Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CIRCO DA NOTíCIA > QUINTA-FEIRA, 5/6

Filho de Tim Lopes escreve a jornalistas torturados

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 05/06/2008 na edição 488

Leia abaixo a seleção de quinta-feira para a seção Entre Aspas.


************


O Globo Online


Quinta-feira, 5 de junho de 2008


VIOLÊNCIA
O Globo Online


Filho de Tim Lopes escreve carta a jornalistas torturados do jornal ‘O Dia’


‘RIO – Aos 25 anos, Bruno Quintella vive com a dor da perda do pai, Tim Lopes, ocorrida há seis anos. Ele se formou em jornalismo, seguindo os passos do pai. E contou que ficou chocado com a tortura sofrida pela equipe do jornal ‘O Dia’ na Favela do Batan , na Zona Oeste. (Leia aqui sobre a prisão de um policial civil envolvido no caso e a identificação de outro polcial como chefe da milícia) Aos três torturados, aos jornalistas do Rio e à sociedade, o jovem escreve uma carta. Confira a íntegra abaixo:


‘Meus queridos colegas,


‘Ainda estou sob estado de choque pelo o que aconteceu. Não bastasse a infeliz coincidência, pela proximidade do aniversário de morte de meu pai, fui surpreendido pela má notícia quando chegava para trabalhar no plantão da madrugada, há quatro dias. A edição de domingo do jornal ‘O Dia’, lida ainda no sábado, anunciava em letras garrafais brancas e com fundo negro a covardia a qual vocês foram submetidos na Favela do Batan, em Realengo. Mais um atentado contra a imprensa e principalmente, contra o estado democrático de direito. Uma afronta não só ao jornalismo, mas ao ser humano e à dignidade. Um atentado contra nós. Uma tentativa de nos intimidar, jornalistas e cidadãos, mas, ao que parece, essa prática não é mais exclusiva dos traficantes de drogas. Não se trata mais de poder paralelo, nem poderes. Como na matemática, ironicamente sem lógica, no entanto, são projeções paralelas de um poder falido e moribundo. A milícia funciona, no sentido antropológico da questão, como anti-tráfico de drogas. É uma atividade que cresceu muito em pouco tempo, tangenciando os limites físicos e latifundiários da indústria do narcotráfico carioca, supostamente para sufocá-lo. Ora, como pode existir a milícia sem o tráfico? Como podem existir essas duas modalidades de crime, sem a ausência do Estado?


‘O curioso é que, passados vinte dias desde a violência sofrida pela equipe, muitos questionam a conduta do jornal e dos profissionais envolvidos, do risco, do perigo. Dai a César o que é de César – e a Deus o que é de Deus. Não podemos esquecer – e não vamos – meus colegas, da barbárie, da covardia, da violência física, dos choques, da humilhação e do trauma. Nisso, não há o que discutir. Não há o que opinar, não há conduta certa: sofrer na pele, só quem sofreu. A morte de Tim Lopes foi um divisor de águas nas questões de coberturas jornalísticas de violência e segurança pública. Fazer reportagens sobre esses temas, principalmente quando se trata de uma intimidação ao trabalho da imprensa, com tortura e, até a morte, é nosso papel, nosso ofício, dentro ou fora da redação. Porém, está na hora da mobilização. Como lembrou bem o colega Jorge Antônio Barros, nós jornalistas, também precisamos sair do casulo ‘para ver melhor a dor que não sai no jornal’. Precisamos convocar para essa luta todos os cidadãos que já foram vítimas de violência, seja ela de qualquer tipo.


‘Não sei onde vocês estão, mas sei que estão bem, em local seguro, e me solidarizo ao que vocês passaram, porque imagino como estejam suas famílias, já estive daquele lado, na turma dos terços, das mãos dadas, do rosto molhado, das noites sem dormir. Naquela edição de domingo, dia 1º, todos nós fomos ao Batan. Todos nós apanhamos, fomos eletrocutados, desmaiamos e fomos largados à beira da Avenida Brasil. Existe exame psicológico de corpo de delito? Cicatrizam-se as chagas de um trauma? Não, vocês não são heróis. Não, não acabou o sofrimento. Vocês são corajosos, arriscaram a vida para mostrar à sociedade o drama de quem vive sob poder da milícia. Só não esqueça que tem muita gente aqui do seu lado, mesmo vocês estando longe. Sou jornalista, filho de jornalista, sobrinho de jornalista, afilhado de jornalista e escrevo a vocês como homem, como amigo e, claro, como profissional. No entanto, para nós, não é possível desvencilhar essa trinca, é?


‘Meu pai morreu para contar a história. Vocês também foram vítimas da violência, a do outro lado, a dos maus policiais. Ainda me pergunto se a maior afronta foi o espancamento, o cala-boca, a intimidação, a covardia, ou se foi deixá-los vivos, mesmo depois de se identificarem como policiais. A impressão que fica é quem morre vive menos, mas, quem vive morre mais. Conviver com o trauma, a pena para quem viveu o pesadelo; a certeza da impunidade, a motivação para a continuidade da atividade da milícia.


‘Elias Maluco, 01, Largo do Chuveirão, Favela da Grota, tribunal do tráfico, tribunal da milícia, poder paralelo, afronta, tortura, barbárie, intimidação, estado democrático de direito, resposta, cobrança, mobilização, paz, solidariedade, conduta, profissão, risco, morte e vida. São palavras do dicionário da violência do Rio. E nós, jornalistas e cidadãos, somos analfabetos que sabem escrever.’’


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem