Sábado, 17 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

CÓDIGO ABERTO >

A grande riqueza de um jornal está fora das redações

Por Carlos Castilho em 01/09/2009 | comentários

Esta é uma idéia que está provocando muita polêmica entre os responsáveis por algumas das publicações mais respeitáveis na imprensa mundial, desde que o jornal The Washington Post resolveu apostar a sua sobrevivência, como empresa, na valorização dos leitores.


 


Enquanto a maioria dos jornais encara a questão dos comentários de leitores como uma dor de cabeça permanente, o Post decidiu transformar a participação do público no seu objetivo estratégico na guerra por audiência no disputadíssimo mercado de oferta de informações na internet.


 


O novo modelo de publicação de comentários de leitores na página Web do jornal é inédito na internet, custou vários milhares de dólares e cria um padrão novo em matéria de relacionamento entre jornalistas e o público.


 


As duas principais novidades são a visualização fácil da relevância relativa de cada comentário em função das referencias recebidas de outros comentarias; e a preocupação em incentivar o relacionamento entre leitores, mais do que entre estes e a redação.


 


Ao lado está o formato visual na página do Post. Os quadrados maiores são dos textos mais comentados e citados por leitores. Os quadros mais próximos do centro pertencem a temas mais lidos, mas não necessariamente os mais comentados.


 


A organização visual constitui um enorme avanço em relação ao sistema usual onde as participações de leitores são publicadas em ordem cronológica e sem uma segmentação por tema. Isto confunde e cria obstáculos para quem deseja saber quem está discutindo o quê e com quem, na área de comentários.


 


A horizontalização do debate entre os leitores rompe a tradição de que o autor do texto é o centro e a referência na troca de informações. Na verdade esta centralização já é ignorada pelos comentaristas quando o debate se intensifica. Aqui no Código e noutros blogs do Observatório isto já é comum.


 


Analisada em perspectiva, esta tendência mostra que os autores de textos ou responsáveis por blogs deixarão de ter o controle sobre seus espaços informativos para se transformarem em provocadores e mediadores. Eles alimentam a agenda publica de debates mas depois se tornam espectadores da discussão. 


 


Embora ainda seja cedo para dizer se o novo sistema do The Washington Post dará certo, não há muitas dúvidas sobre as vantagens que ele oferece e sobre o seu potencial para atrair novos leitores, o que inevitavelmente levará outros jornais a imitá-lo. Mas a opção estratégica do Post tem implicações ainda mais amplas.


 


Ela fortalece os indícios de que o jornalismo está começando a preocupar-se mais com o público comum do que com especialistas e personalidades do mundo político, diplomático e empresarial. Durante mais de cem anos, a grande imprensa mundial dedicou uma atenção quase exclusiva ao poder enquanto o leitor era visto como um mero consumidor passivo das informações que os especialistas e dirigentes acham relevante.


 


A relação com os leitores ganhou importância depois que a internet quebrou o monopólio da imprensa na produção e distribuição de notícias, criando uma forte concorrência entre os diversos provedores de informações.


 


Isto obrigou a imprensa a prestar mais atenção a um fenômeno que os estudiosos da comunicação vinham alertando há tempos: O fortalecimento da preocupação relacional no desenvolvimento do jornalismo depois de décadas de hegemonia absoluta da ideologia institucionalista na imprensa. Relacional e institucional são dois jargões acadêmicos para expressar duas preocupações diferentes: a relação com o publico e o culto da instituição


 

O institucionalismo ganhou importância a partir do século XIX com o sociólogo alemão Max Weber, que estudou a forma como as instituições (empresas, governo e associações) influenciam e até determinam o comportamento de funcionários e do próprio publico. No caso da imprensa, isto desembocou na teoria do quarto poder, que consolidou a tendência dos jornais a abandonar a função de prestador de serviços de interesse público para concentrar suas atenções no jogo do poder.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem