Terça-feira, 25 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1042
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

Lavou, enxugou, tá velho

Por Carlos Brickmann em 16/12/2014 na edição 829

O tempo passa, o tempo voa, garantia um anúncio antigo e famoso. Acredite: houve época em que o noticiário policial ocupava apenas uma parte do jornal, e raramente a parte mais nobre. Na TV e no rádio havia programas policiais, mas em horários próprios, específicos, nunca associados aos noticiários de interesse geral.

Hoje, o jornal da TV se divide em noticiário policial de colarinho branco e cobertura de crimes em geral, com uma ou outra reportagem especial, mas raramente sobre atualidades. O jornal de papel apresenta colarinho branco, crimes nas ruas, suspeitas (apresentadas como certezas) de crimes no noticiário esportivo. Os comentários da internet, com sua insopitável tendência a Fla x Flu, discutem, no fundo, que outros partidos são mais ladrões do que o partido deles.

OK, é preciso noticiar escândalos, crimes, compra e venda de políticos etc. Mas não acontece mais nada neste país que mereça ser noticiado? É preciso explicar, a cada edição, como os promotores e juízes são educados, justos, jovens, bonitos, bem formados, com pós-graduações no exterior, patriotas, cultos, cosmopolitas, internacionalmente reconhecidos, plenamente dedicados à nobre tarefa de varrer a corrupção do Brasil, primeiro, e do mundo, depois?

Será impossível, também, buscar dentro do noticiário dos crimes algo diferente – não apenas aquele material fornecido pelas autoridades? Será tão difícil trabalhar o material de maneira a montar um texto mais compacto, articulando as informações, de maneira a não ocupar o leitor com dezenas de detalhes que devem ser interessantíssimos para os estudiosos do tema, mas que são dispensáveis para os não especialistas?

Há, entre os consumidores de notícias, aqueles que não gostam de noticiário policial, que criticavam determinados jornais afirmando que eram do tipo que, quando espremidos, vertiam sangue. OK, crime de colarinho branco é outra coisa. Mas será essencial que todos os veículos noticiosos dediquem a maior parte de seu espaço e tempo ao crime, por mais que o crime seja espetacular, como esses do Petrolão, ou os do cartel do Metrô e dos trens metropolitanos de São Paulo, por mais que o crime invada nossas cidades, como os latrocínios e homicídios cometidos nas ruas, os sequestros, as chacinas, os tiroteios? Será impossível balancear um pouco o noticiário e buscar pautas diferentes?

 

Bis repetita

Por falar em reportagens sobre os incontáveis méritos das autoridades, suas qualidades excelsas, seus impecáveis valores éticos, será preciso esquecer, a cada vez que essa matéria é publicada, que não faz muito tempo houve outras matérias iguaizinhas sobre outros corajosos lutadores do bem? Um deles, a propósito, era o depois senador Demóstenes Torres, do DEM de Goiás, que se descobriu amigo de fé e irmão camarada de Carlinhos Cachoeira. E não era o único: alguns implacáveis simplesmente sumiram do noticiário, sabe-se lá por que motivo.

Algo contra os juízes e promotores que comandam as atuais operações? Não: eles estão no seu papel, cumprindo seu dever da melhor maneira possível. Mas tudo contra o endeusamento de quem quer que seja pelos meios de comunicação.

A imprensa, por definição, tem de manter-se afastada do culto à personalidade. Não tem de confiar, tem que desconfiar. Autoridade, seja qual for seu cargo, seja qual for seu partido, é inimiga natural do jornalista. Uma das maiores funções do jornalista é duvidar. Autoridade odeia quem dela duvide. O repórter tem de ficar perto da autoridade o suficiente para colher informações, e longe o suficiente para evitar manipulações.

Parafraseando o historiador Hélio Silva sobre o político Carlos Lacerda, o repórter não tem amigos, tem fontes. E só acredita nelas depois de conferir cuidadosamente as informações que recebeu.

Sim, este país se acostumou tanto à impunidade que qualquer autoridade que se proponha a combatê-la acaba virando ídolo popular. Tudo bem, desde que os repórteres não caiam na armadilha do culto à personalidade. Ou ficaremos, a cada oscilação do pêndulo, publicando a mesma matéria, com outras personalidades e fotos, e esquecendo aquela que já foi feita e que, certamente por bons motivos, só não vai pra a cesta seção porque o Google não deixa. Mas, se os autores puderem, fica arquivada com nome errado.

 

Novas ideias

Pois é, a gente fica reclamando que não aparecem pautas novas. E, quando aparecem, temos de reclamar do mesmo jeito. Silvia Zaclis, ótima jornalista, do tipo que presta uma atenção danada no noticiário, lembra uma onda recente de reportagens sobre “a tendência” de mudança de brasileiros para Miami, como reação à vitória de Dilma Rousseff nas eleições presidenciais. “Este é um exemplo de preguiça jornalística”, diz Sílvia. “O repórter vê duas mulheres andando de saia vermelha numa região elegante de São Paulo e a matéria já tem até título pronto: ‘Saia vermelha é a nova tendência nos Jardins’.”

E, claro, há certos aspectos práticos que não podem ser esquecidos. No caso da “tendência de famílias brasileiras de classe média” de deixar o país, por não suportar a vitória de Dilma nas eleições presidenciais, há coisas óbvias que precisam ser observadas. Mal a presidente se reelege, a família já está com tudo empacotado, com todas as providências tomadas para morar em Miami?

 

Quem manda é o banco

José Roberto Ribeiro Braga, leitor desta coluna, traz uma história que representa bem a vida diária do cidadão, imprensado entre governo e grandes empresas e nem sempre podendo contar com o apoio da imprensa.

O banco no qual Braga tem conta debitou-lhe em dobro a prestação de um crédito consignado. Braga pediu a devolução do valor indevidamente descontado, comprovou o erro do banco – e, incrivelmente, pediram-lhe 14 dias de prazo para verificar se houvera ou não erro. Braga reclamou ao Banco Central. O Banco Central, num daqueles e-mails genéricos, informou que o prazo tolerado era… sim, caro colega: era maior. O banco teria 23 dias para verificar, com todos os seus computadores e arquivos, se o desconto tinha sido indevido, para só então devolver o dinheiro, naturalmente sem juros. Enfim, o banco devolveu o que tinha sido indevidamente cobrado após 14 dias. Pois bem: depois de tudo resolvido, o Banco Central mandou outro e-mail ao cliente, informando que o banco tinha pedido mais prazo para análise, e que esse prazo tinha sido concedido. Em resumo, o Banco Central, que deveria supervisionar e fiscalizar o sistema bancário, não tinha a menor ideia do acontecia. Não sabia sequer que o dinheiro já tinha sido devolvido.

E os meios de comunicação? Ora, será que alguma empresa do ramo tem tempo a perder com um cidadão que, além de não ser rico, ou não precisaria de crédito consignado, enfrenta bancos que botam anúncios? Pois é: este colunista, em seu tempo de repórter, já publicou matérias que atingiam anunciantes, com autorização da direção do jornal. Está certo, os tempos eram outros, os jornais eram outros. Mas não reclamem se os consumidores de informação, desatendidos, decidirem que seus hábitos também devem ser outros, e não incluirão a compra de jornais.

 

O ódio aos números

“Meu negócio são números”, dizia o ministro Sardinha, encarnado por Jô Soares no programa Viva o Gordo. Jô representava um engraçadíssimo clone do ministro Delfim Netto, economista que, por razões diversas, tinha ido parar no Ministério da Agricultura.

Ao contrário do ministro de Jô Soares, uma ampla maioria de jornalistas pode garantir que seu negócio não são números. Sempre que vir alguma conta no jornal, faça uma boa checagem: é imensa a chance de estar errada.

Como esta, por exemplo, publicada numa seção importantíssima de um dos principais jornais impressos do país. Segundo o comentário, as despesas totais com aposentadoria e pensões subiram de R$ 291 bilhões para R$ 446 bilhões – “o patamar (…) equivale a 1,1% do Produto Interno Bruto”.

Só que o PIB brasileiro gira em torno dos R$ 4,8 trilhões. E R$ 446 bilhões representam pouco menos de 10% deste valor. Este colunista poderia apresentar um número mais preciso, mas aí demonstraria a validade da tese de que jornalista não combina bem com números. E, além disso, milhão, bilhão, trilhão, que diferença que faz?

 

Dois grandes

Um belo programa: na terça, 16/12, a partir das 20h, Zuenir e Mauro Ventura, ambos jornalistas, ambos escritores, estarão no “Sempre um Papo”, palestra e debate no SESC da Vila Mariana, SP. Entrada gratuita. O tema da noite é “Influência e Desafios, de pai para filho. E vice-versa”. Mas a conversa vai-se espalhar com as comparações entre jornalismo e literatura, as mudanças no jornalismo com as novas tecnologias, a liberdade de expressão, a regulação das atividades da imprensa. Ambos também autografarão seus novos livros: Sagrada Família, de Zuenir, e O espetáculo mais triste da Terra – o incêndio do Gran Circo Norte-Americano, de Mauro.

Com um pouco de sorte, será possível encontrar outra ótima jornalista na área: Mary, mulher de Zuenir, mãe de Mauro.

 

Como é mesmo?

De uma grande revista semanal:

** “Muito exercício pode adoecer?”

Voltando à abertura desta coluna, o tempo passa, o tempo voa. Como progridem os métodos de diagnóstico! Este colunista é do tempo em que só seres vivos ficavam doentes. Exercícios, jamais.

 

…é…

De um grande jornal impresso, de circulação nacional:

** “Alemanha dá adeus a jovem ‘heroína’ de origem turca”

A moça, Tugce Albayrak, 23 anos, foi morta ao defender duas jovens assediadas por um grupo de homens. Alguém poderia explicar por que o jornal se refere a ela como “heroína”, entre aspas?

O pior é que a notícia continua. Um dos participantes do grupo “supostamente agrediu” Albayrak. Como supostamente, cara-pálida? Ela morreu!

E o texto vai em frente, impávido: não se sabe se ela morreu pelo golpe ou pelo impacto.

É interessante: o impacto foi produzido exatamente pelo golpe.

 

…mesmo?

O cacófato é um vício de linguagem que, a partir da fusão de sílabas próximas de palavras diferentes, cria termos chulos, desagradáveis, ou capazes de levar o receptor da mensagem a entendê-la erradamente. Um exemplo: “X calorias por cada fatia”, ou “boca grande”. Os meios de comunicação já foram muito rígidos na rejeição ao cacófato. Nas redações, os editores comemoravam a inexistência de um programa espacial cubano. Cuba não faria lançamentos.

Esse rigor já era. E, num importante jornal impresso, sai o seguinte título a respeito de um país centro-americano na seção econômica:

** “Boom da construção deixa imóveis vazios (…)”

 

É…

Trata-se, evidentemente, de uma evolução do antigo jogo de Forca. Está num grande jornal impresso:

** “O nadador (…) se transferiu para o Corinthians no início do”. Cabe ao leitor completar a frase, colocando a data. Por que não procurá-la no Google?

 

…assim…

Da seção esportiva de um grande jornal impresso:

** “Logo aos três minutos, [o craque], cada vez mais em baixa com os torcedor (…)”

Entenda: os torcedor não gostemo e o ténico não exprica as escalação dele.

 

…que se escreve

De um grande jornal impresso, seção de Esportes:

** “O dirigente pediu dois dias para resolver se deixa o clube mineiro (…) ou se aceita o desafio de reconstruir o (…)”

Ou seja, resolve se deixa o clube onde está para aceitar o convite que recebeu ou se vai para o clube que o convidou e deixa o clube onde está. Notável: ou vem ou vem.

 

Frases

>> Do jornalista Cláudio Tognolli: “Almoço na Petrobras: PF de robalo, truta e lula. Sobremesa: laranja.”

>> Do blogueiro Oren Perlin,comentando o fim do acordo da Unimed com o Fluminense: “ A SUDERJ informa: sai a Unimed, entra o SUS!”

>> Do jornalista Sandro Vaia: “Ironias do destino: o PT arrumou uma boquinha para o ex-governador Garotinho, que chamou o PT de ‘partido da boquinha’.”

>> Do jornalista Jarbas de Barros Domingues: “As aparências enganam. Aliás, foram criadas para isso.”

>> Do jornalista Augusto Nunes: “A proeza de Vargas: cair fora dessa Câmara por falta de decoro é como ser expulso de um hospício por excesso de loucura, e por decisão dos demais malucos.”

>> Da internauta Mara Montezuma Fassa: “Se o PT porventura separar o joio do trigo, vai preferir ficar com o joio.”

 

E eu com isso?

Enfim, um refresco nas más notícias. Aqui, no belo mundo do entretenimento, má notícia é no máximo saber que o melhor amigo tomou-lhe a namorada. E o trabalho se desenvolve em belos cenários, entre purpurinas e festas, belas roupas e jornalistas amigos que acreditam que, involuntariamente, aquela moça em busca de publicidade “mostrou mais do que queria”. Ao fundo, com Judy Garland, a música de O Mágico de Oz:

** “Após Nicole Bahls discutir com segurança em aeroporto, Tico Santa Cruz joga garrafa no lixo”

** “William e Kate Middleton assistem a jogo de basquete”

** “Luciana posta foto ao lado de ema e diz que manhã foi difícil”

** “Woody Allen leva filha a jogo em Nova York”

** “Nathalia Dill e Sérgio Guizé se divertem durante jantar no Rio”

** “Igor Rickli beija a esposa Aline Wirley durante show”

** “Paloma Bernardi diz que não tira a canga na praia”

** “Adam Levine falou com o pai da esposa antes de entregar-lhe o anel de noivado”

** “Bianca Castanho faz compras no Rio de Janeiro”

** “Blake Lively está ansiosa para o Natal”

** “Sophie Charlotte usa lenço no cabelo em passeio”

** “Jennifer Aniston estaria usando óculos para parecer mais séria e ser indicada ao Oscar”

** “Isis Valverde faz selfie de biquíni em dia de sol”

** “Robert Pattinson curte praia com a namorada em Miami”

** “Thiago Lacerda se diverte com os filhos na Barra da Tijuca”

 

O grande título

A semana é farta em bons títulos. Alguns soam meio absurdos, como este, de um grande portal, que mistura a manchete com a seção em que é publicada:

** “ELA: 15 mil brasileiros sofrem de esclerose lateral amiotrófica – Entretenimento”

Ou vagamente contraditórios, como este, da capa de um grande portal noticioso:

** “Petrobras cai quase mais de 4% na Bolsa”

Ou estranhíssimo, como este, de um grande jornal impresso:

** “Palco do possível título de Medina tem galinha na praia e trânsito de SP”

Mas nenhum é tão curioso como o grande título, que saiu num bom jornal regional:

“‘Não precisa ir longe, tem que ficar onde os pés alcançam’ diz jovem que sobreviveu após se afogar em Caxias do Sul”

E segue a história do afogado que sobreviveu:

“‘Ele estava totalmente embaixo d’água’, diz homem que ajudou a tirar corpo de jovem do rio (…)”

Um belo caso: o rapaz se afogou, seu corpo foi retirado da água e ele continua dando entrevistas.

******

Carlos Brickmann é jornalista, diretor da Brickmann&Associados

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem