviços malfeitos, atendimento pífio. E pagamos também as montanhas de publicidade sobre as virtudes oficiais, montanhas essas que, em nossa cabeça malvada, imaginamos que tenham a propriedade de tapar a visão jornalística dos problemas impostos aos contribuintes.

 

Colabore!

Este colunista está reunindo material a respeito do pouco conhecido universo dos planos de saúde, convênios etc. Há de tudo: anúncios da Agência Nacional da Saúde Suplementar dizendo que é proibido rejeitar clientes por causa da idade (e depoimentos de clientes que foram rejeitados por causa da idade), a farra dos descredenciamentos (que uma nova lei, aprovada há poucos dias, tenta resolver), a luta de seguradoras para não pagar aquilo que deveria ser pago, o estranho fato de empresas do setor passarem incólumes pelos meios de comunicação embora estejam entre as mais citadas nos organismos de defesa do consumidor.

Por que é tão difícil, hoje, fazer um seguro-saúde individual? Por que empresas evidentemente lucrativas, cujos proprietários oferecem grandes recepções a autoridades, ficam tão mal nas listas de atendimento precário e de baixa qualidade? Mandem seus casos para esta coluna (brickmann@brickmann.com.br) – casos de mau atendimento, casos de erros, casos de acertos. E análises (para evitar que só este colunista dê palpite sobre uma área tão complexa) que demonstrem por que os meios de comunicação praticamente ignoram uma área tão importante para seus clientes. Ou comprovem que, apesar da opinião deste colunista, o setor tem ampla e minuciosa cobertura jornalística.

 

Dentes fortes

A imprensa brasileira, em geral, cobriu com precisão, sem exageros, a mordida do excelente centroavante uruguaio Luís Suárez no adversário italiano Giorgio Chiellini, no jogo que classificou seu time. As coisas foram bem colocadas: foi um ato inusitado, que merece punição, mas nada que tivesse mudado o resultado do jogo, ou causado lesão grave ao atingido. Não foi como a mordida de Mike Tyson, que arrancou parte da orelha de Evander Holyfield: apenas ficaram as marcas dos dentes de Suárez no ombro de Chiellini. Os meios de comunicação brasileiros, acertadamente, exploraram o lado engraçado do caso, sem dramatizar a mordida. E publicaram excelentes piadas e charges.

Sim, morder o adversário não é uma atitude esportiva. Mas também não era caso para uma punição como a que Suárez recebeu – maior, por exemplo, que a do jogador croata que cantou um hino nazista no estádio. E muito maior que a aplicada a Zidane, da seleção francesa, pela cabeçada que deu no italiano Materazzi, no final da Copa de 2006. Zidane foi suspenso por três partidas (Suárez por nove, mais quatro meses sem poder sequer entrar no estádio). Como se aposentou, o meio-campista francês não cumpriu nem as três partidas.

Para a seleção brasileira, a suspensão de Suárez foi excelente: tirou de um de seus possíveis adversários o melhor jogador do time. E nossos veículos, normalmente ufanistas, nem desse fator tiraram matérias contra o uruguaio.

 

Como é o nome disso?

A notícia é oficial: o grupo Air France-KLM aplicou R$ 190 milhões no aumento de capital da Gol, em nome de uma “parceria estratégica” que envolverá um investimento de US$ 100 milhões. O grupo colocou também US$ 33 milhões na VRG Linhas Aéreas (o que restou da Varig), e se comprometeu a colocar ali mais US$ 48 milhões, “relativos à cooperação comercial entre as partes”.

Este colunista certamente estará enganado, mas antigamente essa “parceria estratégica” e a “cooperação comercial entre as partes” não se chamava “associação”? Não envolvia participação acionária de um grupo em outro – ou, talvez, um contrato de empréstimo, em que os recursos aplicados deveriam ser devolvidos num determinado período, com determinados juros?

Se é isso, por que a troca de nomes? Se não é isso, de que se trata?

 

Sobel, 40 anos de textos

O rabino Henry Sobel, nascido em Portugal, educado nos Estados Unidos e radicado por opção entre nós, brasileiros, lança no dia 3/7, às 18h30, o livro Sobel – 40 anos de liderança espiritual (Livraria da Vila do Shopping Higienópolis, em São Paulo). No livro, Sobel junta os textos mais importantes que escreveu desde janeiro de 1974, sobre temas variados: a essência do Judaísmo, a importância do relacionamento das diversas religiões umas com as outras, a morte por tortura do jornalista Vladimir Herzog durante a ditadura militar, o nascimento do primeiro bebê de proveta e suas implicações religiosas.

No caso Herzog, o rabino Sobel teve papel central: a ditadura militar tentou impor a versão de que Vladimir Herzog havia se suicidado. Na religião judaica, o suicídio é transgressão grave. Os suicidas são enterrados à parte, afastados dos demais túmulos. Sobel determinou que Herzog fosse enterrado na área comum do cemitério, rejeitando assim a versão de suicídio. E, com dois grandes líderes cristãos, o cardeal católico D. Paulo Evaristo Arns e o pastor protestante James Wright, concelebrou um culto ecumênico na Catedral da Sé, que marcou importante tomada de posição popular em favor do retorno à democracia.

Durante muitos anos (até que um episódio de furto de gravatas nos Estados Unidos prejudicou fortemente sua imagem pública) Sobel foi o representante extraoficial da comunidade judaica brasileira, cuidando especialmente do relacionamento com as demais religiões e com as autoridades em geral. E, afastando-se das atividades que formam o cotidiano de um rabino, encontrou tempo para reunir, selecionar e publicar seus textos. É um livro que tem tudo para provocar interesse e levar o leitor a pensar.

 

Como…

De um homem culto, jurista renomado, que atingiu altos postos no Poder Judiciário, referindo-se ao Mensalão:

“A Ação Penal 470 é como cadáver de elefante, fácil de matar, mas difícil de enterrar.”

Alguém poderia contar a Sua Excelência que é dificílimo matar algo que já está morto, como um cadáver de elefante?

 

…é…

De um grande jornal impresso, de circulação nacional:

** “Fila para se estende por 4 horas no lançamento do livro de Serra”

Luiz Carlos Cardoso, Raul Drewnick, Ruy Onaga não deixariam a batatada passar em hipótese alguma. E ainda dizem que revisor não faz falta.

 

…mesmo?

De um grande jornal impresso, orgulhoso de sua influência:

** “A Nigéria (…) gastou R$ 2.000,00 em chips pré-pagos de celular para que os jogadores pudessem se comunicar com seus parentes e familiares (…)”

Ué, parente não é familiar?

 

A não notícia

A menos que o caro leitor tenha chegado ontem da Coréia do Norte, no mínimo ouviu falar da mordida do centroavante uruguaio Suárez no zagueiro italiano Chiellini. E, a menos que não tenha qualquer simpatia por futebol, e seja tão avesso à Copa que acione o controle remoto sempre que entrar qualquer programa esportivo, terá visto não apenas a cena da mordida como o episódio seguinte, em que Chiellini mostra a marca dos dentes do uruguaio em seu ombro.

E como é que a suposta notícia se refere ao possível evento, com todos os cuidados para que eventuais leitores não tenham muita certeza do que aconteceu?

** “Luís Suárez aprontou de novo. Ele também gosta de morder. O atacante uruguaio novamente é alvo de polêmica, pela suposta mordida que deu em Chiellini (…)”

Se “aprontou de novo”, conforme diz o início da notícia, e “gosta de morder”, e o fato foi fartamente documentado, então mordeu, uai! Que é que há de suposto no caso?

 

Frases

>> Do escritor Diogo Mainardi: “Pelo visto, o Suárez quer estrelar o filme ‘Como Era Gostoso o meu Italiano’.”

>> Do jornalista José Maria de Aquino: “É verdade que a Fifa mandou que fizessem exame de doping em sete jogadores da Costa Rica. Mas é mentira que tenha sido a pedido do Fluminense.”

>> Do jornalista Josias de Souza: “No Brasil, o novo é apenas o igual disfarçado.”

>> Do jornalista Fred Navarro: “O IBGE concorre com a Petrobras para saber qual o nome mais respeitado que caiu na boca do povo na última década.”

>> Do jornalista e escritor Cláudio Tognolli: “Exclusivo: após três dentadas, Suárez vai ser contratado pelo Boca.”

>> Do jornalista Palmério Dória: “Convém não dar de ombros para Luís Suárez.”

 

E eu com isso?

Mordidas, só de amor. Sal, sol, sul. Passeios maravilhosos, com a família, com namorados. Pais extremosos, todos; fazem questão de levar os filhos a festinhas de crianças, ao zoológico, à praia, ao bondinho do Corcovado. Fotógrafos a postos, sempre; as pessoas são flagradas fazendo coisas absolutamente normais, mas noticiadas como se excepcionais fossem. É o mundo como deveria ser.

** “Marina Ruy Barbosa e Klebber Toledo passeiam no Rio”

** “Peter Dinklage, de Game of Thrones, passeia com a filha”

** “Bruna Marquezine aparece de roupão em bastidores”

** “Demi Moore surge com cabelos brancos em set”

** “Marcos Frota se diverte na praia com o filho Davi”

** “Jennifer Lopez é flagrada nos bastidores de comercial”

** “Márcio Garcia se encanta com girafa em parque de Orlando”

** “David Beckham e Tom Cruise vão juntos a pub em Londres”

** “Lisandra Souto faz comprinhas no Rio de Janeiro”

** “Katie Holmes e Brad Pitt se encontram em hotel de Londres”

** “Camila Pitanga sorri para os fotógrafos ao embarcar no Rio”

** “Kelly Osbourne mostra bom humor ao tomar vitaminas na veia”

** “Wanessa Camargo cantou durante o parto de João Francisco”

 

O grande título

Muito instrutiva, a safra desta semana. Aprendemos, por exemplo, que animais marinhos trabalham, têm folgas – quem sabe não veem a Copa do Mundo?

** “Kim Kardashian mergulha com golfinhos em férias”

Aprendemos algo mais, também, sobre os estranhos desejos de gente famosa e seus hábitos sexuais, digamos, gráficos.

“Capa da Playboy diz que participou de festa íntima com o astro Di Caprio”

E descobrimos coisas que ninguém imaginava ver nos gramados da Copa:

** “Suárez morde e Godín dá de costas para eliminar a Itália”

E ainda dizem que a política brasileira é que é uma suruba.

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmann&Associados Comunicação

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem