A imprensa e uma população à beira de um ataque de nervos | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1001
Menu

CÓDIGO ABERTO >

A imprensa e uma população à beira de um ataque de nervos

Por Carlos Castilho em 09/02/2014 | comentários

A sociedade brasileira está ingressando num período tenso, como mostra a repetição de protestos, manifestações, greves, conflitos e vandalismo. Tudo isso ocorre em meio a muita controvérsia sobre as vítimas, responsáveis e beneficiados, o que gera uma desorientação geral e aumenta a complexidade do papel da imprensa nesta conjuntura.

Uma porta enguiçada de vagão de metrô é suficiente para deflagrar uma sucessão de eventos que quase paralisaram a maior metrópole do país. A população cansada e esgotada por tantas dificuldades no seu quotidiano parte para o confronto com a polícia, ataca prédios governamentais e agências bancárias, revelando uma tolerância quase de zero com relação descalabro nos serviços públicos.

A insatisfação generalizada e a desorientação informativa criam o ambiente adequado para agentes infiltrados agirem no meio dos manifestantes provocando situações que depois serão exploradas politicamente, diante de uma população perplexa.

Estamos muito perto de uma situação onde uma pequena faísca pode provocar um grande incêndio ou explosão. As pessoas estão irritadas e com reduzida capacidade de refletir diante de situações obscuras e complexas. O ambiente está propício a ações fruto do impulso, paixão e raiva. Qualquer episódio ganha imediatamente versões antagônicas, o que contribui para aumentar a incerteza e a confusão.

Tudo isso ocorre tendo como pano de fundo as eleições presidenciais deste ano. A campanha eleitoral começou de forma disfarçada, com os partidos de oposição partindo para um perigoso vale-tudo político diante do espectro de mais uma vitória do PT. A população ainda não se deu conta, mas qualquer protesto ou manifestação vira imediatamente uma peça de um jogo político manipulado por partidos que dissimulam suas reais intenções por meio de uma retórica moralista e legalista.

Quando os políticos só pensam em manter empregos por meio de eleições e com uma população à beira de um ataque de nervos, a imprensa passa a ter um papel de importância crítica na busca de uma racionalidade mínima na percepção da crise. Repórteres e editores começam a ter que caminhar sobre ovos porque um pequeno deslize pode acabar provocando um grande conflito com desfecho impossível de ser previsto. Um escorregão editorial pode criar uma situação que seguramente vai exigir arrependimentos futuros, como aconteceu com os jornais e emissoras que apoiaram o golpe de 1964.

É em conjunturas como a que estamos vivendo atualmente que o papel da mídia pode ser avaliado. Se a imprensa levar em conta apenas seus compromissos políticos e interesses financeiros, a população ficará numa situação de orfandade noticiosa e incapacitada para avaliar areal dimensão da crise. Os conglomerados jornalísticos nacionais estarão repetindo os mesmos erros cometidos há cinquenta anos

 

Leia também

O jornalismo diante da agenda negativa da imprensa – C.C.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem