Quinta-feira, 24 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

A conquista e a preservação dos cerrados

Por Bruno Blecher em 19/07/2006 | comentários

Quatro anos atrás, a soja enchia de dólares os bolsos dos agricultores brasileiros, enquanto o agronegócio, louvado e festejado como a nova excelência brasileira, ganhava as capas das grandes revistas nacionais, as manchetes dos jornais e até espaço no Jornal Nacional.


Mas a agricultura é cíclica. Os estoques mundiais cresceram, os preços caíram e com uma taxa de câmbio desfavorável, a soja afundou na pior crise de sua história. A rentabilidade da oleaginosa, que em 2004 chegou a mais de 20%, virou pó. A perda de renda dos sojicultores nas últimas duas safras alcança R$ 27 bilhões e derruba a economia das cidades do Centro-Oeste do Brasil, onde o Brasil produz 60% de sua safra de soja. A crise está nos jornais, é verdade, mas nas páginas internas. Outrora competente, o agronegócio, principalmente a soja, voltou a ser sinônimo de atraso, calote, dívida.


Costuma-se dizer no interior que cavalo selado não passa duas vezes. Oportunidades não faltam para o agronegócio brasileiro, mas para sair a galope no mercado internacional antes de tudo é preciso competência. Cavalo bom e sela segura. Tanto a iniciativa privada como o governo devem traçar estratégias capazes de promover o desenvolvimento sustentável do agronegócio.


Tecnologia não nos falta. Basta ver o que ocorreu no cerrado brasileiro, que hoje serve de modelo de produção agrícola tropical. Durante o Workshop Internacional sobre Agricultura Tropical, que se realiza esta semana em Brasília, o pesquisador Edson Lobato descreveu como as tecnologias desenvolvidas pelos cientistas brasileiros, como a correção da acidez do solo, adubação fosfotada e o plantio direto, domaram as terras de baixa produtividade dos cerrados e permitiram a conquista do Brasil Central.


‘O uso sustentável da terra e o investimento em técnicas adequadas podem proporcionar o plantio, em mais 60 milhões de hectares, de um total de 204 milhões de hectares do Cerrado. Até agora temos 139 milhões de hectares cultiváveis, há 60 milhões de hectares em estoque e outros 32 milhões de hectares na reserva’, disse Lobato.


Em 1975, segundo o pesquisador, os sojicultores de Rondonópolis, em Mato Grosso, colhiam em média 25 sacas por hectare, a um custo de produção de 21 sacas/hectare. A renda líquida era de apenas 4 sacas/hectare. A partir de 1990, a produtividade saltou para 54 sacas/hectare. Com custo de 45 sacas/hectare, o produtor conseguia um retorno de 9/sacas/hectare.


Além de responsável por 60% da soja colhida no Brasil, os cerrados produzem 59 do café brasileiro, 45% do feijão, 44% do milho, 81% do sorgo, 55% da carne bovina e 10% da cana-de-açúcar. Os cerrados são o terceiro maior produtor de grãos do país e abrigam cerca de 40% do rebanho bovino brasileiro.


Mas, com uma extraordinária biodiversidade, os cerrados não podem ser encarados apenas como fronteira agrícola. Eles são a segunda maior formação vegetal do país, atrás apenas da Floresta Amazônica, e ocupam 2 milhões de km2 (área equivalente a 23% do território nacional) espalhados por 10 Estados. Apenas 20% dessa área ainda mantêm intacta sua vegetação nativa. É possível aumentar a produção de grãos e de carnes na região, preservando ao mesmo tempo a sua natureza exuberante.


A região reúne 10 mil espécies de plantas diferentes (muitas delas de uso medicinal e alimentício), 759 espécies de aves de reproduzem por lá, além de 180 espécies de répteis e 195 de mamíferos, sem contar com o surpreendente número de insetos, como cupins, borboletas, abelhas e vespas.


O grande desafio é desenvolver uma agropecuária sustentável nos cerrados, capaz de gerar renda, criar empregos e também preservar sua biodiversidade.

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/07/2006 Odracir Silva

    Acho q qdo o blogueiro escreve ‘sustentavel’, acredito que ele se refere a sustentavel economicamente, nao? Pois acredito q a terra se desgata muito com as plantacoes no cerrado. Caso contrario nao se colocaria tanto fertilizante durante a epoca de plantacao… o q mostra q ‘ecologicamente’ a plantacao de soja (por exemplo) nao ee sustentavel nestas regioes. Caso fosse a Cargill nao estaria por laa p/ ficar vendendo os fertilizantes e inseticidas … Acho q houve uns estudos no sul do Para onde os pesquisadores mostravam o desgate dos nutrientes no solo apos o cultivo de plantacoes.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem