Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CIRCO DA NOTíCIA > RECORD NEWS

Como manipular uma notícia

Por Luiz Antonio Magalhães em 28/09/2007 na edição 452

A reportagem que se segue está na Folha de S.Paulo de sexta-feira (28/9), acompanhada de uma foto enorme do presidente Lula e o bispo Edir Macedo apertando o botão para o início das transmissões do Record News. Trata-se, tipicamente, de uma matéria destinada a enganar o leitor, vender gato por lebre, com a intenção de prejudicar Lula.


Foram três os recursos usados para manipular a notícia.


O primeiro é a foto de Lula e Edir, que tem o objetivo de mostrar que os dois são aliados. Os dois outros recursos estão no texto. Primeiro, a Folha mente ao dizer que quando Lula e Edir apertaram o botão, ‘Serra e Kassab’ estavam na platéia. Não é verdade: o governador e o prefeito estavam no palco e participavam do evento no mesmo plano do presidente da República.


Um pouco mais abaixo, a reportagem informa que uma comitiva de ministros participou da cerimônia e ‘não se sentiu constrangida’ com a fala de Edir sobre a Globo. Ora, também estavam presentes secretários e colaboradores do governo Serra. Por que a Folha não registrou o fato ou repercutiu com os tucanos a fala do bispo?


Resposta simples: porque o objetivo do jornal não é jogar cascas de bananas para Serra, candidato da Folha à presidência em 2010, mas para a turma do presidente Lula. O repórter que cobriu o evento estava devidamente pautado e sabia a quem deveria dirigir as perguntas. É mesmo simples assim: basta ler o diário da Alameda Barão de Limeira com atenção para perceber que José Serra é o maior beneficiário da cobertura política do jornal.


A seguir, a ‘reportagem’ da Folha.


***


Bispo da Universal lança TV e ataca ‘monopólio da notícia’


Copyright Folha de S.Paulo, 28/9/2007


O proprietário da Rede Record e líder da Igreja Universal do Reino de Deus, bispo Edir Macedo, aproveitou ontem o lançamento do canal Record News, o primeiro com 24 horas de jornalismo em TV aberta do país, para se dizer ‘injustiçado’ por um grupo que detém o ‘monopólio da notícia’.


Sem fazer alusão à Rede Globo, disse que ‘fomos injustiçados por muitos anos nas mãos de um grupo de comunicação que mantinha e mantém, por enquanto, o monopólio da notícia do Brasil. Daí surgiu o nosso desejo de levar ao fim esse monopólio, de dar às pessoas o direito de se informar por outro canal de notícias, de formar opinião por si mesmos. Daí surgiu nosso desejo em democratizar a informação’.


O discurso foi feito por Macedo minutos antes de acionar, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o botão que simbolicamente ativou o canal.


Estavam na platéia o governador José Serra (PSDB) e o prefeito Gilberto Kassab (DEM).


Procurada, a Rede Globo informou que não vai comentar as declarações de Macedo.


Em suas falas, Lula e Serra exaltaram a estréia como um instrumento de pluralidade. ‘Um novo veículo de notícias amplia muito a diversidade de opiniões e a multiplicidade de enfoque’, elogiou Serra.


‘A estréia do canal Record News representa um grande momento para a história da televisão brasileira e contribui para que os cidadãos exerçam aquele que é um dos mais sagrados direitos democráticos: o acesso à informação’, disse Lula, encerrando o discurso com ‘Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós’, trecho do hino da Proclamação da República.


Comitiva


Os ministros Franklin Martins (Comunicação), Marta Suplicy (Turismo) e Orlando Silva (Esportes) participaram da solenidade.


Os integrantes da comitiva presidencial não se mostraram constrangidos com as declarações de Macedo, embora evitaram comentá-las. ‘É sempre bom quando nasce uma TV. Assim há mais pluralidade’, disse Franklin, enquanto o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), enaltecia a pluralidade.


A cantora Fafá de Belém -musa do movimento pelas Diretas- interpretou o Hino Nacional. De lá, os convidados foram para um coquetel. A Record News exigiu um investimento de US$ 7 milhões. Macedo, que foi preso em 1992 sob acusação de charlatanismo, curandeirismo e estelionato, começou a erguer o império de comunicação da Universal no final dos anos 80, quando comprou as três emissoras de TV da Record de São Paulo. Até 94, a Record tinha seis geradoras próprias de TV. Em 95, foram mais oito.


Ainda nos anos 90, a Universal investiu em duas novas redes de TV -Rede Mulher e Rede Família. Neste ano, foram compradas a TV e rádios Guaíba. [Colaborou a Folha Online]

******

Blog do autor: Entrelinhas

Todos os comentários

  1. Comentou em 30/09/2007 adhemar gandra

    PERCEBE QUE A LIBERDADE TEM SEUS LIMITES,BASTA NÃO ATENDER OS INTERESSES DOS QUE A DEFENDE,SÃO CONTRA A RECORD,MAS SÃO A FAVOR RCTV.E USAM A MESMA BACHARIA CONTRA EDIR MACEDO ,QUE USAM C/ CHAVES,ENQUANTO CHAVES FECHA UM CANAL,EDIR MACEDO FAZ O CONTRARIO ABRE UM CANAL SEM CUSTO A SOCIEDADE,ESPERO QUE ESSE CANAL COLOQUE A LIVERDADE EM DEBATE

  2. Comentou em 28/09/2007 Ivanilson Alves

    ‘Folha’ de que? de São Paulo? Tá mais para ‘folha de tucano’. há tempos que o povo brasileiro não dar mais atenção o que esse Mecenários da informação publicam.
    Eles ainda não entenderam, o Lula já cumpriu sua missão, já pode ir embora do Planalto, que o povo brasileiro já viu quem é quem nesse país.
    Parabéns LULA!!!!

  3. Comentou em 28/09/2007 Ivanilson Alves

    ‘Folha’ de que? de São Paulo? Tá mais para ‘folha de tucano’. há tempos que o povo brasileiro não dar mais atenção o que esse Mecenários da informação publicam.
    Eles ainda não entenderam, o Lula já cumpriu sua missão, já pode ir embora do Planalto, que o povo brasileiro já viu quem é quem nesse país.
    Parabéns LULA!!!!

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem