Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

A moral provisória no jornalismo

Por Carlos Castilho em 12/05/2009 | comentários

Finalmente terminei de ler o livro Ética, Jornalismo e Nova Mídia, de Caio Túlio Costa[1]. Foram três semanas para explorar e digerir o conteúdo de um livro recém lançado e que deve provocar muita polêmica entre os jornalistas porque mexe fundo numa série de rotinas, crenças e valores da atividade.


 


Disse ‘finalmente’ não porque o livro seja pesado ou chato de ler. Muito pelo contrário. É que ele nos obriga a refletir o tempo todo, tornando compulsória a releitura de parágrafos e capítulos inteiros para absorver toda a riqueza dos argumentos levantados por Caio Túlio.


 


Na minha maneira de ver, a idéia mais importante do livro é a de que não existe objetividade jornalística absoluta, o que desmancha o principio da imparcialidade e isenção, debilita os conceitos de certo e errado e nos conduz à ética como o recurso individual capaz de nos orientar na complexidade da avalancha informativa contemporânea.


 


Caio faz isso recorrendo a uma detalhada contextualização histórica na qual mergulha nos clássicos da Grécia antiga, mas também recupera autores cuja relevância foi ofuscada pela passagem do tempo. É o caso do alemão Tobias Peucer, autor da primeira tese de doutorado sobre jornalismo, nos idos de 1690, e de autores como Karl Kraus, Michel Cioran e Gilles Gauthier, que discutiram a questão da objetividade desde o século 19.


 


O subtítulo do livro (‘uma moral provisória’), usado por Caio Túlio, está vinculado à sua constatação de que o jornalismo na era das novas mídias adota uma moral de conveniência, usando padrões que são condenados na teoria, mas aceitos na prática. O autor diz que os jornalistas atuais seguem a mesma “moral temporária” com que o filósofo francês Jean-Paul Sartre explicava suas mentiras bondosas para não provocar sofrimentos às suas namoradas.


 


O uso de fontes anônimas, microfones e câmeras ocultas seriam na verdade “mentiras justificáveis” em função de um interesse maior. Caio faz, no entanto, uma observação chave: a “moral provisória” seria uma imposição da indústria do jornalismo e não uma norma da atividade, cujos manuais não contemplam o uso desses expedientes.


 


A questão da objetividade é chave para o posicionamento do livro no debate de uma questão que é essencial para a definição dos novos valores do jornalismo. Ao fazer uma detalhada análise dos autores que trataram do tema, Caio engrossa a corrente dos que afirmam que a objetividade absoluta não existe. O jornalismo deixa, então, de ser uma fotografia da realidade para ser o oficio de representar representações. O jornalismo-fotografia é parte do conceito de que o profissional conseguiria reproduzir a realidade tal como ela é e não como ela a capturou.


 


A palavra ‘representar’ é um termo herdado da academia para definir a construção de uma percepção da realidade, baseada nas percepções de outras pessoas, como acontece quando o jornalista entrevista testemunhas de um evento para produzir uma reportagem sobre este mesmo evento.


 


O questionamento da objetividade como valor absoluto é também reforçado por todas as teorias modernas sobre cognição e semiótica. Os estudos de cognição mostram que nós só conseguimos ver uma parte da realidade ao elaborar os mapas mentais que embasam nossas percepções. Num ambiente de avalancha informativa, a relativização da objetividade é ainda mais relevante porque a informação e a notícia passaram a ser dinâmicas, ou seja, estão em permanente modificação. 


 


Caio Túlio cita Gauthier para mostrar que “a objetividade textual se refere à relação entre realidade e texto, à fase em que a realidade é codificada em signos. Credibilidade é a percepção do receptor sobre a relação entre a realidade social e a realidade midiática”.


 


A codificação em signos é um processo pessoal que está condicionado ao contexto individual. Logo, todo o processo de construção de credibilidade está também vinculado a esses fatores e influencia a percepção de quem lê uma notícia no jornal ou assiste a um telejornal.


 


Se não existe uma objetividade absoluta, a ética torna-se o principal parâmetro para um internauta definir o que para ele é certo ou errado, justo ou injusto. No momento em que os códigos de conduta e valores históricos passam a ser questionados severamente pela nova ecologia social da era digital, a discussão sobre ética passa a ter uma importância inédita em nossas vidas.


 


Já não se trata mais de impor os famosos códigos de ética que na verdade não passam de manuais de comportamento, mas de abrir espaços para a discussão sobre ética individual. O caminho para acharmos uma luz no fim do túnel da atual complexidade e caos informativo contemporâneo.


 


O livro de Caio Túlio propõe justamente isto: uma grande reflexão, preferencialmente compartilhada e coletiva, sobre o novo papel da ética na comunicação.  






[1] Caio Túlio Costa foi o primeiro ombusdman da Folha de S.Paulo, ex-presidente do iG e ex-diretor do UOL. Tem o doutorado em comunicação pela Universidade de São Paulo e é prefessor de ética na Faculdade Cásper Libero, em São Paulo.

Todos os comentários

  1. Comentou em 18/05/2009 Rogério Kreidlow

    Parece interessante o livro. Só algumas coisas que me fazem pensar (tomara que me faça entender): na prática, como explicar que o jornalismo é ‘fotografia da realidade’, se o que está escrito (principalmente no papel) serve até como prova jurídica? A pessoa olha para uma árvore, aquilo é uma árvore, não uma representação. Ou então tudo o que escrevemos é passível de não trazer nenhuma verdade, o que não serve muito bem para a vida cotidiana, quando você precisa reaver os danos em seu carro, o roubo a sua loja, o assédio moral, um crime ambiental etc. E ética também uma abstração dificil de entender no dia-a-dia. Publique uma ntícia de que duas adolescentes brigaram numa escola, uma delas estava armada com uma faca e a outra sofreu traumatismo craniano ao ser agredida (fato real). Chovem trocentos comentários dizendo que a agressora deve se condenada, prisão perpétua, ‘apanhar uma coça’, ‘limpar o banheiro da escola com a língua’. Se 400 pessoas comentam nesse tom, isso não é uma demonstração do que o coletivo quer? E aí, a comunicação pega uma coisa, nossa vida imediata-instinto, pede outra. A realidade é difícil de entender é sempre mais embaixo, na prática. Como afinar o que nós, imprensa, dizemos com o que o público lê e entende? Porque tem gente que consegue entender tudo, menos o que está no texto também. Abraços

  2. Comentou em 14/05/2009 manoel rodrigues

    ETICA??? Me desculpem, mas ética eh coisa que vcs jornalistas desconhecem. Todo dia se ver a falta de ética nessa nossa imprensa escrita e televisiva.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem