Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

A mudança de comportamento dos leitores de blogs

Por Carlos Castilho em 19/02/2006 | comentários


O que antes era uma hipótese, está agora ganhando ares de fato real. As pessoas começam a transfomar a internet num canal de comunicação próprio, independente dos veículos de comunicação e fora do controle dos governos.


O fenômeno pode ser visto pelo volume crescente de comentários de leitores e navegadores postados em weblogs. Além de cada vez mais numerosos, os comentaristas começam a mostrar um sentimento de posse do espaço onde opinam.


Acredito que boa parte do crescimento dos acessos à blogs é uma consequência deste desejo de se fazer presente tentando ser escutado. Na hora em que isto se torna possível, começam a surgir veradeiras comunidades, onde os comentaristas discutem entre si, fora do controle do responsável pelo blog.


O ímpeto participacionista é tanto, até nos Estados Unidos, que lá alguns jornais online permitem que as pessoas comentem até anúncios, o que acabou com a torre de marfim dos publicitários.


E quem observar com cuidado os comentários, verá que muitos dos seus autores já manifestam o desejo de criar os seus próprios blogs, expandindo ainda mais as fronteiras da blogosfera e ampliando o impacto da presença destes novos atores na arena da informação.


Trata-se de um fenômeno mundial e que tende a crescer já que um novo blog é criada a cada segundo, conforme dados do projeto Estado da Blogosfera (The State of the Blogosphere ).


O crescimento vem ocorrendo não apenas nos setores sociais com poder aquisitvo suficiente para ter um computador e linha telefônica física, mas também entre a classe média baixa que hoje frequenta os cibercafés para ler e comentar blogs.


Num cibercafé que visitei recentemente, cinco das 12 pessoas presentes estavam acessando blogs ou postando comentários. Segundo o administrador do local, a frequência é formada por adolescentes e por pessoas com mais de 30 anos. Esta diversificação de faixa etária é confirmada de certa forma pelas profissões dos comentaristas em blogs, embora o dado não seja 100% confiável, porque cada um se identifica como desejar.


O inchaço da chamada blogosfera mudou também o perfil dos blogs. Antes a maioria era sobre tecnologia ou no formato Meu Diário. Agora o tema política domina cerca de 1/5 dos blogs nos Estados Unidos.


Aqui no Brasil, não temos estatísticas apesar de sermos um dos cinco países do mundo onde a internet cresce com mais velocidade mas a presença dos blogs politicos e bem visível. Aliás por falar em estatísticas, já está na hora de alguma instituição nacional promover uma pesquisa para traçar um perfil dos blogs brasileiros e identificar tendências entre eles.


Aos nossos leitores: Serão desconsiderados os comentários ofensivos, anônimos e os que contiverem endereços eletrônicos falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 26/03/2006 Diego Navarro

    Eu tenho uma impressão recorrente — reforçada pela minha experiência com a faculdade de comunicação e como autor/leitor de blogs) de que o jornalismo em si é um produto do curto intervalo entre o surgimento da editoração a custo baixo (por volta de Gutenberg) e o surgimento da editoração a custo zero. Dado que publicar era caro, fazia-se necessária uma casta profiissional que ouvisse todos os lados de uma questão e intermediasse seu debate, tornando-o público.

    Agora, os proverbiais lados da proverbial questão falam por si sós a quem quiser ouvir, e em particular falam de maneira pública um com os outros. Parafraseando não sei que banda de rock brasileira, ‘Dizem que ela existe pra ajudar /Dizem que ela existe pra proteger / Eu sei que ela pode te parar / Eu sei que ela pode te prender / Imprensa pra que precisa / Imprensa pra quem precisa de imprensa.’

    É preciso relembrar a quantidade de erros graves e mesmo fraudes diretas da imprensa americana que os blogues cataram durante 2005?

    Eu, pessoalmente, acho que é equivocado pensar em blogs como jornalismo porque o jornalismo em si está ficando obsoleto. Claro, blogs são parciais. Escrevi sobre isso (http://www.navarro.mus.br/diego/?p=231) uma vez, e francamente, não penso que isso seja tão grave quanto a fantasia irreal de imparcialidade que a imprensa assumiu para si.

  2. Comentou em 22/02/2006 The DarkMaster

    Ando comentando menos em blogs ou nem comentando. Por mais que eu faça críticas imparciais, ou evite partir ‘para a ignorância’ como se diz meus posts são quase sempre apagados, como se não quisessem saber a minha opinião ou como se a opinião de pessoas iradas tivesse muito mais peso do que a minha.Alegam ‘você colocou Mail falso’ (sim, o mail acima é falso de fato) Mas porque vou colocar meu nome e mail verdadeiros, sendo que desconheco o local onde estou postando e mais ainda, quero evitar o mal uso do meu endereço de Mail? Quando quero entrar em contato com as pessoas uso de outros meios.Quanto ao texto quem faz um blog realmente quer ser ouvido e geralmente é impedido pelos meios de comunicação ‘normais’, mas a credibilidade dos mesmos vai depender do quanto o autor se atêm aos fatos, coisa que infelizmente aqui no Brasil dificilmente vejo acontecer

  3. Comentou em 21/02/2006 Fabio de Oliveira Ribeiro

    Houve um tempo em que o monopólio da divulgação da notícia era dos jornalistas e dos jornalões. Nem sempre ambos agiram com responsabilidade e quase sempre não foram responsabilizados pelos abusos que cometeram. Isto é um fato. Também é um fato que a Internet criou condições para que qualquer pessoa possa manter o seu blog e fazer seus comentários. Coibir a criação de blogs não é só tecnicamente impossível, é culturalmente contraprocudente e sociologicamente incompatível com o atual estágio de desenvolvimento da sociedade. Mas isto não quer dizer que viveremos sob uma ditadura dos blogs. Ao contrário, quando mais fontes à disposição mais seletivo se torna o leitor. O destinatário das mensagens veiculadas na Internet é o senhor todo poderoso que define o que ler e a quem dar credibilidade. Os conteúdos não são mais definidos por uma casta, pois quem tiver conteúdo tem condições de divulgá-lo. A credibilidade nunca mais será automaticamente conferida aos jornalistas e jornalões. Quem adquirir credibilidade poderá desfrutá-la sob os olhares temerosos e invejosos dos concorrentes. Neste admirável mundo novo TODOS SOMOS CONCORRENTES e todos estamos igualmente submetidos ao império do julgamento do internauta, que pode copiar, colar, comentar, reduzir, ampliar, modificar e até ignorar o que escrevemos. Assim seja.

  4. Comentou em 20/02/2006 Sergio Telles

    Considero realmente que o descrédito que a grande imprensa brasileira consolidou em 2005 motivou a muitos – inclusive eu – a criar blogs políticos aqui no Brasil, aumentando o espaço para ‘outra opinião’, uma vez que os grandes canais jornalísticos sempre estão monotônicos e alinhados com interesses contrários a de uma significativa parte da sociedade – significativa parte que foi capaz de eleger um presidente do povo e que mantém bons níveis de avaliação a este mesmo depois do golpe midiático que sofreu.

    Quanto a espaço para comentários, acho que é complicado permitir que se transforme em um fórum dentro do próprio blog, uma vez que a identificação na internet é limitada ou incontrolável e o nome que está em jogo é o do dono do blog.

    Em meu blog, http://fallaserio.blogspot.com, eu até tinha espaço para comentários mas retirei, mas abro espaço claro para receber e-mails com críticas e sugestões. E particularmente, caso o e-mail que eu receba seja de conteúdo interessante, posso vir a perguntar ao autor se ele permite que eu poste o conteúdo (isso já ocorreu uma vez, uma opinião contrária a minha sobre as cotas em universidades públicas).

  5. Comentou em 20/02/2006 Aluizio Amorim

    Caro Castilho:
    tenho notado pelo controle diário de acessos ao meu blog que as pessoas que postam comentários representam, creio,que apenas 1% do total de visitantes. Estou chutando, claro. Ainda não fiz as contas. É que verbalizar através da escrita ainda inibe muita gente. As pessoas têm medo de cometer erros ou também não comentam por timidez, medo ou vergonha. Ou ainda, por puro oportunismo. Não querem se envolver em nada. Isso é muito comum aqui no Bananão. Todos querem levar vantagem. Ninguém tem coragem de ter opinião e, por isso mesmo, a cada eleição elege-se, por exemplo, um parlamento que nos envergonha. Quanto ao executivo, desta vez fomos enganados pelos espertalhões do PT. Mea culpa. Enfim, mas os blogs são isso mesmo. Vão crescer cada vez mais e terão importante influência nas próximas eleições. Pelo menos, um viva à liberdade e à democracia proporcionada pela tecnologia.
    Abs
    Aluízio Amorim
    http://oquepensaaluizio.zip.net

  6. Comentou em 19/02/2006 Eduardo Guimarães

    A explosão de blogs citada pelo autor tem que ver com o sentimento de exclusão que a mídia tradicional gera em seu público. As pessoas querem participar dos debates, sobretudo dos debates políticos, mas jornais, revistas, grandes sites de notícias, TV e rádio agem de forma autoritária. Se não gostam de um ponto de vista, por exemplo, simplesmente transformam-no em uma virtual ‘ilegalidade’. Isso sem falar que a mídia impõe suas idéias. Os blogs explodem nesse contexto, o de uma Revolução Francesa eletrônica. E, como na original, cabeças, grandes cabeças vão rolar

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem