Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CIRCO DA NOTíCIA > CARTÕES CORPORATIVOS

O que a imprensa precisa fazer

Por Alberto Dines em 11/02/2008 na edição 471

Enquanto governo e oposição se engalfinham por conta das investigações sobre a farra dos cartões corporativos, qual deve ser o papel da imprensa? Estimular a briga política ou a estimular uma devassa imediata?


O cidadão evidentemente está interessado em punir os prevaricadores, mas antes de tudo quer fechar as torneiras por onde escorre o dinheiro dos seus impostos. A queda-de-braço entre as principais forças políticas vende jornal, aumenta as audiências, mas este tipo de disputa não resolve problemas imediatos – deverá continuar certamente até as próximas eleições.


Além de fazer barulho, cabe à imprensa investigar. Enquanto o governo federal e o estado de São Paulo tomam providências para acabar com os abusos, cabe à imprensa descobrir como está a situação no âmbito do Judiciário, do Ministério Público e dos serviços administrativos do Legislativo.


Há outras questões que merecem ser apuradas, uma delas crucial – como foi a escolha da administradora dos cartões? Houve licitação?


A imprensa não pode perder esta oportunidade para mostrar sua autonomia, sua capacidade investigativa e sua importância como poder fiscalizador. A farra dos cartões foi descoberta pela imprensa e não pelos políticos, cabe à imprensa ir adiante.

Todos os comentários

  1. Comentou em 11/02/2008 Eduardo Goulart

    Parece que já está saindo do forno um acordo entre o governo e a oposição sobre os cartões corporativos. Este interessa a ambas as partes já que ambos tem o rabo preso. Por isso meu slogan para as próximas eleições é : PT E PSDB – FARINHA DO MESMO SACO. NÃO VOTE NELES !

  2. Comentou em 11/02/2008 Lau Mendes

    E eu ainda perco tempo lendo o texto quando o “importante” para o autor parece ser o encaixe de duas palavras a valorar distintamente situações idênticas quanto a ética que às deveria reportar. O “pecado” de um estimula ao apedrejamento, uma vez que seria farra . Já quando cita outro “pecador” toma a distância recomendável a ambos: é questão de abuso . Sugere confiança traída, voluntariamente ou não, sujeita à lei que pune o funcionalismo por crimes contra o bem público e vigendo faz tempo. Agora, como a situação é “politiqueira”, também perco tempo dando “pitaco” no pensamento polivalente do Sr.Dines.

  3. Comentou em 11/02/2008 Marco Antônio Leite

    Inocente cartão de plástico, apenas ele tem beneficiado alguns poucos aspones que vegetam nos governos em geral. Isso é fichinha diante dos grandes desfalques que vem ocorrendo em todas as instâncias governamentais. Assunto para a nossa zelosa e competente imprensa, imprensa ‘honesta’ e investigativa dos desvios de conduta dessa camorra. Infelizmente, o Brasil não tem conserto, pois aqui tudo acaba em carnaval. Não se trata de pessimismo ou otimismo, mas de realismo puro. Se pensamento otimista resolvesse alguma coisa, com certeza, eu faria um automóvel rodar sem combustível ou então um avião atravessar os céus sem os comandantes, ou a aeronave chegar e partir no horário. Ou então, acabaria com a miséria, vejam os senhores que milagre não existe, o que existe de fato são corruptos aos montes. Nem todo cartão é de papelão? Não sejamos inocentes, tudo continuará como dantes no quartel de Abrantes.

  4. Comentou em 11/02/2008 Marco Antônio Leite

    Inocente cartão de plástico, apenas ele tem beneficiado alguns poucos aspones que vegetam nos governos em geral. Isso é fichinha diante dos grandes desfalques que vem ocorrendo em todas as instâncias governamentais. Assunto para a nossa zelosa e competente imprensa, imprensa ‘honesta’ e investigativa dos desvios de conduta dessa camorra. Infelizmente, o Brasil não tem conserto, pois aqui tudo acaba em carnaval. Não se trata de pessimismo ou otimismo, mas de realismo puro. Se pensamento otimista resolvesse alguma coisa, com certeza, eu faria um automóvel rodar sem combustível ou então um avião atravessar os céus sem os comandantes, ou a aeronave chegar e partir no horário. Ou então, acabaria com a miséria, vejam os senhores que milagre não existe, o que existe de fato são corruptos aos montes. Nem todo cartão é de papelão? Não sejamos inocentes, tudo continuará como dantes no quartel de Abrantes.

  5. Comentou em 11/02/2008 Hugo Lombardi Mancin

    Realmente a campanha que o TSE faz todos os dias no horário nobre para que os eleitores fiquem de olho nos vagabundos que nós colocamos no poder não faz sentido. De que adianta você ficar de olho, cobrando se você já deu quatro anos de emprego super remunerado para um indivíduo que não tem escrúpulos e que além do salário que recebe vai roubar o triplo por fora? De que adianta? Se você pudesse manda-lo embora sem direito e meter o pé na bunda destes vagabundos que roubam o erário todos os dias aí sim eu poderia concordar com o TSE. Mas o TSE também se locupleta deste sistema então eu não acredito em ninguém e também declaro o meu voto NULO. E aquela loirinha tem que parar de encher meu saco tentando me fazer de besta.

  6. Comentou em 11/02/2008 Francisco Flauzino Filho

    Realmente a farra dos cartões é um absurdo, um abuso mesmo com o povo brasileiro, porém não adianta esperar que o Governo Federal ou Estadual vá acabar com isso, não alimentamos ilusões de que os mensalões os sanguessugas acabaram, queremos, e esperamos muito mesmo que a Imprensa possa fazer alguma coisa, que não fique apenas nas denúncias para que não seja apenas mais um, isso seria cõmodo demais, alem de rendoso, nada mais que isso, sim pois sabemos que se ficar apenas nas denúncias nunca vai dar em nada, acaba sempre como aquela propaganda no elevador, quando um olha para o outro e diz, vamo armar o buteco, que no caso seria pizzaria, e aí começar a investigar o próximo escândalo. O pior é que tudo isso já se alastrou tambem para os municipios, e nos municipios, espero que não seja em todos, a Imprensa é alienada e só publíca aquilo que interessa, ou seja, algumas poucas coisas que fazem e podem ser publicada sem comprometer ninguem. O que ainda temos de bom, e não é em todo lugar, é a Imprensa, por isso espera-se que vá da denúncia até a condenação, e o cumprimento da pena.

  7. Comentou em 11/02/2008 Luely Regina LOPES

    Infelizmente a imprensa tem que investigar – na verdade isso é um caso de POLICIA, não importa qual governo se federal, estadual ou municipal, tudo tem que ser claro, e nós povo devemos ter ecesso a todas as despesas feitas em todos os niveis de governo, isso é o minimo, afinal e nosso dinheiro que está sendo gasto. Essa gente já recebe sálario e não precisam que suas despesas pessoais sejam pagas com nosso pobre dinheirinho.

  8. Comentou em 11/02/2008 Lidio Pinho Moura Pinho

    Sr Dines: A informação que se refere ao cartões do governo federal está no portal transparencia da CGU, aliás, esse orgão vem trabalhando sério a já bastante tempo e não encontramos sequer menções honrosas por parte dessa imprensa que o senhor chama de democrática. O noticiário sobre os não cartões do ‘governo ‘ de Sp, só ficamos sabendo depois da publicações pelos blogues independentes, pois se dependesse dessa imprensa oficial, jamais saberíamos. SrDines, a imprensa que se diz tão imparcial, por que não aprova e encampa uma CPI de 10 anos para cá? Por que teria medo de que aparecesse alguma coisa comprometendo o governo passado? Quem não deve, não teme, o que queremos é transparência total e, creio o papel da imprensa é o de bem informar sem se incomodar se está agradando esse ou aquele.

  9. Comentou em 11/02/2008 Selma Gindri

    É um tremendo equívoco dizer que a ‘farra dos cartões’ foi descoberta pela imprensa, Os dados estavam disponíveis na internet, além do que determinadas despesas aparentemente classificada como ‘farra’ tem explicações convincentes, como já ocorreu. O que a imprensa está conseguindo é passar prá população que o uso dos cartões corporativos não é bom, quando todos sabemos que que o melhor sistema, ainda mais como fez o governo federal, colocou na internet prá quem quiser se inteirar, diferentemente do governo tucano do José Serra.

  10. Comentou em 11/02/2008 Tiago Lucas

    Acredito que a imprensa vem fazendo um bom trabalho sobre o tema.
    Há contudo, uma crítica a ser feita à imprensa brasileira: menosprezar a fonte de seus dados.
    Deve-se levar em consideração que os dados do Portal da Transparência só estão acessíveis por ação exclusiva da Controladoria-Geral da União – CGU, que é órgão de estado (e não de governo…). Não fosse o mérito da CGU, esses dados jamais estariam disponíveis à mídia e nunca seriam detectados os abusos cometidos por autoridades.
    Ocorre que raramente a CGU é citada nas reportagens. Não há uma única palavra de elogio, de alento ao esforço do órgão. E não raro a CGU é espicaçada por ‘denúncias’ baseadas em meias-verdades e em dados inconclusos e preliminares, sem a necessária prudência (vide: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u370593.shtml). Trata-se da execrável técnica da mídia de ‘cuspir no prato onde se serviu’.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem