Quinta-feira, 29 de Junho de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº947

CÓDIGO ABERTO > Desativado

A diferença entre gol e meta

Por Luiz Weis em 08/06/2007 | comentários

As cartas estão na mesa no jogo do jornalismo. Uma pesquisa com 9 mil pessoas em sete países – Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Alemanha, França, Itália e Austrália – divulgada no 60º Congresso Mundial de Jornais, na Cidade do Cabo, África do Sul, confirmou o que os estudiosos de mídia vêm dando como certo já há um bom tempo: a maioria das pessoas utiliza a televisão, internet e o rádio – nessa ordem – como fontes primárias de informação.

E lêem jornais e revistas para entender o mundo e formar opinião. São percebidos, diz Douglas Griffen, o diretor da empresa Harris Interactive, responsável pela pesquisa, “como um espaço vital para checar as informações obtidas na mídia eletrônica”.

O levantamento corrobora a tese de que o futuro da imprensa escrita dependerá cada vez mais de sua capacidade de ir além dos fatos brutos, ampliando e traduzindo a letra miúda, por assim dizer, dos acontecimentos.

O trabalho – que impõe ao profissional o desafio de ter feito a lição de casa, usar a cabeça e falar com as fontes certas, tudo no ritmo próprio do jornalismo diário – pode assumir uma infinidade de formas, conforme, entre uma infinidade também de fatores, a presumível e variável familiaridade do público com o tema de que se ocupará.

Às vezes se trata de explicar ao leitor – brasileiro, por exemplo – a diferença entre gol e meta.

Foi o que fez hoje, num texto 10, o editor, não de futebol, mas de Ciência, da Folha de S.Paulo, Claudio Ângelo, para trocar em miúdos, com a ajuda de um não identificado especialista brasileiro, a morna decisão dos poderosos países do G8, reunidos na Alemanha, sobre o combate ao aquecimento global.

Matérias como essa são o mapa do caminho que, seguido à risca, levarão a imprensa escrita à longevidade com boa saúde.

Confiram:

“No que depender da declaração de ontem do G8, as negociações no âmbito das Nações Unidas sobre o substituto do Protocolo de Kyoto vão continuar emperradas. Segundo um especialista brasileiro no assunto, o texto aprovado pelo clube dos países ricos é uma vitória de George W. Bush, que chegou à Alemanha como alguém a ser constrangido e saiu de lá constrangendo (o mundo).

O que a declaração tem de bom – a frase ‘reduções substanciais de emissões globais’- não é novo: isso já havia sido acordado pelo G8 em sua reunião de 2005.

E o que ela tem de novo não é bom. A mão grande de Bush (mais precisamente, de Jimmy Connaughton, seu conselheiro para temas ambientais) no texto acordado em Heiligendamm se faz presente na seguinte passagem: ‘Ao fixarmos um objetivo global para a redução de emissões no processo que acordamos hoje envolvendo todos os maiores emissores, nós consideraremos seriamente as decisões tomadas pela União Européia, pelo Canadá e pelo Japão, que incluem pelo menos reduzir à metade as emissões globais em 2050’.

A declaração aparentemente comprometida com a causa ambiental esconde uma perversidade semântica: ‘objetivo’, ou ‘goal’, em inglês -palavra que pode ser entendida como um desejo de ver algo realizado algum dia- é diferente da palavra que a UE gostaria de ver impressa ali: ‘meta’ (em inglês, ‘target’), ou seja, uma proposta quantificada de fazer algo num dado prazo.

Foi ‘goal’ a palavra que Bush usou na última quinta-feira, quando mudou seu discurso sobre o clima sem mudar sua posição. Foi ‘goal’ a palavra que a diplomacia americana emplacou na declaração pífia do G8.

‘É mais ou menos a diferença entre você dizer que tem o objetivo de acabar com a pobreza na África e fazer um cheque para eles’, comparou Marcelo Furtado, diretor de campanhas do Greenpeace Brasil.

Para não dizer que não há nada na declaração, há um sinal importante: ela reconhece que a Convenção do Clima precisa chegar a um acordo global em 2009 para substituir o Protocolo de Kyoto, e que os grandes emissores do mundo subdesenvolvido deverão participar do processo.

Mas isso não basta para dar vida ao acordo pós-Kyoto, que deveria se desenhar no fim deste ano em Bali, na reunião da Convenção do Clima da ONU. Como é difícil obter uma decisão importante num grupo de 180 países, havia a esperança de que os maiores emissores do mundo apontassem um caminho a ser seguido.

Mais uma vez, George Walker Bush impediu que isso acontecesse.’

***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 08/06/2007 Ivan Moraes

    Mais uma dohada no Brasil. So mais uma. Como diria Chavez, ‘G8, G8, G8rajo’.

  2. Comentou em 08/06/2007 Ivan Moraes

    !!! Nao conte com Bush para absolutamente nada, muito menos se for a respeito do resto do mundo! Todo mundo nos EUA sabe disso!

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem