Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

CIRCO DA NOTíCIA > DELAÇÃO PREMIADA

Lendas, mitos, talvez verdades

Por Carlos Brickmann em 14/10/2014 na edição 820

Como dizia a vovó, gato escaldado tem medo de água fria. Cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça. Cidadãos normais, quando o governo anuncia que o preço da gasolina não vai subir, vão ao primeiro posto para encher o tanque. Pois caldo de galinha e bom senso nunca fazem mal a ninguém.

Observando o país real, nada mais justo do que acreditar, sempre que alguém acusa uma estatal, que houve mesmo superfaturamento. Se há empreiteiras no negócio, coisa boa não é. E se alguém anda com um belo dinheiro no bolso, embora nenhuma lei o proíba – é perigoso, porque bandido é o que não falta, mas não é ilegal – pode prender o afortunado, porque alguma deve ter aprontado.

Tudo isso pode estar errado, mas é fácil de entender: já vimos este filme muitas vezes, e no fim sempre roubam a bilheteria. O que é difícil entender é a cega confiança em delação premiada. O sujeito está preso, sujeito a toda sorte de constrangimentos, sua família é constantemente ameaçada daquilo a que chamam de esculacho, informações são vazadas todos os dias, a conta-gotas, para destruir sua reputação; e ele é informado de que, se não colaborar, estará sujeito a centenas de anos de prisão. Em compensação, se colaborar, passa do inferno ao céu de um dia para outro, com direito aos gozos dos bem-aventurados.

Este colunista não entende nada de Direito; bons amigos, da área, acham que tudo está bem. Mas não consegue ver direito a diferença entre as ameaças ao preso e sua família e as torturas físicas que todos condenamos. Não há, ao que se saiba, violência física; mas a violência moral contra o preso escolhido como candidato à delação premiada é permanente.

A justificativa da delação premiada não é, porém, o tema deste colunista – entre outras dezenas de motivos, por não entender nada de Direito. O que parece assustador é a confiança dos meios de comunicação nas informações obtidas por esse meio. Digamos que o prisioneiro seja informado de que, quanto melhor se comportar, quanto mais gente de determinadas listas apontar, mais benefícios terá com a delação premiada. Digamos que, para amarrar direitinho uma boa história de acusação, seja necessário incluir na trama alguém absolutamente insuspeito – alguém, por exemplo, como a Madre Tereza de Calcutá.

Voltemos ao delator (eta, palavra mais carregada de significados negativos!). Não podemos esperar dele que tenha a moral ilibada; ou não teria participado das manobras que agora denuncia. Também não podemos esperar que esteja absolutamente tranquilo, imune a eventuais pressões e ameaças à senhora sua mãe, à senhora sua esposa, a seus filhos e outros parentes. Não é lógico que resista: se quiserem que delate São Francisco de Assis, ele o fará. Ou não, como diria Caetano Veloso. E como é que os meios de comunicação irão distinguir a falsa delação da delação verdadeira? Investigando, ouvindo gente, tentando entender a papelada. Mas o que se vê, hoje em dia, é que não há jornalistas investigando o caso do “petrolão”: há repórteres, ótimos repórteres, usando seus bons contatos para obter, das autoridades, os vazamentos mais saborosos.

Laudos? OK, os laudos são importantes. Mas já houve laudos que apontaram problemas em próstatas de mulheres, lembra? Um repórter, grande amigo deste colunista, descobriu que seu índice de PSA, importante indicador de câncer na próstata, estava altíssimo. Seu irmão, médico, desconfiou, e mandou refazer o exame. O PSA estava normal. Foram ao laboratório do primeiro exame, um grande e bem reputado laboratório, e descobriram que lhe tinham entregue um laudo errado. E o tempo de terror que passou entre a descoberta do índice do primeiro laboratório e o índice normal do segundo laboratório? Não há maneira de compensar esse tipo de falha.

Este colunista viu laudos diversos no caso PC Farias, contraditórios, mas todos atestados por profissionais reconhecidos.

Voltemos ao tema original.

1. Um cidadão submetido às pressões habituais para que se transforme num delator premiado é digno de confiança? Quem garante que o que diz é verdade?

2. Considerando-se que o prisioneiro está nas mãos dos acusadores, quem garante que se comportarão como bons meninos, incapazes de tentar influir nas narrativas do delator?

Só há uma maneira de a imprensa lidar com esse tipo de caso: da mesma maneira que o irmão médico do repórter com PSA alto. Buscar confirmação em outra fonte, estudar profundamente o caso, envolver-se na pesquisa, duvidar dos presentes informativos que recebe. E lembrar-se de que a função do jornalista não é confiar em ninguém, muito menos em autoridades. A função do jornalista é desconfiar sempre – e mais desconfiar quanto mais poderosa for a fonte.

 

A busca da verdade

A investigação do “petrolão” deve ser feita com todo o rigor possível, pelas autoridades; e noticiada com toda a precisão possível pelas reportagens. Mas a reportagem não pode estar a reboque de vazamentos seletivos. Apurar tudo significa apurar tudo, não apenas aquilo que as autoridades derem de presente.

 

Oh, céus! Oh, vida!

Lição de vida: eleição não é tudo (tudo é falta de eleição). Ideologia não é tudo (tudo é guerra por ideologia). Pessoas inteligentes ficam burras quando deixam sentimentos competitivos adequados a esportes aflorar em situações em que deveriam refletir. Perder eleições, ou ganhá-las, faz parte do jogo. Lamenta-se, comemora-se, mas nem ganhar nem perder valem as brigas a que este colunista está assistindo.

Dez mil anos atrás, quando a comunicação era muito deficiente, os ótimos repórteres Ennio Pesce e Ferreira Netto, ambos excelentes imitadores, ambos muito bem humorados, gravaram na fita de seu Geloso um esplêndido diálogo entre Jânio Quadros e Adhemar de Barros, os dois maiores inimigos da política paulista. Os dois batiam um papo amigável e combinavam como seria o próximo comício. Ferreira, como Adhemar, dizia que iria sugerir que o mato-grossense Jânio voltasse para sua terra, em vez de assombrar o povo paulista. Ennio, como Jânio, dizia: “Chamá-lo-ei de rato, que rói o dinheiro do povo”. Nas viagens, levavam o gravador e o ligavam em restaurantes e bares. Os eleitores de Jânio e Adhemar ficavam indignados: brigavam por eles e acabavam de descobrir que ambos, longe do público, não apenas eram amigos como combinavam os insultos. E alguns, contava Ennio Pesce, até se convenciam de que, embora continuassem votando em seu favorito, não precisavam ter ódio dos adversários.

Será que é preciso fazer algo semelhante para que pessoas normalmente centradas, habitualmente educadas, tolerantes, deixem de comportar-se como feras feridas sempre que se fala qualquer coisa de seus preferidos? Ou usem critérios ideológicos para tudo – por exemplo, para negar que o poeta Ferreira Gullar mereça estar na Academia Brasileira de Letras, por atrever-se a criticar a reeleição de Dilma? Pior: há jornalistas que, na defesa de suas teses xiitas, defendem a demissão de colegas, o fechamento de postos de trabalho, o boicote ao trabalho daqueles que eram seus amigos até há poucos meses. Vale a pena passear pelo Facebook, escolher alguns xiitas mais bravos, e cutucá-los de alguma maneira – mensalão, no caso dos petistas, é ótimo; a lembrança de alguns casos iniciados no governo Covas, em São Paulo, como o cartel do metrô e dos trens metropolitanos, sempre funciona. E falar do caso Celso Daniel, então? É acender o fogo, sair de perto e fazer o trabalho do dia. E assistir ao rescaldo do incêndio na hora em que o trabalho estiver concluído e der para se divertir mais um pouco.

Parece ridículo. E é.

 

Como…

De uma informação à imprensa enviada por uma grande estatal:

** “(…) não são veículos abandonados.Tratam-sede veículos (…)”

Acredite: houve época em que os redatores conjugavam os verbos direito.

 

…é…

De um jornal importante, impresso:

** “(…) à um parque de diversões (…)”

Ferreira Gullar, que acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras, costumava dizer que a crase não foi feita para humilhar ninguém. Mas num jornal como este, com suas tradições, com sua pompa – humilha sim.

 

…mesmo?

De um grande portal noticioso da Internet:

** “Time mais carisma do Brasil tem novo Ceni, Lula Molusco e André Beleza, que é ‘feio’”

Seria “carismático” e, como não coube, puseram só o que cabia? E Lula Molusco, que nome mais estranho!

 

Frases

>> Do jornalista Afanásio Jazadji: “Acaba de sair no Ibope: a diferença da Dilma para Marina é de 70 quilos!”

>> Do tuiteiro Ivam Cabral: “O Maranhão é um caso único na história: foi do feudalismo ao comunismo sem passar pelo capitalismo.”

>> Do escritor e colunista Diogo Mainardi: “Resultado do exame de ebola sai em 24 horas, mas Marina Silva pede mais 24.”

>> Do jornalista Sandro Vaia: “As pessoas perguntam: como roubaram? Os petistas perguntam: como vazaram?”

>> Do jornalista Fred Navarro: “Não adianta responder a certos questionamentos. Se a pessoa pudesse compreender, não precisava perguntar.”

>> Do tuiteiro Hugo a-go-go: “No governo Dilma a corrupção não vai pra baixo do tapete. É que roubaram o tapete também.”

 

As não notícias

Este colunista se retrata: sempre imaginou que esse negócio de contar uma história fingindo que não a contou era um truque brasileiro para fugir de processos (igual a chamar assassino confesso, apanhado em flagrante, de “suposto assassino”). Não: a moda é internacional:

** “Amanda Bynes teria atacado fã durante festa”

** “Amber Rose e Wiz Khalifa estariam se reconciliando”

** “Courteney Cox pode ter se casado em segredo”

Pois é: Amanda Bynes atacou ou não seu fã, ou sua fã? Courteney Cox casou ou não? Foi em segredo, mesmo? Amber Rose e Wiz Khalifa se reconciliaram ou continuam em tratativas?

 

E eu com isso?

E chega de chatices. Dilma e Aécio que percorram o país, Marina que pergunte, talvez em inglês, se ser ou não ser é a questão, doidos que nunca leram uma poesia na vida que critiquem os poemas de Ferreira Gullar. Fiquemos aqui na vida boa, caro colega. O mundo é mais que o Fla x Flu da política rasteira e de insultos. O mundo aqui é o do frufru, onde as estrelas andam quase peladas mas dizem como foi difícil posar nua para uma revista, com um cachê caprichado.

As notícias daqui não têm importância? E as outras, têm?

** “Jennifer Lopez janta com o ex-namorado”

** “‘Fiz com muito tesão’, diz Mendigata sobre ensaio de Playboy

** “Deborah Secco: ‘No primeiro nu que precisei fazer, fiquei chorando o tempo todo’”

** “Taylor Swift garante que novo álbum não será sobre términos de namoros”

** “Nicole Bahls abre o jogo sobre Sheik: ‘Não me surpreendeu na cama’”

** “Amigo sem-teto de Miley Cyrus é condenado a seis meses de prisão”

** “Jornalista, irmã de Patrícia Poeta cobre tragédias e faz crepes na Band”

** “Bruna Marquezine anda de skate com amigos”

** “Julio Iglesias beija cantora Vina Calmon”

** “Jessie J chama Justin Bieber de ‘incrível’ em carta”

** “Fiuk e Manu Gavassi jantaram juntos em São Paulo”

** “Mark Wahlberg é visto aos beijos com Amanda Seyfried”

** “Marina Ruy Barbosa não desgruda do celular antes de viajar no Rio”

** “Demi Lovato deixa estilo sombrio de lado e vai a evento com roupa cor de rosa”

** “Bruno Mazzeo toma cervejinha com amigos no Rio”

** “Paula Patton finalmente dá entrada nos papéis do divórcio”

** “Lazer ‘simplão’: filho de Eike toma água de coco na praia”

** “Com vestido curtíssimo, Selena Gomez chama atenção em evento”

** “Bruna Linzmeyer se refresca na praia e exibe boa forma”

** “Rômulo Neto leva Cleo Pires ao cinema”

 

O grande título

A variedade de excelentes manchetes é grande. Podemos começar com uma vagamente estranha: Celso Russomanno, do PRB, deputado federal mais votado do Brasil, fala sobre o meio de transporte que prefere.

** “Sou um ciclista apaixonado, tenho 22 bicicletas”

Quanto mais se vive, mais se aprende. Este colunista tem uma coleção com um monte de ótimas canetas-tinteiro, mas no máximo usa uma por vez.

A área do absurdo continua bem representada:

** “Aos 41, Letícia exibe corpo de dar inveja em revista”

Alguém já tinha ouvido falar de revista com inveja?

Há uma bela manchete, na capa de um grande portal noticioso, que provavelmente não coube no espaço. Foi na pancada:

** “Com mal de Parkinson há 22 anos, ator Paulo José”

E o grande título:

** “Morte alerta para riscos de complicações em cirurgias”

O mundo progride! Como é que poderíamos imaginar que a morte, sempre habituada a chegar de repente, passaria a enviar alertas!

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmann&Associados

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem