Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

CIRCO DA NOTíCIA > MISTURA INDIGESTA

Imprensa é imprensa, polícia é polícia

Por Carlos Brickmann em 12/08/2008 na edição 498

Um famoso marginal carioca, Lúcio Flávio Villar Lírio, que virou até herói de filme, costumava protestar duramente contra a corrupção policial. Queixava-se: ‘Polícia é polícia, bandido é bandido’. Pouco depois, na pior fase da ditadura militar, uma das reivindicações da imprensa era proteger-se contra o exercício da profissão por policiais que se faziam passar por jornalistas. A luta para que polícia e jornalismo não se misturassem teve grandes vitórias. Agora, infelizmente, vemos muitos jornalistas loucos para desempenhar funções policiais.

Há coisas visíveis, como fantasiar-se de policial para obter imagens exclusivas. E coisas menos visíveis, como os jornalistas que levam e trazem informações da polícia, sem sequer se dar ao trabalho de checá-las; como os repórteres que, em vez de publicar as notícias que obtiveram, preferem entregá-las às autoridades.

Há jornalistas que, nos anos de chumbo, valorizavam o direito de defesa, colocavam-se a favor do respeito aos direitos humanos, mantinham-se sempre perto de um advogado (até porque, em certos momentos, só a ação firme deste advogado poderia mantê-lo vivo, incólume e em lugar conhecido). Hoje criticam ‘os advogados pagos a peso de ouro’ – os mesmos que, no passado, os defenderam de graça – e criticam os direitos individuais. A seu ver, uma polícia que não seja atrabiliária, uma investigação que não ofenda os direitos humanos e a possibilidade de acesso dos advogados à acusação, para que possam preparar a defesa, atrasam a punição dos culpados. Defendem a execração pública dos investigados, sem qualquer julgamento. Repetem, quase com as mesmas palavras, o refrão da direita fascista: direitos humanos são coisa de bandido. E bandido, naturalmente, é quem eles consideram bandido, e que o juiz só terá o direito de condenar. Ai do juiz que tiver idéias próprias e absolver algum cavalheiro que a imprensa considera culpado! Será patrulhado e atingido por toda sorte de insinuações.

Parafraseando Júlio Mesquita, em sua histórica polêmica com Eduardo Prado, isso não é imprensa, ou melhor, imprensa não é isso.



A culpa da vítima

Frase de um festejado comentarista de televisão, a respeito do filme Batman: ‘Ninguém filma Paris acabando ou Londres em pó. Mas americano paranóico só pensa em inimigos. As próprias torres encarnavam uma arrogância arquitetônica, pedindo bombardeio (…)’

A frase está errada, claro. ‘Paris está em chamas?’, pergunta de Adolf Hitler a seu general von Choltitz, virou livro e filme. Paris foi filmada sob bombardeio e sob ocupação; a Batalha da Inglaterra foi tema de muitos filmes, Londres sob as bombas da aviação nazista. E dizer que as torres pediam bombardeio equivale a dizer que a moça foi estuprada por causa daquelas roupas reveladoras. Pior do que atribuir às vítimas a culpa do crime, justifica o terrorismo. Inaceitável.



Meliante, suposto, quem sabe?

De certa forma, é um bom hábito: indica que os meios de comunicação hoje se preocupam em reduzir as acusações indevidas. O sujeito só passa a ser chamado de meliante, elemento, bandido, depois de condenado (ou quando se transcreve alguma peça do Ministério Público ou da polícia).

Mas há exageros. Aquele garoto que atirou a esmo dentro de um cinema não é ‘suposto atirador’. É atirador, mesmo. O sujeito apanhado em flagrante quando mata alguém não é ‘acusado de matar’, é matador mesmo (pode ser absolvido, se a Justiça considerar que há motivos para isso, mas o fato de não ser punido não significa que não tenha matado).

O professor de jornalismo Álvaro Larangeira traz um caso exemplar, tirado de um grande jornal:

‘Suspeito de ter matado jovem britânica se diz arrependido em GO’

E analisa:

‘Silogismo jornalístico:

a) Ele é o suspeito;

b) Ele confessa;

c) Logo, ele não é mais o suspeito’.

Mais claro, impossível.



Última flor…

Num grande jornal, a reportagem mostra a dificuldade de encontrar sementes de papoula para uso culinário. E entrevista uma senhora que ainda tem um pequeno estoque, mas é preciso ‘polpar’.

Parece que as sementes devem ser espalhadas com a ‘pauma’ da mão.



…do Lácio

Também de um grande jornal (e em título!):

** ‘Tarso responde delegado’.

Pelo jeito, a regência verbal segue o mesmo caminho da regência trina, de antes de D. Pedro 2º: deixa de existir. Este colunista até tentou outra possibilidade, de que alguém tenha perguntado ao ministro da Justiça qual a profissão de, digamos, Paulo Lacerda, e ele tenha respondido ‘delegado’. Mas não, o tema era outro. Além disso, o ministro Tarso Genro jamais conseguiria responder a uma pergunta com uma só palavra.



Como é mesmo?

O título é de um portal importante:

** ‘Espírito Santo lidera ranking de produção industrial, diz IBGE’

Terá São Paulo, finalmente, perdido a liderança industrial no país?

Não: o que ó título gostaria de dizer é que o Espírito Santo liderou, neste ano, o ranking de aumento da produção industrial. Um pouco diferente.



E eu com isso?

Tudo bem, a abertura das Olimpíadas de Pequim foi assunto por dois ou três dias (este colunista, lembrando ainda o ursinho Mischa das Olimpíadas de Moscou, ficou decepcionado com a festa chinesa). Mas os principais temas de conversa são outros: são os que se seguem.

** ‘Antonio Fagundes leva a namorada ao teatro’

** ‘Carol Castro aparece sentada na capa da Playboy

** ‘Ivete Sangalo repete roupa de Cicarelli’

** ‘Mulher Melancia janta com namorado no Rio’

** ‘Carolina Dieckmann pegou carrapato’

** ‘Junior Lima `se joga´ na noite paulistana’



O grande título

Muita coisa boa, muita coisa boa. Temos títulos daqueles que faltou completar, como…

** ‘Índia: Murdoch investirá US$ 100 mi para em canais’

** ‘Aspirantes a sucessor de Olmert evitar eleições’

Temos aqueles que precisam de interpretação:

** ‘Engavetamento entre nove veículos mata um na Dutra’

E este colunista nem sabia que os veículos estavam vivos!

Há uma excelente série de duplo sentido:

** ‘Fabiana Murer recebe varas após epopéia’

** ‘Não deu: Juliana desiste dos Jogos de Pequim’

** ‘Cachorro comendo o rabo’

Seria melhor colocar ‘o próprio’, não é mesmo? Gente com maus pensamentos, como este colunista e boa parte de seus leitores, pode fazer interpretações que provavelmente não corresponderão às puras intenções do autor do título.

O melhor título está na categoria dos que precisam de explicação:

** ‘Dunga pede chute para evitar `pecado´’

Alguém tem a explicação?

******

Jornalista, diretor da Brickmann&Associados

Todos os comentários

  1. Comentou em 14/08/2008 Luciano Almeida

    Gostaria de acrescentar mais uma manchete de internet que vi ontem: Galisteu beija namorado na praia. Oh! Já a manchete que não sei se vai ser publicada: Brasil dá vexame nas olimpíadas. Bronze não é ouro. Falta de investimentos em desportos leva a consequencia desastrosa na olimpiada

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem