Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1006
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

A mídia e o(s) jogo(s) pesado(s)

Por Luiz Weis em 13/03/2008 | comentários

”Governo joga pesado e consegue aprovar a criação da TV Brasil”, diz um título do Globo de hoje.

O jornal não estaria errado se tivesse dito: “Oposição joga pesado e não consegue impedir a criação da TV Brasil’.

Ou, como se lê no único editorial do dia sobre o assunto, no Estado:

”[…] a oposição, radicalizada, não tem do que se queixar quando o outro lado a faz provar do próprio veneno.”

E mais:

”Desde que subiu ao Senado […] a MP da TV Pública foi alvo da guerrilha parlamentar do PSDB e do DEM para que morresse na praia. […] Na sessão da terça-feira, a oposição recorreu aos artifícios que estavam a seu alcance para deixar no limbo a MP da discórdia.” […]

”Os senadores oposicionistas aproveitaram o dia para discorrer sobre temas de alta indagação, como a devassa autorizada pela Justiça no apartamento do falecido senador Antonio Carlos Magalhães, numa disputa sobre a sua herança, até a proibição a uma jornalista de entrar no plenário por causa do seu traje.”

”Se essas manobras são permitidas pelas regras do jogo (duro), o mesmo se dirá do troco recebido.”

Todos os comentários

  1. Comentou em 14/03/2008 Odracir Silva

    Caro Ricardo, se os ditos cujos foram eleitos, entao fazer o q, nao ee? eles tem todo o direito de votar. Assim como o gov. Lula tem todo o direito de fazer a TV publica, jaa q ee um gov. legitimo, mesmo eu nao gostando. Como escrevi no meu post, eles colocam as pessoas q quiserem ali, o q no caso sao 2 jornalistas q tem um intimo contato c/ o planalto (uma fazendo jantares de jornalistas amiguinhos c/ o presidente, e a outra caguetando o caseiro para o senador petista Tiao Viana). Ao contrario da sua percepcao, nao tenho nada contra a TV publica em si. A melhor publica q eu considero, a TV cultura, tb ee uma TV politico-partidaria, e mesmo assim haa bons programas por laa. O sucesso da tal TV vai ser medido pela sua popularidade, dai veremos se foi um ‘fome zero’ (i.e, um desperdicio de dinheiro) ou se foi um ‘bolsa familia’ (o q alias vem do gov. anterior). Agora, o q ee de se lamentar foi a maneira de como foi composta o seu conselho curador.

  2. Comentou em 14/03/2008 Ricardo Pereira

    Com todo respeito ao meu caro ‘imagem especular’ da silva, os donos de radio e tv do lado do governo tb deveriam ser impedidos de votar. Concordo em parte com o fato que a tv publica foi imposta a nós. Mas é o tipo de imposiçao que favorece a populaçao, que lhe traz beneficios. Tem outras coisas que a midia nos impõe, como o BBB, que sao deleterias para as mentes. Chamar os jornalistas que foram convidados a participar da tv publica de chapa-branca é desqualifica-los sumariamente sem reconhecer seus meritos. Alguem teria que trabalhar nesta nova tv, concorda? so porque sao estes, ja sao chapa branca. Como diria um camarada de Limeira: ME ECONOMIZA!

  3. Comentou em 14/03/2008 Alexandre Carlos Aguiar

    ‘…a oposição grita e esperneia, mas será o governo de amanhã.’ Hum, duvido. É só andar um pouquinho pelas ruas. Quanto à relevância do Senado da República, faço coro ao Sr. Marco Vitis, Professor (São Paulo/SP).

  4. Comentou em 14/03/2008 Hans Misfeldt

    A TV Pública sairá do papel somente no próximo Governo, não sairá da noite pro dia para sair falando bem do governo Lula, como muitos especulam. Com certeza entrará no ar com outro partido no poder, e diga-se de passagem, a oposição, hoje, grita e esperneia, mas será o governo de amanhã…

  5. Comentou em 13/03/2008 Carlos Pontes

    Não sei o que está melhor; o artigo ou os comentários. Estou de pleno acordo que o sistema bicameral é muito oneroso para o país e que a maioria dos senhores senadores que ali se encontram, estão preocupados com seus negócios e não em defender os interesses da população brasileira.
    O senado que temos hoje, é praticamente no mesmo modelo que existia em Roma na época dos Césares, ou seja, já está mais do que ultrapassado.
    Se o senado fosse fechado e os deputados federais tivessem a obrigação de votar os projetos enviados pelo presidente, seja lá quem estiver no poder, sob pena de perder o mandato, com certeza, a situação seria outra.
    Outro ponto que considero relevante, os parlamentares que tivessem concessão de rádio ou televisão não poderiam votar nas matérias que fossem relacionadas ao tema, só assim poderíamos ter a certeza de que algo poderia mudar neste tão maravilhoso país.

  6. Comentou em 13/03/2008 hugo Werle

    Parabéns Luiz Weiss, texto curto que diz tudo. Demonstra toda inconformidade dos gospistas da oposição e do PIG com a criação de uma rede pública, coisa que já existe em todos os países democráticos da europa. Pos vezes o OI me surprende. att.

    Nota do OI: Surpreenda-se mais aqui.

  7. Comentou em 13/03/2008 Odracir Silva

    Acho q o racicionio do caro Ricardo seria correto, se nao fosse pelo fato de q do lado governista haa varios donos de TV tb. Acho q o post escreve o obvio , q tudo foi um jogo politico nas casas legislativas. So nao entendo o pq da indignacao c/ a oposicao… Porem, a questao ainda fica, pq nesta tv publica foi feito tudo de cima p/ baixo? taa certo q o gov. quer colocar todos os jornalistas chapa brancas da midia, como a Tereza ‘jantar’ Cruvinel, Helena ‘caseiro’ Chagas para programar a TV. Porem, poderia fazer um conselho mais democratico, o q segundo entendi, soo foram nomeados amiguinhos do planalto.

  8. Comentou em 13/03/2008 Marco Vitis

    A hipocrisia é enorme. Quem assistir uma sessão na TV Senado comprovará que o Senado da República não seve para quase nada. Serve apenas para xingamentos entre os pares; ataques xulos ao presidente da República e hipocrisias generalizadas. Precisamos acabar com o sistema bicameral. Gastamos muito dinheiro com a baderna no Senado…

  9. Comentou em 13/03/2008 José Orair Silva

    Concordo com o comentário de Ricardo Pereira. Segundo consta, um terço dos senadores são coronéis eletrônicos e se tivessem um mínimo de ética deveriam se declarar impedidos de votar. Mas no Brasil vale tudo. Vale o que quiser. Vale até coronel eletrônico votar matéria relacionada com TV pública…

    Nota do OI: Ver, neste Observatório, os relatórios das pesquisas ‘Concessionários de radiodifusão no Congresso Nacional: ilegalidade e impedimento‘ e ‘Rádios comunitárias: coronelismo eletrônico de novo tipo (1999-2004)

  10. Comentou em 13/03/2008 Ricardo Pereira

    Concordo com sua correçao ao titulo. E acrescento: ja estava na hora de uma reaçao por parte do governo. É muita desfaçatez destes senhores, proprietarios de veiculos de comunicaçao, tentarem barrar a tentativa do governo de implementar um novo caminho, uma nova postura frente à pessima qualidade de programaçao que temos. Na verdade, acho nonsense que quaisquer deputados ou senadores que possuam retrannsmissoras de tv comercial, possam votar esta materia, visto que é obvio seu interesse no boicote deste assunto. Afinal, o medo maior é que o governo retire sua gorda fatia publicitaria dos veiculos comerciais para investir na rede publica, o que nao seria catastrofico…a globo sabe disto e certamente está por trás desta atitude da oposiçao.

  11. Comentou em 13/03/2008 Ivan Moraes

    Nem que o jornalista estivesse numa mini-saia cor de rosa eles deixariam de ser reis pelados!

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem