Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

CIRCO DA NOTíCIA > FIM DO ‘DIÁRIO DO COMÉRCIO’

A morte da ousadia

Por Carlos Brickmann em 04/11/2014 na edição 823

Não, não era o Jornal da Tarde. O JT tinha mais dinheiro, equipe maior, capacidade incomparável de mobilização. Mas o Diário do Comércio, muitas vezes citado nesta coluna, era hoje o que havia de mais próximo do Jornal da Tarde: bonito, avançado, moderno, sem medo de ousar. Tinha no comando um legítimo produto do JT, um jornalista que ali desenvolvera boa parte de sua trajetória: Moisés Rabinovici, mineiro talentoso, um dos profissionais mais próximos de Murilo Felisberto, alma e coração do jornal mais irreverente, bem feito e saudavelmente chocante já feito em São Paulo.

O Diário do Comércio, porta-voz da Associação Comercial de São Paulo há 90 anos, jornal tradicionalmente antiquado, feio, difícil de ler, se transformou há dez anos, com Rabinovici e sua equipe, boa parte dela oriunda do Jornal da Tarde, no jornal mais surpreendente de São Paulo. Nunca esteve ao alcance da população em geral: como acontecia desde seu nascimento, era distribuído gratuitamente entre os sócios da Associação Comercial. Nada de bancas, nada de preços de capa. Era entregue aos assinantes, sempre gratuito. Este colunista, para recebê-lo, precisou procurar amigos, que lhe fizeram o favor de conseguir uma assinatura. Até sexta-feira (31/10), o esforço valeu a pena.

Foi quando o Diário do Comércio morreu de morte matada, sem aviso, de repente, no final da semana. Os profissionais foram chegando (inclusive o diretor de Redação, Moisés Rabinovici) e sendo informados de que o jornal tinha deixado de circular. Quando os primeiros boatos surgiram, um destacado profissional da casa foi procurado por telefone, para contar em primeira mão o que estava acontecendo. Estava de férias, não sabia de nada. Surpresa total.

A direção da Associação Comercial atribuiu o fechamento à questão dos custos, considerando que manter um jornal de papel sai muito mais caro do que fazê-lo na internet. Anunciou que, de agora em diante, o jornal será exclusivamente digital, com muito mais conteúdo. Pode ser – mas é a troca de um produto comprovadamente bom por outro que, pelo que se promete, será ainda melhor, desde que tudo dê certo. Profissionais de primeira categoria ficaram desempregados, de uma hora para outra. Comerciantes e este colunista foram privados da leitura física de um jornal que dava prazer, surpreendia, trazia informações úteis. Era o Diário do Comércio, por exemplo, o veículo do Impostômetro – o medidor de pagamento de impostos exposto na fachada da Associação Comercial.

E vale a pena fazer algumas perguntas. A Folha de S.Paulo é um grande jornal, o UOL, da mesma empresa, é um grande portal noticioso, de grande sucesso. Em termos de poder político, de credibilidade, por melhor que o UOL seja, a Folha é o carro-chefe da casa. A mesma comparação vale para O Globo, O Estado de S. Paulo, outros grandes jornais com excelentes portais digitais: em todos os casos, o jornal continua sendo mais importante que o portal.

Será que, em todas as empresas, as coisas acontecem desse jeito por acaso, por coincidência? Não seria o caso de analisar se, neste momento, a troca pura e simples do produto físico pelo digital, por mais que pareça ser econômica, não estará adiante de seu tempo?

Este colunista já viu muitas tentativas de implantar o noticiário on-line. Houve uma série de fracassos, até que chegou a hora certa e o on-line pegou. Mas perdeu-se muito tempo e muito dinheiro até que isso acontecesse.

O mundo gira, a Lusitana roda, dizia o antigo anúncio. Nesse gira-e-roda, um dia talvez tenhamos um novo veículo capaz de resgatar o caráter que todo jornal deveria ter: além de indústria, além de informação, uma legítima obra de arte.

 

Quem vê o que

Quem esteve no Comitê Gestor da Internet e acompanhou o gráfico de uso da rede no domingo, 5 de outubro, viu que às 20h o uso da web despencou. Óbvio: quem estava na internet correu para ver as apurações na TV.

Seria interessante que o alto comando da Associação Comercial se certificasse de que, neste momento, a credibilidade da informação virtual é pelo menos tão sólida quanto a dos jornais de papel e a dos meios eletrônicos tradicionais de comunicação.

 

Ideologia enfurecida

Há muitos e muitos anos, um jovem economista em ascensão, Delfim Netto, dizia não entender os jornalistas: “Não têm nem a solidariedade tribal”. Um jornalista de bela tradição, Charles Magno Medeiros, declara-se impressionado com os valores de muitos colegas, que a seu ver revelam “o maior desprezo pela profissão que abraçaram, divulgando pela rede informações comprovadamente falsas, mentiras e calúnias contra candidatos que não apoiavam”.

Pior: no jornalismo, as empresas vendem publicidade, recebem dos anunciantes e pagam os profissionais. Profissional não pode receber diretamente do anunciante. Acontecia, mas era uma transgressão; todos, inclusive os praticantes, sabiam que estava errado. Agora isso acontece às claras. A boa imprensa vende anúncios e isso não a impede de fazer matérias que deixam mal anunciantes poderosos, já que têm uma multiplicidade de clientes. Jornalista que caça anúncios não tem independência, pois depende exclusivamente da empresa que compra seus serviços. Completa Charles Magno:

“O dever primordial do jornalista é monitorar, vigiar o poder. Mas há mais jornalistas empenhados em vigiar a imprensa e deixar o poder deitando e rolando”.

 

Os estrangeirismos

Uma dúvida: será que é feio, brega, jeca falar Português? Não? Então, por que tratar a tal lei da censura como Ley de Medios?

Bom, este colunista tem a maior curiosidade em saber o que o pessoal que quer censura pretende conseguir com a sua Ley de Medios. Dizem que é preciso regulamentar a propriedade cruzada dos meios de comunicação.

Já defendi essa tese, pois vi empresas, usando o poder combinado de rádio e TV, impor ao público o seu jornal. Mas também vi o Grupo Globo, com todo seu poderio, desistir de transformar Época na maior revista semanal do país, desbancando Veja. Já vi o Grupo Globo comprar um jornal campeão de bancas em São Paulo, o Diário Popular, usar todo seu poderio eletrônico para promovê-lo, e ser obrigado a vender o jornal algum tempo depois, sem conquistar o mercado de jornais de São Paulo.

Nos Estados Unidos, a propriedade cruzada dos meios de comunicação só é permitida a partir de “n” quilômetros de distância. Foi uma medida altamente eficiente, em sua época. Hoje não tem sentido: pela internet, rádio e TV ganharam alcance geográfico ilimitado. Limitar o poder de um grupo a determinado volume de audiência? Esquisito: como a Globo domina o mercado, parte do público ficaria privada de ver as novelas, o Big Brother, os jogos do Corinthians, e teria como alternativa programas religiosos de diferentes denominações, televendas, novelas mexicanas devidamente dubladas. Há outros bons grupos de comunicação, Bandeirantes, Record, SBT – mas, se os há, por que é preciso limitar legalmente seus concorrentes?

Uma parte importante que precisa ser tratada é a propriedade de concessionárias por políticos atuantes. A corrupção come solta. Não é admissível que um parlamentar (e dos famosos) use sua verba de gabinete para “divulgar o mandato”, pagando reportagens nos jornais de sua família. Isso, aliás, já é proibido – mas quem é que vai enquadrar o parlamentar e perder seu apoio no plenário?

Há as emissoras piratas, há emissoras cuja concessão é para uma pequena cidade e que se instalam abertamente na avenida Paulista, em São Paulo (pelo menos uma delas nem é captada na cidade que deveria atender).

Há muito para fazer – mas a história de Ley de Medios, que remete à guerra da presidente argentina Cristina Kirchner contra o Grupo Clarín, que comete o crime de fazer-lhe oposição, já indica que este muito que há para fazer não é o objetivo dos defensores da tese.

 

Credibilidade

Há tempos, um jornalista encontrou-se com o técnico da seleção brasileira de futebol num avião de carreira, sem seguranças, sem puxa-sacos, sem papagaios de pirata. O cavalheiro lhe deu um cartão de visitas absolutamente claro: tratava-se de um sósia do técnico Luiz Felipe Scolari, e ganhava a vida a imitá-lo. Mesmo assim, o jornalista entrevistou-o como se Felipão fosse. Não era.

Agora, um renomado portal de internet fez longa entrevista com o ministro Aloízio Mercadante e colocou-a no ar. Teve que desmentir a entrevista. E como é que fez a confusão? Alguém ligou para lá e disse que era Mercadante. Ficaram tão felizes que o entrevistaram sem se certificar de que era o próprio. Não era.

Alô, colegas! Quem diz que é muitas vezes não é. E quem diz que não é pode até ser, mas raramente é.

 

Uma certa confusão

Alberto Youssef, o doleiro da moda, aparece algumas vezes numa única notícia, num portal noticioso dos mais importantes. Na capa, a manchete:

** “Doleiro desmaia na carceragem”.

No texto:

** “(…) caso seja confirmado, esse será seu terceiro enfarte (…)”

Mais à frente:

** “Caso se confirme o enfarte, essa será a terceira vez que ele sofre de parada cardíaca desde que caiu no radar da PF (…)”

Se foi enfarte, deveria estar na manchete. Se não foi, de onde saiu a especulação? Além do mais, enfarte é enfarte, parada cardíaca é parada cardíaca.

E não foi.

 

Como…

Houve época, acredite, em que os grandes jornais cuidavam com carinho da correção de linguagem. Não era como hoje, em que as regências foram abolidas, os cacófatos até passam despercebidos, de tantos que são.

E, num dos jornais que mais cuidaram do esmero no uso do idioma, há esta frase notável:

** “Tensão em jerusaléma apóis árabe matar bebê atropelado”.

 

…é…

Do portal noticioso de forte jornal regional:

** “Prefeitura vai abrir porta-aberta na sexta”

Se alguém descobrir o sentido que se esconde nessa frase, envie-nos!

 

…mesmo?

Título da primeira página de um dos maiores portais noticiosos do país:

** “Cidade mais dilmista deu salto com PIB

Título interno:

** “Cidade mais dilmista do Brasil, Belágua enfrenta pobreza e fome”

 

Frases

>> Do jornalista Sandro Vaia: “A presidente Dilma iniciou o diálogo. Por enquanto, com ela mesma.”

>> Do jornalista Cláudio Tognolli: “Não se escreve corrupto sem PT.”

>> Do tuiteiro Hugo a-go-go: “PSOL é o volume morto do PT. Uma pequena reserva técnica para emergências.”

>> Do jornalista Fred Navarro: “Tem intelectual, cientista e artista que ainda acredita na sinceridade de Dilma. Por isso o Brasil não tem um único prêmio Nobel.”

 

E eu com isso?

Eleições? Que é isso? PT é o que se escreve no fim de um bilhete desaforado: “PT, Saudações”. Sarney é aquele que fez a lei que dava dinheiro para artistas, e que, dizem, hoje mudou de nome para Rouanet. E o mundo continua lindo. Como dizia Caetano, gente é pra brilhar, não pra morrer de fome.

** “Lucas Lima, marido de Sandy, chega em carro separado para o casamento de Júnior Lima com a modelo Mônica Benini”

** “Matilda Ledger é fotografada com a mãe”

** “Ryan Gosling e Eva Mendes anunciam nome da filha”

** “Zezé di Camargo visita a filha no Rio”

** “McConaughey e Camila Alves trocam olhares apaixonados”

** “Sheila Melo publica foto da filha de pijama”

** “Britney Spears e sua irmã Jamie Lynn estão superpróximas agora”

** “Sasha posa sorridente com maquiador de Xuxa”

** “Jennifer Lawrence passeia sorridente após separação de Chris Martin”

** “Bianca Rinaldi curte dia na praia com as filhas gêmeas”

** “Julia Roberts dá beijinho nos filhos ao deixá-los na porta da escola”

** “Carla Perez e os sobrinhos brincam com os pombos em praça da Itália”

** “Grazzi Massafera se diverte com Sofia na orla carioca”

** “Miranda Kerr circula com bilionário americano”

** “Luana Piovani caminha tranquilamente na orla do Leblon”

** “Aos 57, Cissa Guimarães usa biquíni de lacinho em banho de mar”

 

O grande título

Crianças crescem! Esta é a novidade da manchete de uma página noticiosa de importante revista de celebridades:

** “Menina de Hoje É Dia de Maria cresceu e posa nua para ensaio”

Os hábitos mudam:

** “Natália Guimarães dá dicas de como introduzir alimentos para as crianças”

Em outras épocas, antes do atual estágio de desenvolvimento nutricional, os alimentos eram normalmente introduzidos pela boca.

Um hábito jornalístico, hoje abandonado, era conferir os títulos antes de publicá-los:

** “Moradores de Itu retiram deixam caixa dágua vazando”

E os títulos, pode crer, costumavam ter sentido:

** “Exposição toma no prédio da Bienal une cinco artistas internacionais”

Alguém, com certeza, deve entender.

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmann&Associados

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem