Terça-feira, 23 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

CIRCO DA NOTíCIA >

Os intelectuais e suas mãos

Por Alberto Dines em 03/09/2006 na edição 396

Eles voltaram a ocupar as primeiras páginas. E não apenas aqui, na reta final da disputa eleitoral. Subiram ao palco para comandar o espetáculo político há relativamente pouco tempo: 108 anos. No dia seguinte à publicação da mais famosa manchete de todos os tempos (‘J’Accuse’, de 13 de janeiro de 1898), o mesmo jornal parisiense (L’Aurore) publicava o primeiro manifesto de professores, cientistas, escritores e artistas em defesa de uma causa política, no caso a denúncia contra o anti-semitismo e a defesa do capitão Alfred Dreyfus.


Entravam formalmente em cena os intelectuais, embora mais de um século antes, sem o mesmo alarde e sob o nome de filósofos, Rousseau, Voltaire e Diderot, entre outros, investiram com galhardia contra a intolerância, o despotismo e se transformaram em símbolos de uma nova era da humanidade: o Iluminismo e o Esclarecimento.


Determinismo geográficos


Günter Grass, 78 anos, estátua viva do novo idealismo alemão, referência moral de uma nação que conseguiu encarar suas abomináveis culpas e estabelecer novos paradigmas de dignidade coletiva, admitiu há poucas semanas, numa entrevista para promover o lançamento do seu livro de memórias, que aos 17 anos foi membro da famigerada SS, a tropa de elite do hitlerismo.


Nossa mídia tratou linearmente do Caso Grass, acostumada a noticiar guerras e calamidades, calibrada para a falsa objetividade dos dados e das estatísticas. Difícil dimensionar uma catástrofe no plano espiritual, num país que em 1919 adotou o nome de República de Weimar como homenagem à cidade onde viveram e morreram os poetas nacionais Goethe e Schiller.


O ídolo caiu do pedestal, este será mais um final de verão que entrará para a história da Alemanha. O país está arrasado pela tardia confissão e também pela suspeita de que a revelação foi um golpe para promover as vendas do livro de memórias. Num grupo humano onde as subjetividades ainda contam tanto, o novo rufar do tambor de Grass está funcionando como uma catarse. Surda e dolorosa.


Aqui, ao contrário, endeusamos os heróis sem caráter, os macunaímas espertos e vivaldinos. Nossos luminares são consagrados postumamente, em surtos, incensados ou castigados pelas respectivas trupes e tribos numa ótica partidária estreita, oportunista e tardia.


Grass aqui não ‘repercutiu’, para usar um verbo do jargão midiático e da respectiva escala de valores que, aliás, rege a vida nacional. A questão da culpa e do arrependimento não costuma merecer muita atenção em nossas paragens. A culpa não é dos trópicos, nem do determinismo geográfico, é escolha mesmo. A ética de Spinoza só vai para os jornais quando coincide com os slogans eleitorais.


Tragédia e vergonha


Ainda não chegamos à discussão proposta por Jean-Paul Sartre em 1948 com a sua peça anticomunista As mãos sujas (‘Les mains sales’), expressão da perplexidade dos intelectuais diante da realpolitik e do pragmatismo da disputa pelo poder. Aqui não calou a metáfora das mãos sujas, mãos sujas de sangue, sangue verdadeiro, sangue humano, derramado em nome da ‘pureza revolucionária’.


O pífio e reles debate propiciado pelo encontro do candidato Lula da Silva com os intelectuais que apóiam o PT e realizado na casa do menestrel-ministro Gilberto Gil ficou relegado a um primarismo que, por um triz, não resvalou no aviltante ‘rouba, mas faz’.


Alguns intelectuais mencionaram as mãos – mas sem qualquer conotação trágica – sujas pelos favores oficiais, Caixa Dois, propinas e mensalões, porém facilmente tornadas imaculadas com uma simples demissão, indiciamento ou mesmo cassação. As mãos dos nossos atores políticos são apenas extensões do corpo e nunca extensões da consciência. Por isso sujá-las ou não sujá-las signifique tão pouco.


Günter Grass passou uma grande parte da sua vida convivendo com uma mentira. Esta é uma tragédia pessoal e uma vergonha nacional. A Alemanha não condenou o seu mais famoso escritor vivo, também não o justifica. A Alemanha chora por ele.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem