Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CÓDIGO ABERTO > Desativado

A mídia e a rua

Por Luiz Weis em 23/04/2009 | comentários

A certa altura do seu bate-boca com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, o ministro Joaquim Barbosa o exortou: “Saia à rua, ministro Gilmar, faça o que eu faço.”

“Eu estou na rua, ministro Joaquim”, respondeu o outro.

Ao que Barbosa retrucou: “Vossa excelência não está na rua não, vossa excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro.”

Claro que, para ele, estar na rua é estar em contato com a opinião pública, também conhecida como a opinião das ruas. Claro também que Barbosa quis dizer com isso é que a rua reprova o comportamento do titular do STF.

Quis dizer ainda, na tréplica, que a mídia é uma coisa e a rua, outra – embora ambas tenham a ver com a formação das opiniões.

Nas sociedades de massa, a mídia é a fonte primária de informação sobre tudo que não faça parte da experiência direta das pessoas e dos seus círculos de relações (parentes, amigos, colegas, vizinhos…).

Quanto ao resto, a relação entre a mídia e o público passa por uma série de filtros antes de se cristalizar em ideias, juizos e eventualmente atitudes. O percurso entre a notícia e a visão que dela se acaba tendo é uma jornada por etapas – das quais a principal, talvez, envolve a participação dos chamados “formadores de opinião”.

São os que se distinguem pela confiança que inspiram e pela impressão que transmitem de saber do que estão falando. A sua autoridade deriva, portanto, de terem eles “moral”, em mais de um sentido da palavra, para persuadir o próximo da procedência do que dizem. Nem todos, evidentemente, formam opiniões sobre qualquer coisa e há uma troca permanente de papeis entre formadores e formados, conforme os assuntos.

Essa interação é muito ampla. Para começar, até a importância que se atribui a um fato divulgado pode depender dela. Além disso, os formadores de opinião nos grupos sociais a que se pertence também formam opiniões sobre os próprios formadores de opinião da mídia. No limite, sobre a própria mídia.

É como se em cada esquina de conversação nos nossos grupos de convivência houvesse alguém mais credenciado do que os outros para orientar o tráfego de ideias.

Para os críticos de Gilmar Mendes, na esquina onde se avalia o seu desempenho, ele parece vir na contramão do sentimento da maioria. Em parte por seu protagonismo – a frequência com que aparece na imprensa falando com desenvoltura sobre tudo que é assunto –, em parte pelos dois habeas-corpus que concedeu a Daniel Dantas.

Terá sido isso que o ministro Joaquim Barbosa quis dizer quando acusou Mendes de estar na mídia, “destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro”.

Seria interessante saber se ele também acha que a mídia é mais acolhedora do que a rua para o presidente do Supremo. Se for verdade, os formadores de opinião na sociedade terão prevalecido sobre os formadores da opinião publicada.

Os perdigueiros do Congresso

Esta semana saíram os resultados do Prêmio Pulitzer de 2009, o mais importante da área cultural nos Estados Unidos, abrangendo jornalismo, artes, música e literatura. Pela primeira vez, puderam concorrer órgãos de imprensa que existem exclusivamente na internet. O máximo que um deles [Politico.com] conseguiu foi ficar entre os finalistas.

Se, no Brasil, o Prêmio Esso já contemplasse o jornalismo online, o próximo vencedor na categoria Reportagem bem que poderia ser o site Congresso em Foco – pela massa de evidências que levantou sobre a farra dos parlamentares com as suas cotas de passagens aéreas.

Se você ficou sabendo pelos jornais, entre outros vexames, que nos últimos 22 meses 261 deputados – portanto, mais da metade do total – patrocinaram ou fizeram 1.885 viagens ao exterior com o seu dinheiro, agradeça aos diligentes perdigueiros do Congresso em Foco.

Um título de lascar

Desde que o seu nome entrou no noticiário, como suposto envolvido em um esquema de favorecimento de municípios no pagamento de royalties da Petrobras, o diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Victor de Souza Martins, a imprensa inteira fez questão de publicar que ele é irmão do ministro de Comunicação Social, Franklin Martins. É, mas e daí? O que isso tem a ver com as razões por que aparece na mídia?

Na quarta-feira, 22, ele foi ouvido na Comissão de Minas e Energia da Câmara. “Passei a ser Victor Martins, irmão do ministro”, observou. “Quando fui indicado para diretor da ANP, meu irmão trabalhava na Globo, não era ministro.”

O depoimento foi noticiado pela Folha sob um título que começa assim: “Para irmão de Franklin…” É de lascar.

Todos os comentários

  1. Comentou em 27/04/2009 REGINATO Moschen

    Olá,

    E não é a primeira vez que o caro Barbosa entra numa discussão dessas… lembram da birra contra Eros? Agora contra o chefe da Casa… é melhor o Sr Ministro tomar cuidado… e se ele estiver certo o que teremos que fazer? Ea Imprensa? abs!

  2. Comentou em 26/04/2009 Lau Mendes

    Sr.Weis tem razão; não se salva muita coisa; é mesmo de lascar; é brochante mesmo…
    Como exigir mais? Esperar que “jornalistas” fossem sérios profissionais não meramente divulgadores de ti-ti-ti, fofocas como se não houvesse questões sérias em jogo se até o presidente do stf “se acha” e age como uma celebridade, e as intenções não são claras, e como tal não deixa microfone sem palavra. Como?

  3. Comentou em 25/04/2009 Bruno Santos

    Falta ao OI fazer uma análise honesta sobre o divórcio absoluto entre mídia e opinião pública no Brasil.

    Nota do OI: Prezado leitor, consulte nossa página de Edições Anteriores.

  4. Comentou em 25/04/2009 alfredo sternheim

    Esta história da mídia publicar filho de…. irmão da… é relativa. Creio que, tratando-se de parentesco com jornalistas, um comentarista político precisa ser apontado se é casado com pessoa liagada a partido ou ao governo, seja marqueteiro, deputado, etc. De resto, a imprensa costuma ser seletiva. Assim como agora enfatizam a condição de irmão do ministro Franklin, ou antes do irmão de José Genuino (todos ligados ao governo Lula), no dia-a-dia a imprensa costuma ‘esquecer’ de enfatizar aquela funcionária que disse que o senado é uma bagunça (e por isso presta serviços ao sen. Heráclito em casa) como filha do ex-presidente FHC. Ou então que aquele deputado jovem, corregedor da comissão de ética que viajoua Paris com a esposa usando passagens do congresso, é neto do falecido ACM. E que Rodrigo Maia, também envolvido no festival de gastos e passagens , é filho de Cesar Maia. Por outro lado, quase sempre, se se omite os partidos, se for d aoposição. Isso sim, é indignação seletiva. Para o bem ou para o mal. Neste festival de passagens, só hoje ficamos sebando que desde 2007, existe nas gavetas da Câmara projeto de um desconhecido deputado do PT criando limites para transferências e uso indevido. Mas a imprensa jamais soube ou noticiou. Por omissão, a imprensa, assim como os congressistas viajantes e aqueles que se calaram a respeito (Suplicy, Sarney) são culpados.

  5. Comentou em 25/04/2009 marcos omag

    Eu não fica mais surpreso com os absurdos da ‘Folha de São Paulo’. Para defender a candidatura de José Serra à Presidência da República, os Frias parecem ter realmente adotado o lema de ‘Veja’: às favas com a credibilidade!

  6. Comentou em 25/04/2009 Rodrigo Gomes da Paixão

    É bom saber que pelo menos um dos integrantes do circo televisivo que virou a Suprema Corte brasileira (mais conhecida como tribunal de ricos e poderosos como Dantas e Tranchesi – coisa que Gilmar Mendes saberia se estivesse nas ruas conversando com o povo, ao invés de passar 99% de seu tempo na mídia chamando membros do poder executivo ‘às falas’), defende o povo. (A Corte é Suprema só no nome, pois onde já se viu a última instância jurídica do país discorrer de assuntos tão banais quanto habeas-corpus?). Mas também pudera, pois diferentemente de coronéis alagoanos e mato-grossenses ali presentes, Joaquim veio do povo! Parabéns ministro Barbosa. A despeito da grande imprensa golpista – que acha que seu público é o mesmo ‘couch potato’ de dez anos atrás – a opinião pública estará contigo sempre que o senhor defender o que é digno.

  7. Comentou em 24/04/2009 Gilberto Simplício

    Quando o ministro Joaquim Barbosa disse que o presidente do Superior Tribunal Federal está na Mídia e não na Rua, ele estava simplesmente falando dos grandes meios de comunicação conservadora que domina toda a mídia brasileira. A mesma Mídia que foi derrotada pela Rua nas últimas eleições.

  8. Comentou em 24/04/2009 ubirajara sousa

    Nada a declarar a não ser que concordo plenamente com tudo o que falou o senhor Sidnei Brito, Servidor Público (São Paulo/SP). É de lascar, não é, senhor Weis? Só que, antes, não vi o senhor fazendo qualquer referência a isso. Ou es estou enganado?

  9. Comentou em 24/04/2009 Roberto Garbuggio

    Bravo Ministro Barbosa, os dignos agradecem.Abraço.

  10. Comentou em 24/04/2009 OTAVIO BARROS DA SILVA barros

    Parabéns, ministro Joaquim Barbosa. Até que enfim o senhor teve a coragem de dizer a Gilmar Mendes “Dantas” o que está entalado na garganta dos demais ministros e de milhões de brasileiros.
    O senhor provou que é um brasileiro de coragem.

  11. Comentou em 24/04/2009 Flaviana C Costa

    De lascar mesmo é o nosso dinheiro ser esbanjado pelos deputados e seus, ou melhor, suas respectivas acompanhantes em várias viagens ao exterior…

  12. Comentou em 24/04/2009 Marco Antônio Leite

    O currículo desse homem com H maiúsculo Ministro Joaquim Barbosa mostra o quanto essa criatura tem feito para se dedicar as causas de figuras corruptas e nefastas ao regime semi-democrático em vigor para colocá-los atrás das grades. Na realidade o melhor de sua saga é a coragem e destemor ao mostrar ao Brasil sua postura firme ao chamar a atenção do charlatão Gilmar Dantas Mendes. Esse homem merece todo a nossa admiração e respeito. Viva o Ministro Joaquim Barbosa, nosso herói!

  13. Comentou em 24/04/2009 Pedro Pereira Pereria

    Parabenizo pelo texto sobre a mídia,
    Há muito vemos uma dicotomia não dialética e as vezez espúria na mída nacional.
    Há pouca preocupaçao em informar e as conclusoes passam longe de um processo isento,o que dá pra saber a partir do momento que se identifica o autor do texto.
    Posturas idependentes são ignoradas e opinioes não interessam e sim de qual lado vc esta jogando.
    Não importa se o Gilmar ou Barbosa se preocupam com a democracia e sim qual base se apoio eles tem.
    E como se houvesse grupos apostando para ver qual vai cair primeiro
    Isso não é exercício da democracia e é extremamente perigoso para um pais.Principalmente quando periodicos ou blogs perdem a postura e passam a patrocinar indivíduos para conturbar ou menosprezar o debate. Ao alimentar corvos tome cuidados com os olhos

  14. Comentou em 24/04/2009 wagner guimarães

    O riso de escário do ministro Gilmar Mendes ontem foi emblemático sobre a forma como aquela instituição trata a sociedade brasileira. colocado no cargo pelo BHC para defender suas lambanças, coloca-se como o protagonista da voz da consciência perdida, mas para o grande público esta nitída a sua intenção de defender os poderosos que dilpaidam o erário público. Este país já cansou de cordeirinhos, precisamos de pastpres que usem o cajado para além do que simplesmente dar curso ao rebanho.

  15. Comentou em 24/04/2009 Jose de Almeida Bispo

    ‘Se você ficou sabendo pelos jornais, entre outros vexames, que nos últimos 22 meses 261 deputados – portanto, mais da metade do total – patrocinaram ou fizeram 1.885 viagens ao exterior com o seu dinheiro, agradeça aos diligentes perdigueiros do Congresso em Foco.’
    QUEM mais se beneficia com a ‘abertura’ do uso de passagens aéreas são exatamente os jornalistas-pistoleiros, os que não aparece nas folhas de pagamentos porque recebem em passagens aéreas, firmas fantasmas de prestação de serviço, planos de saúde, atenuação de gordas pensões alimentícias pagas diretamente às (aos) interessadas(os)… o diabo. Quem mais tem conhecimento disso são… os jornalistas. A história só veio à tona pra pegar o Protógenes. No mínimo desgastá-lo: um ‘comunistinha aloprado da PF mancomunado com outra esquerdóide gaúcha’, foi isso que pensaram. Quando se deram conta, era tarde demais. O feitiço virou contra o feiticeiro.
    Aliás, quem é o financiador do Congresso em Foco? Alguém tem de pagar a conta. Como disse aquele outro que quase vira santo: ‘Não existe almoço de graça.’

  16. Comentou em 24/04/2009 Fábio Vieira da Rosa

    Parabéns ao MINISTRO BARBOSA, pela coragem de enfrentar o gilmar dantas. Não estou vendo nada na imprensa a respeito dos capangas de Mato Grosso que o MINISTRO CITOU. Para quem acompanha as informações na internet sabe do que o MINISTRO BARBOSA esta falando.

  17. Comentou em 24/04/2009 Jota LEO.

    O interessante neste episódio, foi a falta do aspecto varonil dos juizes. Ao assinarem uma nota de apoio ao presidente contendedor do STF, embarcaram na sua canoa, confirmaram a subserviência à destruição da credibilidade do judiciario barsileiro.

  18. Comentou em 24/04/2009 Sidnei Brito

    Você foi direto, Weis: espremendo, espremendo, a censura dirigida a Gilmar Mendes pelo ministro Barbosa foi também um recado para a mídia, ou seja, as ruas não querem o presidente do Supremo; já a mídia lhe dá espaço demais. Quanto ao ‘irmão de Franklin’, devo dizer que isso não constitui novidade: lembra-se do Genival? Não se lembra? Talvez porque a mídia só o chamava de ‘irmão de Lula’! E responda rápido, como vai o Roberto Teixeira? Roberto o quê? Ah, claro, na imprensa ele era o ‘compadre de Lula’. Até mesmo Silas Rondeau, quando foi acusado de se meter naquelas encrencas da Gautama e cia. limitada, protagonizava manchetes da Folha sob o epíteto ‘ministro de Lula’. No fundo, no fundo, não se quer dar a notícia sobre qualquer dessas figuras; mas antes falar a quem elas se ligam de forma mais umbilical. Noutras palavras, ninguém liga para o Victor; o que se quer é atingir o Franklin, que, dependendo, deixa de ser Franklin e vira ‘outro ministro de Lula’.

  19. Comentou em 24/04/2009 Ernesto Marra

    Bpm dia, Luiz
    Aqui no RJ noticiaram , por várias vezes, ‘ Advogado de Maluf suspeito de lenocínio’. O que é que o deputado paulista tem a ver o que fazem nas horas vagas sua legião de advogados ?

  20. Comentou em 24/04/2009 Gersier Lima

    PIG versus INTERNET.gilmar dantas mendes versus Joaquim Barbosa.Os dois primeiros representam o atraso no Brasil,os dois últimos o POVO.Faltou o Ministro Barbosa dizer ao dantas mendes:frequente a internet.Com exceção dos blogs de ra,josias e congêneres que bajulam a pseudo elite,a maioria esmagadora aprovou a atitude do grande Ministro Barbosa.Será quantos e-mails e o mais importante,de quem, o gilmar recebeu?E os oito “ministros” ?Será que os três querem uma “boquinha” como os outros cinco na “escola” do dantas mendes?Quanto a globo,um dos cânceres do Brasil,que persegue o “irmão” do Ministro F.Martins,nada a estranhar.Esse câncer sempre agiu de má fé e não respeita nem mesmo quem serviu à casa.É outra que a PF deveria investigar.Recebeu ao arrepio das leis brasileiras seis milhões de dólares do grupo Time-Life e posa de “santinha e ética”.Age como os políticos que ela dá guarida.Os gambás se cheiram.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem