Terça-feira, 21 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1037
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

Euforia com Fenômeno e Madoff

Por Alberto Dines em 13/03/2009 na edição 528

A mídia está encantada com os dois desempenhos de Ronaldo, o camisa 9 do Corinthians. Mais uma façanha, mesmo irrisória, e este senhor estará sendo rebatizado como Fenômeno.


A missão do torcedor é torcer, delirar. Ao jornalista cabe não distorcer, usar a razão e o discernimento. Há um ano, Ronaldo estava sendo tratado como a Geni da canção de Chico Buarque. Nesta reviravolta há, certamente, um toque de solidariedade. A recuperação de um ser humano é sempre auspiciosa, sobretudo quando se trata de um ídolo. E, sobretudo, quando este ídolo é corintiano.


Essas súbitas mudanças de humor dos jornalistas esportivos – felizmente não todos – mostram como é diferente o universo futebolístico. O jornalista político geralmente dá preferência aos fatos negativos, pois acredita que através deles pode levar o eleitor – espécie de torcedor – a optar por mudanças. Já o jornalista esportivo, geralmente, prefere o clima da euforia.


Corrupção no mundo da cartolagem, mediocridade na seleção nacional e campeonatos inexpressivos são fatos que não animam os editores das páginas de esporte. A preferência é pela euforia.


Já o mundo da política vive da realidade e das suas mazelas. Como no mundo dos negócios: a prisão em Nova York do trapaceiro Bernard Madoff e a possibilidade de ser sentenciado a 150 anos de prisão fizeram a alegria de uma legião de investidores. Inclusive no Brasil.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem