Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

O outro nome da tortura

Por Carlos Brickmann em 22/07/2008 na edição 495

O que é mais importante: os resultados da investigação, que levaram Daniel Dantas ao banco dos réus por uma acusação e levantaram indícios de outras possíveis infrações à lei, ou as falhas no procedimento, que incluíram invadir o consultório de um cidadão que não tinha nada com a história e ameaçá-lo com uma metralhadora, vazar informações para um veículo de comunicação privilegiado, buscar em endereço errado as pessoas a ser presas e humilhar quem era detido?

Ambos, caro colega: é importante obter informações, mas tão ou mais importante do que isto é evitar abusos. A maneira de fazer tem a mesma prioridade do que aquilo que deve ser feito. Isto é democracia; sem isto, está aberta a porta para abusos como a tortura – que nada mais é do que um meio ilegal (e bárbaro) de obter informações.

Insistir nos direitos e garantias individuais, no processo legal para detenções e interrogatórios, no respeito a quem está submetido à tutela do Estado não é prejudicar investigações: ao contrário, é a maneira mais eficiente de torná-las corretas (sob tortura, qualquer pé-rapado honesto confessa que é ladrão). Combater o direito de defesa (os tais ‘advogados caros’ que mantêm soltas pessoas que deveriam estar presas) é antidemocrático; e deprecia os promotores, por considerá-los incapazes de enfrentar advogados competentes.

O problema, em certas reportagens, é o clima de clássico do futebol. De um lado, os defensores do povo, querendo punir os terríveis tubarões com o linchamento midiático antes que seus advogados pagos a peso de ouro consigam livrá-los; de outro, os defensores da lei que beneficia os ricos, já que nenhum protesta quando o abuso policial se volta contra cidadãos pobres.

A exacerbação vai a tal ponto que um repórter chega a elogiar um policial por estar há dias sem banho. E, em vez de exigir que os pobres tenham o mesmo tratamento (aliás, previsto em lei) que os ricos, esse tipo de repórter quer que os ricos sofram as mesmas humilhações ilegais impostas pela polícia aos miseráveis.

Como diria Ulysses Alves de Souza, grande chefe de Reportagem, o repórter reporta. E que matérias devastadoras pode fazer um repórter que reporta!



História…

A propósito, os direitos individuais costumam ser atribuídos primeiro aos ricos, aos nobres, aos guerreiros, a quem tenha condições de exigi-los. A Magna Carta assinada pelo rei João Sem Terra há uns setecentos, oitocentos anos, é uma crônica de privilégios concedidos aos nobres. E é, também, o berço das garantias individuais que a cidadania exige – como, por exemplo, o habeas corpus. A Constituição americana manteve a escravidão. Mas até onde teria ido a discriminação racial sem o ‘Bill of Rights’, os direitos individuais nela consagrados?



…e memória

Para quem acha que os fins justificam os meios, uma lembrança bem mais próxima. Em 1964, o Governo militar criou a CGI, Comissão Geral de Investigação, comandada por um marechal, Estêvão Taurino de Rezende, com o objetivo de eliminar a corrupção. A CGI espalhou pelo país inteiro inquéritos policiais-militares que operaram com todos os poderes do arbítrio e ignoraram advogados e demais defensores dos direitos humanos. Boa parte dos grandes advogados de hoje trabalhou naquela época, sem pagamento e sob ameaça, enfrentando coronéis e promotores definitivamente contrários ao direito de defesa. A CGI acabou, os inquéritos policiais-militares acabaram, o governo militar acabou e a corrupção vai bem, obrigado.



Dúvida cruel

Este colunista leu muitos elogios ao inquérito da Operação Satiagraha, e como quem elogiou entende, acredita que deva mesmo estar bem feito, apesar dos problemas de execução. Mas como se justifica ir buscar Daniel Dantas no endereço errado, depois de quatro anos de investigações? E a história do dentista, que não era o doleiro, não se parecia com ele, não tinha a idade dele, e, aliás, o endereço não poderia ser aquele, já que o imóvel era obviamente um consultório de dentista? Imagine se todos os detalhes do inquérito foram cuidados com o mesmo capricho!



De pés no chão

Há alguns anos, uma socialite foi acusada de contrabando numa dessas operações de nome engraçado da Polícia Federal – mesma acusação feita a um empresário do setor de roupas. Depois, não se ouviu mais falar no assunto. Há quatro possibilidades:

1. eles foram absolvidos (e, nesse caso, a imprensa falhou lamentavelmente, ao não noticiar a absolvição);

2. a acusação não se sustentava (e o erro foi dos que anunciaram com toda a pompa a operação e as pessoas nela atingidas);

3. o inquérito está em alguma gaveta (erro da imprensa, que não cobra, e permite que o caso seja esquecido);

4. apesar do tempo que já se passou, o inquérito está tramitando normalmente, sem que ninguém o atrase ou apresse (mais uma vez, falta a cobertura da imprensa).

Pois bem: em vez de cuidar apenas do destino de um inquérito, que tal pautar o destino de todos os inquéritos? Algumas perguntas: quantas pessoas foram presas em operações da Federal, desde o início do governo Lula? Destas, quantas estão sendo processadas? Houve condenações? Quantas? Há penas sendo cumpridas? Que tipo de pena? Em que estágio estarão os processos?

A propósito, antes de a patrulha começar a atirar, essas grandes operações começaram no governo Lula. Por isso a reportagem deve começar aí.



Erramos

Esta coluna pisou na bola na semana passada, ao criticar a ausência de cobertura dos meios de comunicação ao ‘apagão de internet’ que assolou São Paulo. Um jornal – que, aliás, vem crescendo rapidamente, com gente boa e matérias de qualidade – cobriu bem o assunto: o Diário do Comércio, editado pela Associação Comercial de São Paulo.

Bilhete do Diretor de Redação do Diário do Comércio, Moisés Rabinovici:

‘O Diário do Comércio explicou [o apagão de internet] numa entrevista com o pioneiro da Net no Brasil, Demi Getchko. Ele disse, em resumo, que um roteador ficou ‘paranóico’ e deu sinais contraditórios, atraindo como se fosse imã o fluxo da Internet para um buraco negro. Um roteador não fica histérico assim à toa, ele acrescentou. É preciso um erro de programação. E foi o que aconteceu. A equipe de emergência, ao invés de isolar a ‘paranóia’, localizável, inventou de reprogramar o roteador, deixando todo mundo na mão.’

É bom saber que ao menos uma parte da imprensa está preocupada com aquilo que atrapalha a vida diária do consumidor de informação.



Comunicação oficial

Comunicação nem sempre é de massa; boa parte da comunicação é individual (por exemplo, uma carta do banco informando que sua conta está no negativo é uma forma de comunicação individual). Mas, seja de massa ou não, toda comunicação tem o dever de comunicar-se – e isso não é tão óbvio quanto parece.

Um leitor desta coluna, por exemplo, recebeu carta da Secretaria da Receita Federal intimando-o a apresentar um documento. Obediente, viu o endereço da lavratura da intimação, no retangulozinho logo abaixo de seu endereço, e foi até lá levar o documento. Só que não era lá: o endereço estava do outro lado da carta. Aliás, os endereços: havia seis, espalhados por São Paulo, onde o trânsito é sempre ruim, e só um, sem qualquer identificação, era o correto. Bastava ao contribuinte ir de um em um, até que, no máximo em seis viagens, acabaria acertando o endereço certo.

Nosso leitor acertou na segunda. Pura sorte!



Como é…

De um grande e respeitado portal noticioso:

** ‘Oito morrem em operação da PM em favela no Rio’

De outro grande e respeitado portal noticioso, referindo-se ao mesmo fato:

** ‘Ação da PM em favela do Rio deixa 3 mortos’



…mesmo?

** ‘Anatel multa Vivo é multada em R$ 4,1 milhões’

Do jeito que a coisa anda, ninguém pode duvidar da possibilidade de uma empresa multar a agência que deveria controlá-la.



E eu com isso?

O avanço científico é notável: de fragmentos fósseis foi possível reconstruir o rosto de Lucy, uma ancestral direta dos homens de hoje. É possível, a partir de pedaços de osso, saber se o esqueleto pertencia a um pássaro ou a um réptil. E é possível, finalmente, saber que:

** ‘Bactéria da úlcera chegou à América antes de Colombo’

Agora sabemos porque a desgraçada é tão difícil de combater: já criou raízes em nosso continente!

E, graças ao desenvolvimento de outras tecnologias, podemos saber que:

** ‘Brad Pitt cortou o cordão umbilical dos filhos’

** ‘J.Lo [Jennifer Lopez] estoura zíper’

(O que, aliás, não é vantagem nenhuma. Sylvester Stallone, que não chega aos pés de Jennifer em beleza, também andou estourando um monte de calças, por causa da musculatura da coxa)

** ‘Sandy convida atriz global para ser sua madrinha de casamento’



O grande título

A concorrência é fantástica: vai de agricultura ao espaço.

** ‘Técnicos encontram ferrugem, apesar do vazio sanitário no MT’

Não é difícil entender: basta fazer um bom curso de agronomia ou ser criado em fazenda, daquelas bem modernas.

** ‘Mercado europeu fecha em alta com petróleo e Bernanke’

Não, Ben Bernanke não deve estar sendo negociado nos pregões.Talvez, quem sabe, tenha dito alguma coisa que não devia (ou que devia)?

E o melhor de todos:

** ‘Nasa pede doações de urina para testar nova nave espacial’

A doação pode ser in vitro ou precisa ser entregue pessoalmente?

******

Jornalista, diretor da Brickmann&Associados

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem