Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

‘Agências de notícias’ personalizadas mudam rotinas de acesso a informações 

Por Carlos Castilho em 13/08/2010 | comentários

Redes sociais como Facebook já funcionam como verdadeiras agências de notícias por meio das quais as pessoas recebem as informações que desejam ou necessitam, e além disso referendadas pela recomendação de amigos ou colegas de confiança.


 Redes Sociais


Esta nova aplicação das redes sociais — incluindo You Tube, Orkut, Twitter e muitas outras — está crescendo rapidamente, a ponto de uma pesquisa realizada pelo Pew Center, dos Estados Unidos, ter indicado que 75% dos norte-americanos consomem hoje, preferencialmente, notícias indicadas por amigos por meio de redes sociais e correio eletrônico.


 


A notícia personalizada por recomendação está se tornando tão popular na Web que há segmentos inteiros de usuários, como os jovens com menos de 25 anos, onde esta modalidade informativa já supera os 95% de preferências, inclusive no Brasil, conforme pesquisas que tenho feito com alunos de cursos de graduação em comunicação.


 


As empresas jornalísticas também já perceberam a importância do fenômeno, tanto que jornais como o Los Angeles Times e emissoras de rádio ou TV, como a National Public Radio (NPR), dos Estados Unidos, terem incluído a recomendação de leitores na organização da pauta de notícias diárias.


 


No caso da NPR, uma sondagem entre 40 mil ouvintes revelou que 60,7% deles se informam basicamente através da internet, e entre estes nada menos que 74,6% recebiam notícias via Facebook. Outro resultado surpreendente: o público da rádio estava mais na internet do que na sintonia dos programas de transmissão aberta.


 


Isto dá uma indicação do grau de penetração  que a internet está alcançando na difusão noticiosa, a ponto de uma emissora ter mais público na web do que ouvintes sintonizados nas freqüências radiofônicas. No caso dos jornais, a circulação impressa já perdeu longe para os acessos online. 


 


As pesquisas da NPR e do Pew Center coincidem na constatação de que o público não só descobriu sozinho esta nova utilidade das redes sociais, como mostra uma confiança nela, muito maior do que nos veículos convencionais. Os dados da NPR indicam que 72,3% dos consultados querem que o fluxo de indicações feitas por amigos cresça ainda mais.


 


Este novo fluxo notícias personalizadas é o golpe de misericórdia nas agências de notícias convencionais, que reinaram absolutas no atacado da informação jornalística durante mais de um século. Agências como a AP, UPI, Reuters e France Presse lutam para sobreviver diversificando suas atividades fora da distribuição de notícias em escala mundial.


 


As redes sociais também já perceberam o alcance da facilidade criada e divulgada espontaneamente  pelos próprios usuários e começam a abrir espaço para facilitar a troca e recomendação de notícias. A rede Facebook criou uma interface especial com o Washington Post para que os leitores do jornal façam recomendações para amigos. Esta facilidade já existia antes, mas era pouco destacada pelo Post e pela Facebook.


 


As redações estão descobrindo como os leitores, ouvintes, espectadores e internautas podem se transformar em “co-editores” do noticiário, ampliando ainda mais a idéia de colaboração crescente entre profissionais e amadores na produção de informações jornalísticas.


 


As empresas jornalísticas ainda são os principais fornecedores primários de notícias recomendadas por leitores, mas o percentual de participação tende a diminuir na medida em que cresce a circulação de material produzido por amadores por meio de vídeos, podcasts e postagens no Twitter ou blogs.


 


O que levou os internautas a aderirem ao fluxo personalizado de informações via redes sociais foi a expectativa de que o novo sistema reduza a perplexidade e a desorientação provocados pelo que já se convencionou chamar de avalancha informativa. A recomendação não apenas filtra as informações em função do interesse ou necessidade do usuário, mas também agrega uma maior confiabilidade ao material, por conta do crédito dado a um amigo, colega ou parente.


 

Este fenômeno da informação personalizada levou o professor de jornalismo e diretor da escola de Comunicação da Universidade de Nova York Jay Rosen a afirmar que “não temos um problema de excesso de informações, mas de filtragem de notícias”. A filtragem baseada na recomendação por amigos e colegas pode ser a solução para o complicado problema da credibilidade noticiosa na web.

Todos os comentários

  1. Comentou em 16/08/2010 Ibsen Marques

    Eu ficaria feliz com o artigo mas, na verdade, não estou. Fico aqui pensando com meus botões que tipo de recomendação os amigos passam pelo facebook ou outros. Vejamos, considerando que a maioria esmagadora das pessoas em geral são muito pouco críticas, com baixo nível educacional e uma ausência quase que total no campo da leitura, seja ela informativa ou literária, não posso crer que essa mudança do papel para a Net traga benefícios visíveis, acho que muda apenas a fonte de alienação. Fica mais ou menos assim, quem lê a FSP, OESP, Veja, Globo etc, vai recomendar a leitura de notícias dessas fontes; já quem está acostumado a visitar o Oi, Brasilianas, Blogs do Nassif, PHA etc etc, vai recomendar essas fontes e assim por diante. O que parece que vai acabar ocorrendo é uma redução mais significativa do que se lê, pois já não irão às fontes, mas aos artigos específicos produzidos por elas. Haja viserira!!!

  2. Comentou em 16/08/2010 Alexandre Pastre

    E por falar nisso cadê os campos das redes sociais no próprio OI?

  3. Comentou em 16/08/2010 Jaime Collier Coeli

    A ‘filtragem’ governamental que, no momento, ainda é bem sucedida por intermedio da propaganda de ‘life-styles’ logo logo estará assegurada por inovações tipo computador quantico, por exemplo. Algumas centenas de palavras chaves automaticamente acionadas podem garantir o controle da ‘opiniática’ geral. Não há o menor risco da banalização vigente sofrer a desmoralizaçao humoristica que sem dúvida esta por merecer.

  4. Comentou em 15/08/2010 Ney José Pereira

    Se não houvesse ‘cen.su.ra’ a ‘informação’ já seria ‘personalizada’!. Até quando os meios de comunicação social na era digital lutarão a favor da ‘cen.su.ra’?. Quando da candidatura do tal Índio da Costa (DEM-RJ) a vice-presidente da República os folháctico$ Elio Gaspari e Janio de Freitas e Josias de Souza (por ordem de alta remuneração das PJs ‘pessoas jurídicas’ fizeram do jornalismo palhaçada zombando e zombando e zombando (folheteando e actavietando) sobre o ‘nome’ [Índio]. Mas, quando comentei isso (a gozação palhaçática sobre o nome (Índio) em detrimento da ‘informação’ jornalática) num artigo do Observatório da Imprensa de autoria de Luciano Martins Costa (Jornalismo não é palhaçada) fui observatoricamente ‘cen.su.ra.do’!. Atualmente os folhácticos ‘índios’ da Folha de Notícias Populares de S. Paulo (vulgo, A Folheta Popular ou A Octavieta Anuncial) pretendem passar-se por ‘sérios’ e (moralistinhas) ‘analistas’ da política brasileira. Mas, na realidade são apenas deboches e gozações e marzoquices e muita, mas, muita (falsa) moralidade. E também muita ‘Dactafolha’ ‘E nem’ só Dactafolha, mas, também Plural. ‘E nem’ só, né!. Mas, os tais Elio Gaspari e Janio de Freitas e Josias de Souza estiveram sob o domínio do ‘pajé’ Octavio Frias de Oliveira (o feiticeiro) como estão sob o domínio do morubixaba (chefe) Octavio Frias de Oliveira Filho.Não conseguirão ‘cen.su.rar’, não!.

  5. Comentou em 15/08/2010 Caroline d´Essen

    Concordo plenamente com o artigo e creio que as notícias serão cada
    dia mais personalizadas. Outro exemplo é o site DayliMe, um site que
    personaliza as notícias para seu usuário de acordo com seu perfil.
    Certamente a incomensurável quantidade de informações disponível
    diariamente na net é incompatível com a nossa capacidade de
    absorção. Até mesmo a própria função de ‘gatekeeper’ ou filtragem já
    se tornou exaustiva para o cidadão, que cada vez mais procura algo
    prático e personalizado, que satisfaça suas necessidades de
    informação. Quem sabe no futuro não haverá ‘personal journalists’?

  6. Comentou em 15/08/2010 Rafael Alves Mariano

    Particularmente sou viciado em busca de informações via Internet entre outros motivos a facilidade e a confiabilidade que só vem aumentando com o tempo, pois se compro um jornal na banca só tenho minha opinião antes de discutir com outra pessoa, já na internet e por intermédio de redes sociais já tenho a facilidade de encontrar a noticia comentada o que facilita muita das vezes o entendimento e valoriza a capacidade de raciocínio. Vejo que com esse crescimento todos só tem a ganhar, quem me dera poder ter recursos financeiros suficientes para investir nessa área e trazer ao grande público toda essa avalanche de informação.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem