Domingo, 24 de Fevereiro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1025
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

Novos textos, novas extensões. Novo homem?

Por Enio Moraes Júnior em 19/06/2007 na edição 438

Gosto da palavra. Gosto especialmente da palavra escrita. Plagiando o pensador canadense Marshall McLuhan (1964), que nos anos 60 disse que os meios de comunicação são extensões do homem, costumo dizer que as nossas palavras são a exata extensão do que somos e do que conhecemos.

Sou jornalista e professor de Comunicação Social há mais de dez anos e sempre tive especial predileção pelas teorias da comunicação e do jornalismo. Num país onde professores de jornalismo, por razões pessoais ou exigências profissionais, decidem entre a carreira acadêmica e o batente, ironicamente fui levado ao batente da reportagem como uma exigência das teorias acadêmicas.

Por um lado porque comecei a preocupar-me em desenvolver um modo mais atraente de chamar a atenção dos alunos para o que eu estava propondo. Na sociedade da técnica e da imagem, o aluno de comunicação social (e, ao que parece, das outras áreas também) está normalmente mais inclinado com o conteúdo prático do curso e um caminho a levá-lo a teorizar, a refletir, é colocá-lo em contato com a dinâmica da vida profissional e com a própria produção.

Comecei a utilizar conceitos e reflexões como indústria cultural (Adorno e Horkheimer), sociedade do espetáculo (Debord) e jornalismo como ‘modelo de publicidade’ (Chomsky) para dissecar e a interpretar matérias jornalísticas de jornais, revistas e sites.

Por conta dessa forma de trabalho, entusiasmei-me com a prática da reportagem e, embora a vida acadêmica seja minha prioridade, há alguns anos estou no mercado também como repórter e revisor. No meu caso, em vez de atrapalhar, esse caminho tem ajudado na vida acadêmica.

O texto jornalístico

Uma das coisas mais instigantes que tenho feito nos últimos dois anos é produto dessa experiência. Tenho me preocupado, a partir das teorias e do trabalho de reportagem, com os rumos do texto jornalístico diante do advento das novas tecnologias de comunicação.

Na primeira quinzena de junho, São Paulo foi sede do MediaOn, I Seminário Mundial de Jornalismo On Line, cuja abertura contou com nomes como Paulo Henrique Amorim e Michael Rogers, do grupo New York Times.

Uma das indicações dos painelistas do evento foi que ainda estamos muito longe de prospectar o que realmente viremos a ser nos próximos dez ou quinze anos. A convergência midiática praticamente ainda não começou e estamos convivendo apenas com a primeira geração que cresceu com a internet.

O filósofo tunisiano Pierre Lévy (2003) disse há pouco tempo que as novas tecnologias de comunicação implicam novas formas de ser e estar no mundo. Considerando que elas implicam também novas formas de comunicação, são também novas formas de extensão.

O que tem chamado minha atenção nesses últimos tempos e instigado meu trabalho é exatamente apreender o sentido do texto jornalístico na era neotecnológica.

Mas acho que a palavra, falada ou escrita, continuará a existir e uma lição de Graciliano Ramos ainda ecoará por muito tempo pelas redes (NERY, [s.d]):

[…] deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa seja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso: a palavra foi feita para dizer.

Embora estejamos entrando em um mundo de novos significados, de novos textos e de novas extensões, estamos criando novos homens? Penso que sim. Mas penso também que a palavra, as teorias e o jornalismo, tríade de que tanto gosto, deve permanecer num esforço contínuo para que o homem continue humano.

******

Jornalista, professor universitário e doutorando em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem