Jornalismo de encomendas | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

CIRCO DA NOTíCIA > ÉPOCA & FSP vs. DELÚBIO

Jornalismo de encomendas

Por Luiz Antonio Magalhães em 31/08/2004 na edição 292

Deu na coluna Bastidores, assinada por Thomas Traumann, na edição desta semana (328, com data de 30/8) da revista Época:

Fumaça cara

O tesoureiro do PT, Delúbio Soares, diz que vive de um salário líquido de R$ 6 mil. Todo dia ele fuma um charuto Cohiba Lanceros, que nas lojas paulistanas sai ao menos por R$ 80. Das duas, uma: ou gasta 40% do salário em charuto, ou ganha o equivalente em presentes.

Deu no Painel, atualmente editado pela jornalista Renata Lo Prete, da edição de domingo (29/8) da Folha de S. Paulo:

Conta-charuto

Delúbio Soares diz que: a) vive com salário de R$ 6.000 recebido do PT; b) fuma todos os dias charutos da marca Cohiba Lanceros. De onde se conclui que ou bem o tesoureiro ganha seus estimados cubanos ou, numa conta conservadora, 30% de seu rendimento vira fumaça.

De duas uma: ou Renata praticou o famoso ‘gillete-press’ (o oposto não seria possível, pois Época já estava impressa quando a Folha deu a nota), ou as duas publicações aceitaram a ‘encomenda’ de alguém com interesses óbvios em prejudicar o tesoureiro petista.

É realmente muito difícil imaginar a experiente ex-ombudsman da Folha copiando uma nota da edição corrente de Época, de forma que a segunda hipótese faz mais sentido: Trumann e Lo Prete conversaram com a mesma fonte, que passou a mesma nota maldosa.

Tudo somado, os jornalistas saíram pior na foto do que o próprio Delúbio.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem